Bad Trip 2009: Power Rangers – Sega CD

Saudações aos fortes e fracos.

Mais uma seção do blog atravessa o ano e desenbarca em 2009. Para a alegria da garotada sedenta por humilhação desses desperdícios de tempo, dinheiro e programação que foram os joguetes mostrados aqui. No texto de hoje relembro mais um das inúmeras porcarias do Sega CD: Mighty Morphing Power Rangers. Exatamente, aquele grupelho adolescente em que todos sempre andavam juntos com roupinhas coloridas exatamente iguais aos de seus uniformes, usando o MESMO relógio (lembram do barulhinho?), mas que mesmo assim combatiam as forças do mal sob total anonimato.
Texto no link, as always.

Nascido no começo da década de oitenta, eu fui uma das trocentas crianças cuja infância foi marcada pelos super heróis japoneses, ou se preferirem, os tokusatsus e super sentais. Claro que fiz coisas como subir em árvores (bem antes do jardineiro ser Jesus), ralar os joelhos jogando bola na rua, andar de bicicleta e afins. Mas na hora de parar na frente da televisão, somente os super japas podiam disputar o meu tempo e atenção contra o videogame. Assisti com os olhos vidrados às aventuras de Metalder, Jaspion, Jiraya, Changeman, Flashman, Maskman, Kamen Rider Black e Kamen Rider Black RX. Assisti também até verdadeiras tranqueiras como Bicrossers, Machine Man e Google Five.

Todas essas atrações eram febre nos programas infantis matutinos, ao contrário do que se apregoava, eram eles as verdadeiras estrelas, os reais chamarizes que atraíam a criançada, não aquelas apresentadoras loíras com seus shortinhos atoxados, gestos artificiais e total falta de talento. O problema é que após a chegada dos anos noventa, os programas infantis que abrigavam essas séries foram gradualmente substituídas pelos insossos programas culinários cujo espaço era preenchido por 955780362 merchans entra cada receita. A cada “posta de salmão defumado com risoto balsâmico com alcaparras marinadas em manteiga sueca” ou “croquete de arroz preto parbolizado com linguiça calabreza defumada bezuntada em óleo de azeite de oliva extra virgem” vinham sempre os infames recadinhos e dicas devidamente patrocinados empurrando toda sorte de tranqueiras sobre as donas de casa. Pois é, os super heróis japonetas enfrentaram impérios malignos, monstros gigantes, guerreiros intergalácticos e ninjas mortais, mas não foram páreos para as cozinheiras televisivas.

Foi nesse cenário que surgiu uma das maiores picaretagens do entretenimento infantil: os Power Rangers. Para surprir ausência dos esquadrões niponicos, a Saban marotamente comprou o seriado Kyoryuu Sentai Zyuranger (sucessor natural dos changeman da vida) e americanizou todos os elementos possíveis, criando aquilo que descrevi no parágrafo de abertura do texto. As filmagens das cenas de luta e dos monstros e robôs eram todas originais, cuja diferença de imagem era ridiculamente perceptível em relação as pataquadas americanas. Bastava o ranger vermelho berrar “é hora de morfar!” que tudo de repente ficava mais granulado, com contraste e cores bastante diferentes. Completamente cara de pau.Essa picaretagem foi transferida para os games, bastando um pintura de sprite aqui, com um textinhos ali e tava tudo resolvido.


Os Power Rangers em um de seus profundos e filosóficos diálogos.

Na época em que o seriado estava estourando, fiz minha primeira viagem aos Estados Unidos, para conhecer os famosos parques temáticos Disney, Universal e agregados. Entre um passeio e outro, fui em uma loja de eletrônicos e lá haviam dois Sega CD expostos. Foi a primeira e única vez que tive um contato ao vivo com o Genesis plugado em seu infame add on. No Brasil, as revistas de games viviam recheados de anúncios com frases babacas do tipo “bem-vindo a próxima fase” e matérias rasgando elegios aos games “interativos” e “multimedia” do aparelho. Hoje até imagino quanto jabá deve ter rolado naquela época, mas é melhor ficar por aqui sobre esse assunto.

Pois bem, haviam dois aparelhos, um rodando um game de boxe chamado Prize Fighter e outro com o Power Rangers, o qual me despertou a atenção primeiro. Aí fui jogar, o melhor, tentar jogar. A experiência “interativa” e “multimedia” era um verdadeiro teste para cardíaco de tão arrepiante: um epsódio do seriado em baixíssima resolução e péssima qualidade de imagem e som tocava, quando rolavam as cenas de luta cabia ao otár…digo jogador esperar aparecer um botão qualquer na tela e apertar na hora certa, ocasionando um sonzinho bem irritante. O jogo é só isso? Sim, é só isso. Se não acreditam, comprovem por vocês mesmos:


Falem a verdade, sumpimpástico, hein?

Na mesma loja eu ainda joguei o Prize Fighter, que era basicamente a mesma porcaria, mas com filminhos preto e branco e pixelados até a tampa. Essa era a “revolução” do Sega CD, assistir um seriado com imagem pior que as televisões com cabo RF da época, e entre uma cena e outra apertar mongamente uns botões. Não é à toa que o acessório afundou épicamente e é motivo de piada até hoje quando se lembra dele. Pior que Power Rangers era apenas mais uma tranqueira na montanha de lixo que era a biblioteca do acessório. No Super Nes e no Genesis, os jogos do quinteto adolescente eram até que passáveis e ao menos eram de fato jogáveis, com proposta de gameplay bem mais honesta que o lixo em forma de CD.

Por hoje é só pessoal. Até o próximo post e abraços a todos.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time

29 thoughts on “Bad Trip 2009: Power Rangers – Sega CD

  1. Que coisa tosca hehe, eles estão em um lugar deserto e do nada estão em cima de um prédio, até hoje só joguei Sonic CD que por sinal é muito bom o resto dos jogos eu não conhecia. Se depender desse SegaCD vamos ter a sessão Badtrip até meados de 2012.

  2. MUITO tosca, Ederson. O pior que boa parte da biblioteca do Sega CD se resume a isso. Creio que tirando Sonic CD, Heart of the Alien, Snatcher, Lunar e Final Fight CD, o resto se resume ao mais puro lixo.

  3. ai meu coração!!!
    eu vejo power ranger ate hoje,ja to com 18 anos XD
    e tenho ate mesmo no emulador os 2 games dos Power Rangers pra Snes q ainda jogo bastante ~~

  4. Os Power Rangers do Snes eram bem meia boca também, mas eram daquele tipo de jogo só pra alugar, tirar umas partidas e para isso valiam algo. Pra ser sincero, nunca fui muito simpático com a tchurminha de Angel’s Groove, sempre preferi os seriados japoneses legítimos.

    Esse review do AVGN é ótimo, o do 32X é muito bom também.

  5. Cara é HORRIVEL!!!! Game multimidia interativo é o [email protected]%!!! Essa tosqueira está parecendo aqueles videos em baixa resolução que eram baixados na net quando ela ainda era todo discada. Quanto aos games para Snes, aquele de luta de Megazordes até que era bem divertido, tinha um sistema legal de encher o especial. Abraços

  6. O Sega cd foi o melhor periférico já lançado para um videogame.Pena que poucas produtoras souberam explorar todo potencial que ele poderia oferecer.
    E os jogos dos power rangers nos 16 bits eram bacanas,pelo menos os do mega e do snes.

  7. Sim,o melhor e o mais vendido também,com cerca de 10 milhões de unidades vendidas.Ele não era perfeito,mas também não era esse lixo que vocês estão dizendo.Se vocês conhecem algum periférico melhor que ele,digam ai.
    Acho que só ficou faltando suporte das produtoras de games,que tiveram dificuldades em explorar a capacidade que o cd podia oferecer,já que eram(eu acho) os primeiros contatos delas com esse tipo de mídia.

    Se querem ver tudo o que tinha de ruim e bom no sega cd,recomendo essa matéria feita pelo gamehall,parceiro desse blog:

    http://gamehall.uol.com.br/site/a-historia-do-sega-cd/

  8. Vamos lá ARPN, discordo completamente de ti. Independente da tecnologia ou de quem tenha feito, um console (mesmo nesse caso, foi usava o MD apenas como base, tendo seus próprios jogos) é julgado pela sua biblioteca. É como aquela frase que diz que o hardware não é nada sem o software. Nesse quesito o Sega CD foi uma bomba sobre qualquer aspecto, com uma coleção de games quase constrangedora. Creio que tirando Snatcher, Sonic CD, Lunar, Eternal Blue, Heart of the Alien e Silpheed, o resto disponível era de dar risada, incluindo as porcarias que citei no texto como Power Rangers e Prize Fighter.

    Eu conheço muito bem o Sega CD e a história dos consoles, incluindo essa matéria do Alucard. Obviamente é muito bem escrita, mas tem uma certa carga de nostalgia e emoção (afinal, ele teve um Sega CD) fazendo com que ele pegasse muito (mas muito) leve com o aparelho. Porém, tem dois dados lá que questiono: primeiro que o dado que tenho aqui é que o Sega CD vendeu 2 milhões de unidades mundialmente, não os dez alegados no texto. Outro dado é que o que diz que o console possui 400 jogos, quando o que consta são 80 jogos originais, e mais ou menos o mesmo número daquelas conversões picaretas de jogos que já existiam no Genesis e até o Snes. Ambos os dados que citei são do livro The Encyclopedia of Game Machines, de Winnie Forster.

    Você quer que eu cite um acessório melhor que o Sega CD? Pois não, apresento-lhe o PC-Engine CD Rom. Talvez ele não seja citado por ser muito pouco conhecido aqui, mas foi lançado antes, deu uma surra tanto no Mega Drive quanto no Mega CD, além de sua biblioteca ser muito mais respeitável. Não à-toa, o add on da Sega foi criado justamente para combate-lo no Japão (nos EUA a idéia era pegar o Snes mesmo), tarefa em que falhou miseravelmente.

    Enfim, essa é a minha opinião sobre o assunto. Discuto numa boa sobre isso, pode comentar a vontade que o blog serve para isso mesmo. Abraços.

    AvcF.

  9. Esse pc-engine CD rom é o turbografx-16 não é?Bom eu não conheço a fundo sua biblioteca de jogos.por isso não posso opinar o sobre ele.Agora sobre o sega cd,reconheço que faltou mais títulos exclusivos e de qualidade,mas continuo com minha opinão de que as produtoras de games não souberam tirar todo potencial que ele podia alcançar.
    Quando você diz que o pc-engine CD rom estava vencendo o mega drive,estar se referindo ao mercado japonês não é mesmo?E o mega não “falhou miseravelmente” nos EUA.Provavelmente não graças ao sega cd,mas o mega não só ameaçou como tirou a nintendo do topo do mercado norte americano,bem pelo menos por tempo…

  10. Turbografix 16 é o nome americano do Pc Engine, que por sinal naufragou na terra do tio Sam. Sobre o PCE, sim me referi ao Japão, pois lá a plataforma ficou em segundo lugar (NES e SNES foram absolutos em suas épocas, no Japão), com a Sega e suas plataformas com a lanterna na mão. Mas acho que você está se confundindo, quando escrevo Mega Drive, me refiro ao console japonês (aqui no Brasil ficou esse nome também) e Genesis quando me refiro ao americano. Pode parecer preciosismo de minha parte, mas é a nomenclatura que considero correta.

    Acho estranha essa tese de que “as produtoras de games não souberam tirar todo potencial que ele podia alcançar”. Por que no PC Engine, que é mais antigo, elas conseguiram? O problema a meu ver é que segundo rumores daquela época (digo isso porque preciso verificar isso nas obras que tenho aqui) o suporte da Sega à plataforma era muito ruim. Some isso a ter que administrar o Genesis, Master System e Game Gear, e temos uma situação de má gerenciamento que foi característica da empresa durante muitos anos.

  11. Um pouco de RBD pra acalmar o AVS..AVCF e o ARPN
    ps:hein avcf,ve la no versus drops,o primeiro cara q eles leem o comentario no Blah! o RBD FOREVER,sou EU XD

    Empezar Desde Cero
    RBD

    Toda mi vida
    Había soñado a alguién como tú
    Pedí noche y día
    Que el cielo nublado se hiciera azul

    No puedo explicarlo
    Me llenas con tus besos y tu luz
    No quiero negarlo
    Estoy perdiendo por tu amor

    Todos mis sentidos y mi forma de pensar
    Están contigo
    Y nada me puede parar

    Empezar desde cero
    Encendiendo el fuego que me pone a temblar
    Comenzando de nuevo
    Convenciendo al tiempo que me deje suspirar
    Uno a uno tus besos
    Van brincando el cerco
    Y te quiero más y más

    Cuánto daría
    Por ya no alejarme más de ti
    Por ti cambiaría
    Todo lo que soy y lo que fuí

    Todos mis sentidos y mi forma de pensar
    Están contigo
    Y nada me puede parar

    Empezar desde cero
    Encendiendo el fuego que me pone a temblar
    Comenzando de nuevo
    Convenciendo al tiempo que me deje suspirar
    Uno a uno tus besos
    Van brincando el cerco
    Y te quiero más y más

    Bañarme en tus sueños
    Liberando el aire que me impide respirar
    Cumplir mis deseos
    Que me están quemando en el corazón

    Empezar desde cero…
    Comenzando de nuevo…

    Empezar desde cero (Empezar desde cero)
    Encendiendo el fuego que me pone a temblar
    Comenzando de nuevo (Comenzando de nuevo)
    Convenciendo al tiempo que me deje suspirar
    Uno a uno tus besos (Uno a uno tus besos)
    Van brincando el cerco
    Y te quiero más y más

  12. Peraí, deixa eu ver se entendi direito: RBD FOREVER??? Baralho, é sério que você considera “isso” de música? A novelinha ok, era trash até a tampa, mas entendo, pois alguns amigos do meu irmão mais novo davam umas assistidas só para secar as gostosinhas de mini saia do colégio. Mas ouvir RBD e ainda por cima GOSTAR é deveras vergonhoso. Você precisa superar essa fase logo, rapaz.

  13. Pô NitroxxBr, a gente tava aqui num um papo cabeça e você me vem com RBD?????????? Agora baixou o nivel………… Ahh, então é você o RBD FOREVER lá do Gamehall!! ” Suspeitei desde o principio” ( Chapolin modo: On )

  14. Realmente o ser humano é um mistério. Como pode um mesmo ser que ouve Metallica, Dire Straits e AC/DC apreciar clássicos do cafona mundial como Alphaville, Rick Astley (serious business), Rod Stewart? Você leva mesmo a sério uma música chamada “Liso, Sensual”? Disso para coisas do tipo “Bomba” do Braga boys e “Is this love?” do White Snake basta um pulo. Direto para o buraco, claro.

    Continuar nessa toada eu escrevo um “Especial Bad Trip: músicas do NitroxxBR”. Haja coração.

  15. Encerrando o assunto do sega cd.Faltou mesmo suporte a ele de alguns gêneros como rpg por exemplo.Mas continuo com a minha opinião que o aparelho teve seu pontencial despediçado.
    Que culpa ele teve se as produtoras lidaram melhor com o Turbografix-16?Será que ele era inferior a ele?não sei.

  16. O Sega CD era superior tecnicamente, bastante por sinal. A carência era geral mesmo, apesar que dos “prestáveis” que citei, dois eram RPGs, Lunar e Eternal Blue.

  17. ao meu ver mtos videogames são bastante injustiçados aqui…não , naum defendo um ou outro, nem mesmo joguei o sega CD, mas dizer q ele eh ruim pq naum tinha mtos jogos bons naum eh justificativa…no mundo do videogame temos varias visões, a do mercado (os pais compradores), a dos especialistas palpiteiros, a das empresas q produzem, e a dos apaixonados defensores de uma marca. Todos esses tem sua opinião e acham q ela deve ficar acima dos outros…mas oq diz oq um videogame eh melhor? eh as unidades vendidas? eh o numero de jogos vendidos? é sua capacidade grafica, ou interativa? é o quesito inovação? são os competidores q ele enfrenta?
    Não vejo como o sega CD pode ser chamado de ruim se vcs mesmo afirmam q ele era superior q o outro de sua epoca…se os jogos para ele eram ruins , entaum naum culpem o sega cd, culpem as empresas q fizeram esses jogos. a culpa do sega cd ser considerado ruim parece ser inteiramente dessas empresas incopetentes q naum criaram bons jogos, e principalmente da sega q naum conseguiu atrair empresas boa com bons jogos para seu videogame, mas naum vejo pq isso necessariamente tem q tornar o sega cd ruim…
    quanto ao power rangers, msm o do snes eu achava bem fraquinho, quer dizer, jogos de lutas temos varios melhores, e para aquele power rangers estilão golden axe, prefiro no snes o final fight 3, captain commando ou msm tartarugas ninjas 4 XD

  18. Ponto interessante, Allan. Você considera injustiça, mas talvez seja por que eu não tenha deixado um critério claro quanto a isso. O fato é o seguinte: o hardware não é nada sem o software, ou seja, um console não é nada sem seus jogos. Quando procuramos um aparelho de videogame, o que buscamos nele é uma experiência de jogo, um gameplay. Quem provê isso é o software, ou o programa inserido na midia qualquer que seja. O console é apenas o mediador desse processo que envolve jogo/jogador, executando as linhas de código necessárias para a condução do jogo.

    Dito isso, tanto faz a quantidade de megahertz do processador, quantos efeitos de video a placa aceleradora 3D é capaz de renderizar ou quantos recursos extra jogo um aparelho possui. O que interessa de fato é como tudo isso é resumido nos jogos, que são o ponto primordial da coisa toda. Por isso que digo que o Sega CD é uma bea porcaria, por que sua biblioteca de jogos, salvo as exceções apontadas, é risivel e dar pena.

    Esse é o padrão que uso para julgar um console quanto a sua qualidade. É por isso que eu poderia facilmente dizer, por exemplo, que o Game Boy é melhor que o Jaguar, por mais estranho que isso possa parecer a princípio.

    E é verdade que tinham vários jogos de ação melhor que Power Rangers, como eu falei no começo, eles eram apenas passáveis e valiam no máximo uma alugada. Nesse genêro, Turtles in the Time, Super Double Dragon, Captain Commando, Final Fight 3, entre outros são melhores mesmo.

  19. Allan, tire um pouco da culpa da conta dos desenvolvedores e coloque um pouco mais na conta da sega, pois segundo os desenvolvedores de jogos o kit de desenvolvimento que ela (sega) soltou para oa produção de jogos para o sega cd não permitiam o uso pleno dos recursos extras presentes no periférico …

  20. “Turtles in the Time, Super Double Dragon, Captain Commando, Final Fight 3, entre outros são melhores mesmo.”

    zerei captain comando pela primeira vez esse ano XD

  21. pow… esses jogos interativos saum um lixo msm [tipow q… se eu num apertar os botões q aparecem uq acontece? rs] mas at ond sei…ele teve otimos rpgs… [claru q a maioria no japão…rs] e o sonic cd eh um dos melhores sonics 2d q existem… mas como eu sempre preferi a nintendo…rs

  22. Acho que o sega CD também tinha um Samurai Shodown que era bom. Lembro que a única coisa que joguei de bom nesse acessório foi uma coletanea de jogos clássicos do Megadrive, um Ecco The Dolphin e o Sonic CD hehehe o acessório safado, mas vendo esse Power Rangers, esse jogo influnciou God of War hahaahahaha 😛

  23. se o segacd era tao ruim assim como vcs falavam porque sera que todos os mulekes da epoca babavam nesses videos que SOMENTE o segacd era capaz de fazer com seu hardware naqueles tempos o pc engine CD nao so usava um cpu de 8 bits que o limitava a animacoes baseadas em tiles como tinha um chip de audio horrivel ( fmv nao tem como carregar som de cd pq eh transferencia de quadro a quadro e o som precisa ser pcm ) so citaram jogos fracos dele vejam esse video http://www.youtube.com/watch?v=k80dODWdj9I sega cd era um puta de um hardware com seu cpu 68k e seu chip de som que dava de 10 a 0 no som do snes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.