A Nintendo está pagando o preço (literalmente) por esquecer de seus valores

Saudações aos desordeiros.

A essa altura vocês já devem ter ficado sabendo da brutal queda de preço que a Nintendo aplicou sobre seu recente – e até agora decepcionante – portátil, o 3DS. Pois bem, aproveitarei esse post para deitar minha falação não apenas sobre esse fato, mas sobre algumas coisas relacionadas também. Adiante.

Pois é, foi assim do nada mesmo, como se fosse uma bomba. Apenas quatro meses após ter sido lançado, o Nintendo 3DS já teve seu corte de preço, caindo de US$ 250 para US$ 170 – portanto uma redução de 32%. A princípio é tudo alegria, afinal pagar menos por um console é sempre bom negócio, certo? Por lado claro que é (aliás, quanto será que o preço cairá aqui no Brasil, vulgo terra da roubalheira?), mas também fiquei com um pouco de pena dos otários chamados early adopters, aqueles apressadinhos que adoram comprar qualquer coisa recém lançada. Como sempre quebraram a cara, pois receberão como troféu joinha de consolação o acesso a um pacote mequetrefe para baixar uns games no e-shop do portátil.

Entretanto, não é exatamente esse mérito que tratarei aqui, e sim que causas levaram a essa consequência (o corte de preço).

O custo do fracasso

Não há um só produto de sucesso cujo preço tenha sido cortado no curto ou mesmo no médio prazo. Afinal, se vende bem, por que vender por menos? Nem precisa ir longe para se buscar exemplos, bastando lembrar que o Wii teve seu primeiro corte de preço mais de três anos depois de ser lançado. Por outro lado, como cheguei a explicar aqui em posts anteriores, por trás do preço há a noção de valor, que por sua vez é o que norteia a percepção do consumidor quando considera um produto “caro” e “barato”. Considerando suas qualidades e capacidades, o 3DS foi percebido como um produto caro, ou seja, dentro dessa lógica seu preço não condiz com seu valor. Na minha visão, a principal razão para isso é que a Nintendo acreditou que o 3D estereoscópico era um grande valor, maior inclusive que os jogos em si. Essa foi a mãe de todos os erros, pois quase todas as falhas do aparelho giram em torno desse artifício. Quando foi lançado, o DS era um console barato, econômico e acima de tudo acessível – graças as suas duas telas e o touch screen. O 3D estereoscópico por sua vez obrigou o 3DS a ser um console caro, pouco econômico (o 3D detona com a bateria) e menos acessível que seu predecessor, pois o 3D estereoscópico cansa visualmente o usuário, não é recomendado para crianças (justo um console da Nintendo, que ironia) e não torna os games melhores em nenhum sentido.

A consequência disso tudo é a vendagem abaixo das expectativas. Para completar o desastre, segundo o Adriasang, a Nintendo (talvez pela primeira vez em sua história) arcará com prejuízo para cada unidade de 3DS vendido. É a Nintendo mergulhando de cabeça no red ocean, agindo contrariamente ao valores que defendia até há alguns anos atrás. Não foi à toa que o site Kotaku afirmou com acerto que “a Nintendo chegou ao seu momento Playstation 3”, afinal vimos esse filme com os consoles HD nessa geração e vimos também no que não deu (ou não deu). No fim das contas, esse corte representa o custo do fracasso nintendista.

Perdendo sozinho

O 3DS está tão mal que está conseguindo a proeza de “perder sozinho”, ou seja, mesmo sem ter concorrentes, vende pouco e ainda perde para aparelhos mais antigos. Além de vender menos que seu antecessor, o 3DS está vendendo metade do que o PSP vende. Quem diria, hein? Apenas para constar, o PSP é um console morto em qualquer lugar do planeta senão o Japão.

O fracasso por trás dos nomes

Há uma notícia que praticamente passou despercebida devido a todo barulho causado pelo corte de preço do 3DS. A Nintendo anunciou os nomes oficiais dos próximos games Mario do 3DS, no caso Super Mario Kart 7 e Super Mario 3D Land. Perceberam um detalhezinho interessante dos dois títulos ? Mario Kart não possui o sufixo “3DS”, como sempre ocorreu nas versões anteriores (Mario Kart Advance, Mario Kart DS, Mario Kart Wii), e no caso do game de ação e plataforma, o “3D” passou a ser um adjetivo do substantivo “Land”, diferente de outros jogos como Star Fox 3D ou PES 2011 3D. Dessa forma, o “Land” é que é caracterizado por ser 3d e não o jogo em si, como alguns títulos do 3DS sugerem. Além disso vejam o video abaixo:

Cadê o 3D estereoscópico? Pois é, não há qualquer menção no comercial, nem mesmo quando as funcionalidades do aparelho são apresentadas. Talvez seja um sinal de que a Nintendo percebeu que o 3D fracassou enquanto um valor. Veremos.

Resultado final

Entre inda e vindas o fato é que tá feia a coisa para o lado da Nintendo. Essa ação agressiva e deseperada em um mercado sem concorrência mostra o tamanho da indiferença do público em relação ao 3DS. As vezes o remédio amargo é o que funciona e logo o Vita estará aí para tremer as estruturas. Se bem que os jogos mesmo ainda não me convenceram.

Veremos o que aconterá. Quem viver, verá. Enquanto isso, a Sony agradece à incompetência da Nintendo. O mundo dos video games é um lugar onde erros costumam custar muito caro. 3DS que o diga.

Abraços e até o próximo post.

AvcF – Loading Time.

16 thoughts on “A Nintendo está pagando o preço (literalmente) por esquecer de seus valores

  1. Você e alguns costumazes comentadores do seu blog ficaram repetindo que o 3D do 3DS não era valor agregado e sim um gimmick, que atrapalhava outros elementos muito bons do portátil, etc.

    Deu no que deu…

    Talvez a nintendo ache que o Wii e o DS fizeram sucesso pelo seus respectivos gimmicks e não pelo conteúdo dos jogos e o conteúdo, para o bem ou para o mal, ainda é o rei. Ou seja, ela parece esquecer ou realmente não entendeu o sucesso desses dois consoles.

    OBS: Vi um seis jogos do vita que me interessaram muito. Super Stardust, Wipeout, Dragon Crown e Tekken vs Street são os que mais me interessaram.

  2. Quem não se lembra da infeliz, e não menos soberba declaração de Ken Kutaragi na época ao lançamento do PS3, e aquele estupro que foi o preço inicial do console, ” Se você quiser comprar um Playstation 3 , então faça mais hora extra no trabalho”
    Talvez se a postura, e a estratégia da Sony fossem digamos mais humildes e respeitosas, seria bem possível que o PS3 estivesse em uma situação bem mais “confortável” atualmente, foi uma bela lição para Sony, e um claro recado de que o consumidor deve ser respeitado e não esnobado.
    Em teoria, isso é um exemplo a não ser seguido , mas parece que a nossa “gloriosa” Nintendo faltou nessa aula.
    E no ano passado foi a vez do “sábio” Reggie Fils-Aime soltar essa quando questionado a cerca do preço do 3DS ; ” O preço é este porque os fã ( nintendistas ) querem pagar isso por um console com a qualidade Nintendo”……….salto alto é pouco nesse mar de soberba, ali já dava pra sacar que isso não ia dar certo, o Malstrom também cantou essa pedra.
    Talvez a estratégia do “Oceano Azul” , que levou a Nintendo ao topo em um primeiro momento, acabou não se sustentando . Os “novos jogadores ” vindouros do Wii, evoluiriam até se tornarem consumidores “Topo de Mercado”, estes por sua vez, não teriam problemas em consumir videogame de forma constante , e por consequência caros como o 3DS, e é ai que entra um ponto crucial:Os casuais não evoluíram, além disso ao expandir o mercado, e tornar a concorrência irrelevante, a Nintendo por consequência rompeu com as Thirds, já que estas não compartilhavam a mesma visão. A Nintendo foi obrigada a se virar sozinha até onde pode, e parece que já chegou no seu limite. Talvez isso explique o porque ela agora estar voltando para os “hardcores” ou se preferir para o “Oceano Vermelho”…….minha opinião.

  3. Clint, a nintendo matou o DS e o Wii, ela não quer fazer jogo para o público expandido e nem para os antigos jogadores. Não foi uma falha no Oceano Azul e sim erro da nintendo por acreditar que os jogadores novos e antigos comprariam Other M, Mario 3D e Wii Music. Eles não querem esses jogos, eles querem Mario Kart, Wii Sports, Mario 2d, Smash Bros, Wii Fit, etc. Mas a nintendo quer fazer jogos que agrada poucos, quer ser criativa. E a escassez de jogos da nintendo foi pq ela quer lançar um console em cima do outro, acabou por tirar o foco das plataformas vigentes, assim Wii e DS ficaram sem jogos constantes e reduziram as vendas.

    1. Concordo em partes Camarada, a Nintendo quando aderiu ao Oceano Azul abraçou valores que as Thirds em um segundo momento não aderiram, já que no primeiro instante elas acharam que bastava entupir o Wii com jogos meia boca pra que pudessem lucrar assim como a Nintendo, que estava totalmente enquadrada na estratégia do Oceano Azul.
      O resultado disso esta ai já faz tempo. O Wii vem sofrendo com estiagem de grandes jogos a um tempão, vide o caso de alguns nintendistas que estão promovendo protestos para que a Nintendo traga para o ocidente alguns games como Xenoblade , e Last Story. Os grandes jogos são ofertados em doses homeopaticas , e quando chegam , são aqueles de sempre , e da própria Nintendo, até mesmo para ela chega uma hora que não dá para viver só de Mario, Zelda, e Metroid. Paralelamente a isso temos o 3DS , mas não temos jogos para ele( só ports ).
      O que eu quis dizer com a falha no Oceano Azul da Nintendo, e o provável retorno aos Hardcores , é fato dela não conseguir criar novos oceanos dentro daquele que ela já havia criado no inicio da geração com o Wii e DS. Tudo isso porque nesse mundo , e no mercado , é difícil se manter sozinho, e no caso da Nintendo as Thirds à deixaram a ver navios.

  4. Agora sim eu acho q podera bater de frente com o psvita!

    e pelo preço assim q abaixar n paraguai eu vou pegar o meu…ou devo pegar um dsxl mesmo? hmmm

  5. É como o Camarada Moderado falou, a Nintendo tratou um gimmick, que lhe custa bastante, como o principal valor do 3DS. Só mostra o quanto a Nintendo está obsessiva com o efeito 3DS, deixando de lado valores reais que ela prega com o DS e o Wii. O pior de tudo é a reação por parte dos Nintendistas, que se mostram bastante ingênuo quanto a isso. Lembra até os caixistas nos casos das 3RLs no X360. No mais, já dá para imaginar o Iwata acompanhando de perto as vendas do Mario 3DS (que já tem outro nome…). Se o jogo não se tornar system sellers como se espera, principalmente que ele está sendo jurado como o game que quebrará a barreira do Mario 2D com o 3D, Iwata vai bater na porta da sala do Miyamoto e falar para ele fazer um Mario 2D inteiramente novo para amanhã. É óbvio que Miyamoto vai fazer cara feia e dizer que já fez isso e que não quer fazer de novo, mas Iwata, numa postura de macho, vai mandar Miyamoto e toda a sua intuitividade e “criatividade” à merda e fazer o que ele está mandando.

  6. foi uma mancada da nintendo embarcar assim na onda do 3D, principalmente por ser algo contrário à filosofia que ela tem seguido, de se importar mais com diversão e menos com gimmicks.

    mas tá aí comprovado, o 3D é uma brincadeirinha pelas quais as pessoas até topam gastar um dinheirinho a mais de vez em quando (sabe-se lá até quando), mas não muito.

  7. Ia dizer ontem que hoje ia chover (com isso do AvcF meter pau na Nintendo), mas o pior é que tá chovendo mesmo agora. 😀 😀 😀

    Falando sério: tem que ver se a coisa AINDA pode melhorar. Se com o PSP melhorou (mesmo sem esse ser o líder)…

    1. @Trouble Man: é porque o Avcf abomina a rardecoridade, e a Nintendo tá dando a entender que quer entrar para o lado hardcore da força…hehe

  8. Sou apaixonado pelo meu Wii e DS. Tanto que aqui em casa o famoso quem pega poeira é o PS3. Mas o fato é que a Nintendo gostou demais das vendas do Wii e do DS, mas não gostou do que eles representam. Existe uma grande turma old school que quer jogar Mario 2D todo ano, que gostou do Wii Sports e Wii Fit. O público do DS não ia imediatamente comprar um portatil como o 3DS. Eu mesmo so comprei meu DS XL agora. porque achei bonito as 2 telas grandes e de tamanho igual, sem possibilidade de riscar nem nada como é o 3DS e suas telas de tamanhos diferentes. E acredito, nessa linha vai acontecer o mesmo com Wii U. Essa não é a mesma empresa das gerações de Wii e DS.

  9. Como eu disse em outro artigo: numa dessas um 3DS Lite ou 3DSi podem salvar a paradinha toda. Isso, claro, com bons e inovadores jogos o acompanhando.

  10. Não havia prestado a atenção na “mudança de sufixos” desses 2 jogos AvcF, bem comentado!!

    Concordo com os colegas de que a Nintendo realmente investiu apenas no “fator 3D” para acreditar que ele faria sucesso (prova disso é que a maioria dos grandes jogos iniciais são todos ports de jogos antigos ou que já não são mais novidade no mercado, até mesmo entre as Thirds). Ao que me parece, a Nintendo realmente não tinha nenhm “plano B” na manga caso seu (único) apelo falhasse – isso é que me surpreendeu. Será que ninguém cogitou que o console poderia não dar certo no curto prazo?!

    A uns dias lí que analistas sugerem que o fracasso do 3DS pode acabar atrapalhando o lançamento do WiiU. Depois que eu descobri que usar um 3DS pode ser a única forma de jogar com “mais de 1 controle-tablet” simultâneo me leva até a imaginar esse cenário.

    De qualquer forma, o console que eu acreditava já nascer morto (Vita) está me deixando bastante intusiasmado. Eu mesmo não tenho pretensão nenhuma de comprar um 3DS (e eu tinha), minha visão já sofre com uma tela LCD normal depois de horas de exposição (ou vários mesmo minutos) quanto com esse efeito que já “não vejo com bons olhos” xD.

    Ainda dá tempo da Nintendo virar o jogo (e acalmar os acionistas), mas até o lançamento do Vita, sinceramente, cadê os GRANDES JOGOS pra isso?!

  11. Vi esse vídeo aí e o novo slogan para o 3DS me parece muito imaturo, coisa de empresa que tá começando agora a se aventurar nos games, ainda despreparada.

    “This is not a DS, this is Nintendo 3DS.”

    Fosse tão segura mesmo dessa nova investida em um portátil, a Nintendo não precisaria fazer recordar do velho portátil.

  12. O Mario Kart do GBA se chama Mario Kart: Super Circuit e não Mario Kart Advance. =P

    E eu sabia que o 3DS não seria um enorme sucesso de imediato assim que o vi na E3. Isso porque os “hardcores” se entusiasmaram demais.

    Então essa derrapada da Nintendo não me surpreende. Pior ainda, reiniciaram a franquia Fire Emblem com um remake do primeiro jogo, e lançaram no ocidente para todos conhecerem a origem. Aí fazem uma sequência, Iwata promete vários jogos “Japan only” para os EUA e o que temos? Esse grande jogo de uma grande franquia, esquecido. Esse foi o motivo de eu não comprar o 3DS, o não lançamento do segundo Fire Emblem do DS nos EUA.

    Problemas com 3rds à parte, a Nintendo sempre “alimentou” os seus fãs. E é justamente por ir contra isso, que essa situação é merecida.

    Como eu já previa, Wii e DS marcarão o fim de minha história com jogos eletrônicos.

  13. @Cliff Saos: No Japão é Mario Kart Advance mesmo.

    O que parece estar acontecendo é que a empresa deixou a empolgação subir a cabeça, fora que já deu uma acomodada faz um tempinho. Espero que ela se acerte até o Wii U, porque vai ser foda ter “outro GameCube” aqui em casa…

  14. Aqui na minha cidade nao tem um dono de 3DS q nao esteja chorando de raiva, raiva de ter gastado tanto dinheiro no lançamento sendo q logo baixou o preco, chorando pois já lançaram um acessório pra adicionar um direcional (significa q o próximo modelo de 3DS terá isso já embutido ), chorando pq ate agora os únicos jogos q valem apena jogar sao remake

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.