Reflexões sobre o “help” da Nintendo

New Super Mario Bros Wii

Saudações aos polígamos.

Vocês devem ter visto que saíram algumas notícias acerca da tal função “Help” que a Nintendo talvez passe a utlizar em seus futuros jogos, começando por New Super Mario Bros Wii. Pois bem, é sobre isso que falarei nesse post. Discutirei minha visão sobre esse implemento e sobre como pode afetar o game design de forma positiva ou negativa. Leiam, reflitam e diagem o que acham.

Alguns meses atrás houve um certo rebuliço nos fóruns internéticos quando surgiram umas imagens mostrando desenhos que supostamente descreviam uma patente relacionada a Nintendo. Nela haviam ilustrações do que pareciam ser algo relacionado a Zelda, cujos textos descreviam um tipo de funcionalidade que pareceu estranho a princípio. Claro que (sempre eles) os rardecores, começaram com as baboseiras, com afirmações diversas que seguiam a linha de “tão vendo? A Nintendo abandonou os rardecores e só quer os casuais”. Tirante esses argumentos quadrúpedes, realmente muita gente ficou preocupada, me lembro bem, mas como a notícia se tratava de um rumor a princípio, acabou esquecida.

Pois agora não apenas voltou, como foi confirmada, primeiro em uma entrevista do Miyamoto na E3 e agora como podem ler nessa nota traduzida pelo site Wii Brasil:

“No final do ano passado, Shigeru Miyamoto registrou um patente que gerou discussões sobre um possível sistema de “ajuda” aos jogadores em títulos “harcore” da Nintendo, focados em jogadores mais experientes, que permitiria que os fãs pouco acostumados com games não ficassem impedidos de progredir nos trechos mais difíceis destes.

Hoje, o periódico norte-americano USA Today confirmou a existência de tal sistema, que fará sua estreia em New Super Mario Bros. Wii, que tem lançamento previsto para o final do ano. Segundo a redação, jogadores poderão ativar o sistema de ajuda a qualquer momento de um nível difícil, de forma que o jogo passará a “se jogar sozinho” e transpôr os obstáculos, com a função podendo ser desativada a qualquer momento. Fãs que tiverem tal opção ativada em seu jogo não poderão salvar seu progresso.

Shigeru Miyamoto, designer da empresa japonesa, disse que o novo sistema “permitirá que jogadores da audiência expandida do Wii possam aproveitar jogos aos quais eles normalmente não teriam acesso”. Por fim, ele confirmou que a função também é planejada para futuros títulos da empresa.”


New Super Mario Bros Wii

De fato trata-se de uma idéia um tanto diferente, não me lembro de algo parecido em outros games, tanto atuais quanto antigos. A questão é se faz sentido ou não em termos de game design. Claro que profissionais que são, o pessoal da Nintendo sabe o que faz, além de que a idéia não surgiu ontem nem semana passada. É algo que vem sendo maturado, debatido a bastante tempo, pelo que me parece. Por isso, de minha parte fiquei apenas surpreso, não desconfiado.

O primeiro problema é que não há maiores detalhes de como isso realmente irá funcionar. Assim, a princípio parece que o jogador a qualquer momento poderá acionar o “mamão com açúcar mode”, que já que não poderia ser salvo, não seria uma partida para valer. Partindo desse princípio, me parece como uma daquelas ferramentas de emulador, ou seja, algo artificial. É aí que reside o “X” da questão, pois acredito que se não for implementado de alguma forma que faça sentido no gameplay, ficará parecendo como uma solução barata e preguiçosa para ajudar jogadores em dificuldade. Sistemas de ajuda existem faz algum tempo, como nos jogos Professor Layton (os hint coins) e Zack & Wiki (Oracle Dolls), porém existem duas diferenças fundamentais. A primeira é que são sistemas de dicas que no máximo indicam como e quando fazer algo, mas não o faz para o jogador. O segundo e mais importante é que há um custo sobre isso. No caso dos hint coins, o jogador precisa achá-los no cenário, e a cada dica consultada, gasta-se uma moeda. Já as oracle dolls tem de ser compradas, e a cada unidade usada sobe o preço da seguinte.

patente
Suposta ilustração da patente da Nintendo. Surgiu quando a notícia ainda era rumor

No caso do sistema da Nintendo, não há nada que mencione isso, pelo menos por enquanto. Parece que o jogador aciona quando e quantas vezes quiser, o que , por exemplo, dá a idéia que alguém pode ligar o “help” e assistir o jogo inteiro “se jogar”, anulando a experiência de jogo. Dúvido que seja dessa forma, pois seria mais moleza do que sentar no pudim, ninguém iria querer isso. Um detalhe importante que não me passou despercebido na notícia foi o trecho que disse “Fãs que tiverem tal opção ativada em seu jogo não poderão salvar seu progresso.” Isso sugere que de uma forma ou de outra o jogador em alguma hora será obrigado a arregaçar as mangas e tentar superar as dificuldades por conta própria, após o jogo mostrar na prática as formas de superação. Se for assim, será como um substituto daquele amigo mais habilidoso que pegava o controle e passava de fase para mostrar como se faz.

Curiosamente, resolvi dar uma fuçada na internet para ver se encontrava opniões de designers a respeito dessa nova idéia de Miyamoto (não tenho certeza se é dele, mas ao menos foi anunciada por ele). Para meu espanto, não vi nenhum comentário a esse respeito, com exceção do sempre afiado Sean Malstrom:

“Eu acho que Miyamoto se esquece de suas próprias invenções. Ele já inventou isso. Se chamava Warp Zone.

Super Mario Bros, mesmo que terminado em cinco minutos, era considerado tão complexo, tão vasto, que o warp zone foi inserido. Encontrar um warp zone era mais fácil do que pessoas pensavam. Na fase 1-2, era instintivo correr por cima do teto. Se alguém perdesse isso e encontrasse depois, pensaria ‘ah cara, não creio que perdi essa!’ Todo mundo achava que o warp era divertido.

Eu não gosto do que Miyamoto está fazendo com New SMB Wii, porque eu acho que não será uma parte natual do mundo do jogo (o que o warp zone é: uma seleção de fases como se fosse parte parte natural do mundo de jogo). Muitas pessoas terminaram SMB, SMB 2, SMB 3 e SMW pela primeira vez usando warp zones, e elas não sentiram insatisfação. Mas com um seletor de níveis artificial, se sentirão como se tivessem sido arrancados do mundo do jogo por uma mão misteriosa e posto de volta em seguida. Em outras palavras, se sentirão como se tivessem trapaceando. Eu não acho que seja a abordagem correta.”

Mais adiante, ele complementa:

“Em Super Mario Bros, para chegar ao mundo 8, ao menos, tem de passar pelas fases 1-1 e 1-2. Você tinha de completar as noções básicas do jogo (como o pulo sobre o goomba). Se você não completasse, bem…Na fase 1-1, se você não conseguisse pular sobre o primeiro goomba (como aparentemente Cammie não conseguiu ao jogar na E3, haha), então significa prejudicar o jogador em permití-lo pular aquela parte. O jogador tem de fato adquirir alguma habilidade para conseguir prosseguir no jogo. Colocar vidas infinitas ou pular o estágio no começo, não ajuda ninguém, além de prejudicar a experiência. Deixem-os atravessar via warp sone. Ou, talvez, dar a opção em que o jogador possa jogar com ou sem warp zones. Se sim, os warp sones podem ser proeminentes.”

No livro Game Level Design, o autor Ed Byrne a certa altura fala sobre balanceamento e curva de dificuldade. De forma indireta, é mais ou menos a isso que Malstrom se refere. Ao utlizar um sistema artificial como supostamente é esse novo da Nintendo, você solapa essa harmonia, tornando a curva de dificulade praticamente um gráfico de sismógrafo. Justamente por isso que destaquei o detalhe do impedimento de salvar enquanto o “help” estiver ligado, além do fato dele poder ser desligado (respondendo assim a pelo menos uma crítica de Malstrom.) A notícia também informa que esse implemento fará parte de outros futuros jogos da Nintendo, além do já citado New Super Mario Bros Wii, o que naturalmente gera perguntas como “e como será isso no próximo Zelda?” Realmente isso ainda é uma incógnita, até porque nem mesmo vi funcionar isso em NSMB Wii.

Veremos no que isso dará. Acho improvável se tratar de uma bola fora, mas não dá para saber ainda se essa opção fará sucesso. Se de alguma forma tornar o gameplay mais democrático, sem contudo idiotizá-lo (como várias companhias terceirizadas fizeram no Wii e se deram mal), separando os casuais retardados dos rardecores, pode ser algo bacana. Por outro lado, soará como um truque, um “gimmick”
que será dispensável e rapidamente esquecido. Somente farei maiores julgamentos quando souber mais sobre como funcionará esse “help” nos jogos Nintendo. Quem viver, verá.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

14 thoughts on “Reflexões sobre o “help” da Nintendo

  1. Realmente isso vai depender muito de como vai ser implementado. Tem que ver se realmente vai poder ser usado em todas as partes do jogo e quais os poréns. Lembro por exemplo que jogando Jet Set Radio em algumas partes aparecia alguém te mostrava o que fazer e você repetia, como se fosse um desafio, e isso era bacana. Talvez se for colocado assim, não somente como um “help” mas também como um desafio e algumas partes do jogo seja interessante. Em Zelda já temos a fada que indica os pontos fracos dos inimigos que também já é uma ajuda, porém lembro que detestei Metroid Fusion pelo fato dele já me indicar aonde devo ir. Tem que esperar mesmo pra ver.

  2. Eu acho que seria muitíssimo interessante se fosse usado da seguinte forma: Pense em Prince of Persia – the sands of time. Agora troque o principe pelo encanador gordinho, acione a mão invisível de demo e ele te mostra como fazer determinada coisa (exatamente o que procuramos em detonados da vida). Quando você soltar o botão ele simplesmente retrocede e coloca onde você estava.

    Já utilizamos este artifício desde o início do indústria, seria apenas uma forma de já tê-lo dentro do jogo, sem precisar consultar a internet ou algo parecido.

    Eu particularmente não tenho muita paciência em ficar muito tempo preso em determinada fase, apesar de me considerar “rardicóri”.

    Esta é a primeira vez que comento, mas leio sempre o blog. parabéns.

  3. Talvez deva funcionar como os “vídeos walkthrough” no youtube. Citando um caso pessoal, eles foram de muita valia para pegar algumas estrelas no Super Mario 64, o que não me furtou do esforço em repetir a tarefa. Além disso, o modo “help” nem sempre pode ser garantia de que o jogador terá habilidade de conseguir fazer o mesmo. Ou alguém já conseguiu zerar Super Mario Bros em 5 min que nem aquele sujeito?

  4. nao li! desculpa
    POREM
    eu acho essa de “help” uma sacanagem,pq super mario já e um jogo simpes,e ainda querem facilitar demais!!!
    isso vai tirar a atenção daqueles que gostam dos desafios…apesar de que quem usar essa ajuda nao podera salvar!

  5. Obrigado, Flavio! Continue apoiando o blog!

    E o Nitroxx para variar não leu…não entendi isso de “tirar a atenção daqueles que gostam de desafio”, o que você quis dizer com isso? Lembrando que o help será opcional, não obrigatório.

  6. Você viu isso no fórum lol, né? Já li esse artigo antes. O curioso é que foi escrito em outubro de 2006, ou seja, quando nem o Wii e o PS3 haviam sido lançados (ou então tinham acabado se serem, não tenho certeza agora). O que posso dizer de antemão é que a bola de cristal dele é deveras precisa…

  7. “E o Nitroxx para variar não leu…não entendi isso de “tirar a atenção daqueles que gostam de desafio”, o que você quis dizer com isso? Lembrando que o help será opcional, não obrigatório.”

    eu sei q nao e obrigatorio,e pode ser habilitado quando quiser,mas o pessoal q cresceu jogando mario nao vai gostar muito.e jogo até hoje jogos da serie mario 🙂

  8. Shigeru Miyamoto, designer da empresa japonesa, disse que o novo sistema “permitirá que jogadores da audiência expandida do Wii possam aproveitar jogos aos quais eles normalmente não teriam acesso”. Por fim, ele confirmou que a função também é planejada para futuros títulos da empresa.”
    …………………………………..
    Ou seja ajudar os jogadores casuais com a sua casualidade, sinceramente eu juro que tento gostar de algo dessa nova nintendo casual, mas a cada noticia da mais raiva =P, todo jogo tem uma dificuldade que tem ser vencida, até isso a nintendo ajuda a fuder ¬¬, a sony e a M$$ não copiando isso(já chega as balangações) eu fico feliz, e mario cada vez menos me interessa =P

    Otimo Artigo ^^

  9. Em algum post passado comentei que a estratégia da nintendo parecia nao ser exatamente expandir o publico com jogos casuais, mas mostrar os videogames de forma diferente a pessoas que nunca se interessaram, ou se desinteressaram com o tempo, e aos poucos, tentar trazer parte desta atenção aos seus jogos mais tradicionais, gradualmente.

    Ela de fato está fazendo isso, e porque?
    Por que em 2 ou 3 anos ela anunciará um novo console, e os tais “jogadores de wii fit” talvez não entendam o motivo pelo qual devam comprar um novo console se o atual é tão bom.

    Agora que teve a atenção de 50 milhões de pessoas, muitas delas não-gamers, a big N tentará convencer estas pessoas de que sua maquina de exercícios também é um videogame, e que jogar videogame pode ser legal!

    Ela está tentando garantir a venda da próxima geração de consoles!!!

  10. Leandro disse: “Ou seja ajudar os jogadores casuais com a sua casualidade, sinceramente eu juro que tento gostar de algo dessa nova nintendo casual…”

    E desde quando a Nintendo fora algo além de casual? Pense nos jogos dela com carinho e verá que ela nunca foi casual.

    Aliás…que termo mais idiota esse de casual e hardcore. São os jogadores xiitas querendo ser especial em um mercado que já não acha mais eles especiais. Verdade seja dita, o mercado está se expandindo e os gamers perdendo a exclusividade. É a vida. Aconteceu isso no cinema, na música…a coisa tende a se popularizar. E o “popularizar” assusta os colegas gamers, assusta muito.

  11. retificando minha mensagem anterior (moderador pode deletar ela?)

    Leandro disse: “Ou seja ajudar os jogadores casuais com a sua casualidade, sinceramente eu juro que tento gostar de algo dessa nova nintendo casual…”

    E desde quando a Nintendo fora algo além de casual? Pense nos jogos dela com carinho e verá que ela SEMPRE foi casual.

    Aliás…que termo mais idiota esse de casual e hardcore. São os jogadores xiitas querendo ser especial em um mercado que já não acha mais eles especiais. Verdade seja dita, o mercado está se expandindo e os gamers perdendo a exclusividade. É a vida. Aconteceu isso no cinema, na música…a coisa tende a se popularizar. E o “popularizar” assusta os colegas gamers, assusta muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *