Reflexões sobre as decepções de 2010

Saudações aos aulícos.

Voltei, amiguinhos. E sem perder tempo, boto a bagaça aqui para funcionar. Aproveito para dizer que 2011 será um ano provavelmente mais corrido que o de 2010, pois é meu último ano de faculdade, e portanto terá TCC na parada. Entretanto, como já cheguei a mencionar antes, isso não significa que o blog será abandonado. Aliás, eu pretendo colocar conteúdos diferentes, portanto, aguardem por novidades. Digressões à parte, sigamos com o texto. Vamo que vamo.

Após retornar de uma breve viagem de férias, resolvi dar uma lida nos sites de games para me atualizar com que havia deixado de ler entre o final de 2010 e o início de 2011. Entre as diversas notícias notei que haviam algumas na linha “decepções de 2010”, como nesses exemplos aqui, aqui e aqui. Isso só para ficar em alguns, pois houve mais desse tipo internet afora. Foi então que comecei a perceber que havia um padrão nesses textos, ou seja, games que se repetiam e argumentos parecidos para justificar a inclusão deles. É sobre isso que falarei nesse post.

Começo pelo jogo que foi a maior decepção para os jogadores de Wii, Metroid Other M:

Acho que não restam dúvidas quanto ao fracasso que foi esse jogo, não? Curiosamente, quando Sean Malstrom foi o primeiro na internet a apontar o fracasso do jogo, apanhou feito um cão vira-latas nos fóruns de Metroid. De qualquer forma, o fato é que quando o próprio presidente da Nintendo of America admite o fracasso, não há o que argumentar. Com o perdão do termo, foi uma grande cagada terem transformado a Samus de uma letal caçadora de recompensas em uma atriz da Malhação que se borra de medo perante um inimigo que já derrotou várias vezes, além de protagonizar cenas de novela mexicana com o capitão gatão de churrascaria. Não me alongarei, pois já escrevi um post sobre esse jogo, mas acredito que depois desse jogo a batata do Sakamoto deve ter assado feio lá na Nintendo. Continuo sem a menor vontade de jogar essa gororoba, principalmente agora que consegui comprar o Metroid Prime Trilogy. Esses jogos sim “honram as calças” da série.

Gran Turismo 5

O ano de 2010 não deve ter sido muito fácil para os amiguinhos rardecores sonistas. Console em último lugar de vendas entre os da atual geração, o Move fracassando, e para piorar, os maiores lançamentos exclusivos decepcionaram. Me lembro do comentário de alguns colegas de trabalho quando Gran Turismo 5 saiu: “tanto tempo de espera para isso?” ou “parece jogo do começo da geração”. Não posso comentar sobre o gameplay, pois não joguei e não gosto de simuladores de corrida. Todavia, conversando com quem experimentou o jogo, foi unânime a afirmação de que GT5 está muito abaixo do realismo que o jogo diz oferecer. Mas além disso, pude perceber uma lances bizarros, ainda mais para um produto que ficou cinco anos em desenvolvimento. No meu ponto de vista é inadmissível um jogo do todo poderoso Playstation 3 ter árvores de papel e platéia formada por gifs animados. Se esse tipo de detalhe é motivo de riso em jogos do Wii, deveria ser motivo de apedrejamento em praça pública para os funcionários da Polyphony. Além disso, o tão esperado sistema de danos é uma piada. Por falar nisso, acho meio vergonhoso o jogo perder no quesito gráfico para um concorrente lançado mais de um ano atrás:


Rardecores adoram esse videos. Não é à toa que o Game Trailers tem vários desse tipo.

Fora toda a sorte de bugs que jamais deveriam ter passado na versão final do jogo. No fim das contas, venderá para os fanáticos de sempre, já que tal qual Other M, Gran Turismo também conta com sua turba disposta a enfrentar os fiéis que ousam criticar o jogo. Mas que foi uma baita decepção, isso é inegável.

Final Fantasy XIII e XIV

O que acontece com série Final Fantasy? É incrível como depois da FF VII, os jogos da série vem decaindo em popularidade ao longo dos anos. Me lembro bem do fenômeno que foi aquele jogo na era Playstation, sendo inclusive o responsável por sacramentar o console da Sony na posição de líder daquela geração. Assim como acontece com todo fenômeno gamístico, Final Fantasy VII fez muita gente comprar um console apenas para jogá-lo, e mais do que isso, fez muitos consumidores fiéis da Nintendo trocar de barco. FF VII fez milhões de jogadores migrarem do Super NES direto para o Playstation, deixando o Nintendo 64 para trás. Já Final Fantasy XIII por sua vez, nem de longe conseguiu isso, pior: a Square-Enix prostituiu o jogo lançando um port sem vergonha para o Xbox 360. Mas o que aconteceu com o jogo em si? As críticas foram unânimes: trata-se de um game lindo graficamente, porém limitado e linear. Todavia, eu realmente percebi que havia algo de errado com o jogo quando comentei as críticas sobre o jogo com um colega sonista, e ele me respondeu mais ou menos assim: “o pessoal é muito injusto. Depois de umas 30 horas o jogo engrena e fica ótimo”. Foi quando eu retruquei: “tá…mas o que você fica fazendo durante essas horas?”. Até hoje aguardo pela resposta.

Sobre Final Fantasy XIV, eu realmente fiquei espantado, pois nunca imaginei que a Square-Enix pudesse lançar um troço tão constrangedor com sua principal marca. Por que diabos lançaram às pressas um game com tantos problemas e bugs? O resultado, como todos sabem, foi um desastre, e parece que até a equipe do jogo terminou demitida. Aliás, também não sei porque quiseram novamente lançar um MMO, depois que o obscuro Final Fantasy XI terminou sendo um game…obscuro. Errar é humano, mas persistir no erro foi burrice.

Epic Mickey

Esse é um caso curioso. Embora tenha se dado mal na crítica (várias notas medíocres mostram isso), aparentemente o jogo está indo bem com o público.(Por sinal, o título do texto do MSN jogos(?) está errado). De fato, Epic Mickey teve um hype imenso, incluindo diversos videos com os produtores dizendo o quanto o jogo seria fantástico. Porém o resultado final acabou aquém da exagerada expectativa criada em torno de Epic Mickey. As falhas são conhecidas, como a câmera porca e o pointer impreciso. Porém, a julgar pelas vendas, parece que as pessoas estão gostando do jogo, apesar de seus defeitos. Seja como for, tenho minhas dúvidas de até onde a formula Mickey + Mario 64 funciona. Como ainda não joguei, talvez o faça em 2011, e aí verificarei qual é a desse jogo.

Minha decepção pessoal

No meu caso, sem dúvida fiquei bastante desapontado com 007 Goldeneye. Não que o jogo seja ruim, até porque me surpreendi com a qualidade técnica do jogo. Porém definitivamente não consegui engolir a “callofdutização” pelo qual o jogo passou. O que no Nintendo 64 foi uma experiência inovadora e aberta (em relação aos calabouços típicos dos shooters da época), se tornou algo absolutamente corriqueiro para o padrão atual. “Goldeneye Wii” não tem absolutamente nada de diferente dos últimos games Call of Duty, sendo igualmente linear e pretensamente cinematográfico. Isso sem contar a descaracterização que Goldeneye sofreu com os personagens genéricos que substituíram os originais. Por exemplo, o novo 006 ficou parecendo um clone crescido do Jimmy Hopkins, do game Bully.

Ok, o jogo fez sucesso, vendeu bem e tal, mas não gostei. Não foi o que esperava de um remake de um clássico dos anos 1990.

Por fim…

Claro que teve vários outros exemplos, mas muitos desses jogos eu mal tive contato, o que dificulta comentar com mais precisão. E vocês, o que acham? Que jogos lhe decepcionaram no ano que passou?

Vou ficando por aqui. Até o próximo post e feliz ano que está começando.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

12 thoughts on “Reflexões sobre as decepções de 2010

  1. Eu nunca joguei, o goldenEye 007 para N64. Porém joguei o do DS e axei ele realmente muito parecido com os Call odf Duty de hoje em dia.

    Fiquei muito triste em ver o que aconteceu com Metroid: Other M. Estava esperando um grande jogo, desde o primeiro jogo que joguei de Metroid (Fusion) comecei a amar a série. Depois disso joguei o Zero Mission e em seguida o Metroid Prime: Hunters

  2. Comprei Goldeneye do Wii e já possuia o clássico do N64, na minha humilde opinião a versão do Wii dá um banho em tudo na do N64, não só na parte técnica mas na diversão também, não passo um dia sem jogar o modo GOLDENEYE Online é perfeito! Envolve estratégia, planejamento, trabalho em grupo e boa mira claro! Já o Metroid apesar de já ter finalizado tenho que concordar que o game ficou bem aquém do que estamos acostumados na série. O Epic Mickey me parece ser um bom jogo apesar dos defeitos. FF faz um bom tempo mesmo que desandou a coisa, espero que The Last Story seja o game do criador de FF que venha a fazer jus ao seu nome e legado.

  3. Nao sei como e que voce pode dizer que a PS3 passou mal.o FF e parcialmente o GT(a gameplay e perfeita so que peca em tudo o resto) foram desilusoes, mas com GOW uncharted heavy rain acho que ficou bem servida

  4. Concordo com tudo, acho que são as piadas de 2010 acho que o que tem mais salvação é o Epic Mickey, ainda vou jogar.
    A minha maior decepção pessoal é o Goldeneye, graficos bonitos, mais o jogo é pessimo. Eu costumo dizer para os meus amigos que ModernWarfare 2, BlackOps, Bloodstone, goldeneye são tudo o mesmo jogo só trocaram a skin dos personagens.

    Como eu disse quando o GOldeneye foi lançado, foram tão incompetentes que não superaram a obra maxima do Nintendo 64 o Perfect Dark.
    Não que eu estivesse esperando um jogo com uma Farsight mais destruidora e visual futurista, 007 não é isso, ele anda de acordo com o nosso tempo, mais eu esperava um multiplayer com todas as opções e mais um pouco que foram feitas no PD.

    Acho que é isso

    Joguei alguns minutos de FF 13 e parece que o jogo não tem um cenario livre estilo o ocarina of time, parece resident 5 um pouco mais complicado, virou um jogo de ação é isso mesmo ou eu joguei pouco demais?

  5. ainda acho GRID mais bonito e melhor que esses forza e gran turismo da vida. E uma decepção grande, é não jogar com o diddy no single player no DKCR…. q triste!

  6. Final Fantasy 13 é um game muito bom, tem uma historia muito bem contada, e um sistema de batalha mais dinamico e que não abre mão da estratégia. As primeiras 30 (ou 20) horas o game é linear sim, mas só para desenvolver o enredo como ele merece, mas não deixa de ser divertido evoluir seus personagens em suas habilidades e com boas batalhas pelo caminho, após isso, o game abre para podermos desenvolver as habilidades dos personagens como queremos. Estou com mais de 50 horas de jogo e não terminei ainda, é um game excelente. Quanto a versão do Xbox 360, ela esta longe de ser um porte sem vergonha, e serviu pra expandir a franquia pra uma geração que não foi dominada por somente uma plataforma, e assim aumentar as vendas, decisão acertada. A perda de qualidade só é percebida por aqueles caras que perdem tempo analisando as imagens (como nessa comparação que voce postou) ao invés de jogar.

    As decepções do ano pra mim foram

    Splinter Cel Conviction: Boa trama, ótimos personagens, desafio sólido, mas facilmente terminado com menos de 7 horas.

    Alan Wake: Game emocionante, boa trama e narrativa, textos bem escritos e gráficos muito bons, mas também termina na hora que tudo fica empolgante, e o pior, nos obigando a comprar conteúdo extra pra entender o fim da historia. Triste

    Prince of Persia The Forgotten Sands: Esperei esse game como o retorno a trilogia Sands of Time, que com exceção do segundo, gosto bastante. Mas o resultado final foi um game que até diverte com os novos poderes, mas sua historia rasteira, desafio baixo e curto tempo de jogo me desapontaram.
    Análise que fiz do game e que foi postada no Level Gamer: http://levelgamer.com/?p=4830 😀

    Não vi um ano ruim pro PS3 também, GOW 3 sozinho evitou o fracasso hehe.

    Dos que voce mencionou, só joguei FFXIII, portanto não posso dizer que eles me decepcionaram.

    Esperamos um post sobre o que mais nos agradou em 2010, pra não pensarmos que voce gosta somente de ver o lado ruim das coisas 🙂

    Feliz 2011 e Bons Games!!!!

  7. Eu até tinha jogado muitas pedras em Other M, mas comprei e joguei neste fim de ano. Simplesmente não desgrudei da Samus Aran. O jogo é rápido, muita ação, acrobacias e com o retorno de todas as habilidades da caçadora. O lance é ignore a história (que eu achei boa por sinal) e curta um dos melhores jogos de ação do Wii.

    Já o resto concordo. O que a Square anda fazendo com Final Fantasy é imperdoável. Por isso, torço para o sucesso de The Last Story, o “ultimo” jogo de Sakaguchi. Quem sabe a história não se repita e comece uma nova franquia?

  8. concordo com tudo o q vc disse avcf…
    e voce consegiu se superar e soltou o maior “wtf?” q ja li sobre um jogo
    “foi uma grande cagada terem transformado a Samus de uma letal caçadora de recompensas em uma atriz da Malhação que se borra de medo perante um inimigo que já derrotou várias vezes, além de protagonizar cenas de novela mexicana com o capitão gatão de churrascaria. ”
    shduahsuoahos

    ps:so faltou quantum theory…todo mundo pagando um pau gigantesco pra ele,e quando saiu a demo todos ficaram chorando de raiva,pq o jogo era feio da demo,chato,repetitivo e nem parecia o gears of war pra ps3,e a versao final ficou exatamente como falei acima,mas custava 60 dolares! ¬¬

  9. A única parte que a equipe da Activision declarou ter mantido fielmente ao original (o Multiplayer) acabou sendo a melhor parte sem dúvidas. Joguei pra 4 jogadores neste fim de semana lá em casa e a diversão foi alta, a maior que já tive no Wii.

    Se tivessem mantido mais itens originais teria ficado mais grato. Até os menus são imitados do Call Of Duty. Se queriam relembrar o clássico original podiam ter feito um menu com a mira de pointer, arquivos. Nem mesmo coisas simples como duas armas (uma em cada mão) foram capazes de manter…

    Mas é um bom jogo, deixou a desejar no quesito nostalgia.

  10. Que listinha mais meia boca e tendenciosa… só aqui que vi que Gran Turismo 3, Epic Mickey e Final Fantasy XII foram decepções… – só dá pra concordar com o Other M, que afinal não foi bem aceito pelo público.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.