O que esperar do Nintendo 3DS?

Saudações aos inusitados.

Agora que trata-se de algo oficial (com anúncio e tudo), acho que é uma boa falar sobre o Nintendo 3DS. Baseado em tudo o que pude ver até o momento, comentarei sobre alguns tópicos que creio relevantes em relação ao aparelho. Acompanhem.

Semana passada(mais precisamente na quarta passada, dia 29) ocorreu o Nintendo Fall Conference, que entre outras coisas anunciou o sucessor do DS – dando o ponto de partida para a oitava geração de videogames – o Nintendo 3DS. Encurtando a conversa, segue o video para quem não viu:

Em linhas gerais, parece ao mesmo tempo um aparelho conservador e ousado. Soa paradoxal no primeiro momento, mas faz sentido. Digo conservador porque se mantém a programação visual e o design do DS (em especial do DS Lite), como se fosse uma mensagem clara ao público de que 3DS advém do DS. Em contrapartida, propõe uma experiência tridimensional estereoscópica sem óculos, “Virtual Console” portátil (com jogos de GameBoy, Color e Advance), aplicações de realidade aumentada, além de outros recursos “cosméticos”, por assim dizer. A ousadia fica claro na aplicação no portátil da tela 3D sem necessidade de óculos ou outros acessórios. Isso porque enquanto a tecnologia “tridimensional com óculos” engatinha na aceitação do público quando se fala nos grandes aparelhos de televisão, a Nintendo deu um passo a frente com o 3DS (já falo mais a esse respeito em um dos tópicos abaixo).

Killer apps

Como não poderia deixar de ser, há também um trailer mostrando os títulos de lançamentos previstos:

A meu ver, a real revolução desse aspecto do 3DS se dará quando aparecer jogos que integrem a profundidade do 3D estereoscópico às mecânicas de jogo. Claro, o portátil nem foi lançado ainda e mal foi anunciado. Porém, considerando-se a lista de lançamentos disponível e o que foi mostrado dos jogos, não há nenhum “killer app” entre eles. E por killer app, me refiro a jogos que fazem as pessoas comprarem um console só para jogá-los. Quando se lembra do DS em seu início de ciclo, embora tenha sido lançado com uma versão de Super Mario 64, seu primeiros killer apps de fato foram os games da série Touch Generation, como Brain Age (cerca de 18 milhões de cópias) e Nintendogs.(cerca de 23 milhões de cópias). O denominador comum entre esses jogos era o uso dos recursos exclusivos do DS, como a tela de toque e o microfone, criando um valor que nenhum outro console poderia oferecer até então. Sendo assim, esses eram jogos que fizeram as pessoas comprar consoles apenas para jogá-los. Essa é a característica essencial dos killer apps.

Por isso digo que não vi nenhum no video acima. Não consigo ver pessoas fora do séquito dos jogadores regulares de video game correndo para comprar um 3DS para jogar Street Fighter IV 3D ou o remake do Metal Gear Solid 3. Também ainda não pude perceber como o 3d irá de fato afetar esses jogos além das óbvias jogadas de câmera e dos objetos em primeiro plano sendo “jogados” na cara do jogador. Por outro lado, Nintendogs & Cats e o Professor Layton embora possam ter mais novidades, são no máximo continuações dos títulos já lançados para DS. Star Fox e Ocarina of Time 3d por sua vez, apelarão tão somente àqueles que experimentaram esses jogos no Nintendo 64, não sei, mas acho que não terão muito destaque com o pessoal mais novo ou o público não habitual.

Portanto ainda espero por um game que realmente seja a cara do 3DS, um game que seja possível apenas nele. Como a maioria dos melhores do DS. Claro, como já disse ainda é muito cedo para maiores afirmações, daremos tempo ao tempo. Veremos.

Preço

Pude notar na internet (leia-se fóruns de games e alguns sites especializados) que a questão do preço teve destaque. Não sei se é realmente uma polêmica por assim dizer, mas houve choro de muitos por aí nas internetes. Isso porque a Nintendo anunciou que o preço para o lançamento japonês será de 25.000 ienes. A questão é que pela cotação atual o preço do portátil fica por volta de US$ 300, o que soa salgado a primeira vista (além do mais que o DS foi lançado por 15.000 ienes ou US$ 150 em 2004). Deixando a cotação de lado, duvido que seja lançado por US$ 300, creio que seja por uns 250 mesmo. Ainda sim, vi alguns comentários reclamando que isso seria preço de console de mesa. Sobre esse pormenor eu tenho um ponto: nesse sentido não é que o 3DS que seria caro, mas sim que os consoles de mesa – em especial os HDs – que se desvalorizaram muito na trajetória dessa geração. No desespero de tentar alcançar o Wii (que por sinal até hoje teve apenas um corte de preço), a Sony e a Microsoft foram se canibalizando em sucessivos cortes de preços e promoções, tendo como efeito colateral uma massiva desvalorização de seus produtos. Ou seja, não é que o 3DS tenha preço de console, mas foram os consoles de mesa que ficaram com preço de portátil.

Mas a grande questão mesmo se define em uma palavra: valor. É através da percepção do consumidor que um produto se torna caro ou barato. “Valor” é uma palavra que vocês nunca lêem na imprensa de games, pois acho que dificilmente os jornalistas se interessam por marketing. Explicando rapidamente, o valor é definido pelo consumidor por uma série de elementos subjetivos, como expectativa, necessidade, desejo e posicionamento da marca. Por exemplo, uma Ferrari não é cara para seus consumidores tradicionais, pois para eles o valor do carro justifica o seu alto custo. Isso ocorre porque não porque o sujeito simplesmente possa pagar pelo veículo, pois se fosse isso ele poderia comprar qualquer outro carro de preço equivalente. Entretanto, quem possui o valor de uma Ferrari? Já se baseando em uma analogia de um professor meu, embora o produto seja exatamente o mesmo, quanto valeria um copo d’água aqui no Brasil (país de abundantes recursos hídricos) ou no meio do deserto do Saara?

Voltando para o 3DS, se os consumidores perceberem que os recursos exclusivos do aparelho (as duas câmeras, realidade aumentada, o 3D, etc) aumentam o valor do aparelho, ele não será considerado caro. Entretanto, se os jogos (nunca se esqueçam que é o software que vende o hardware) não justificarem esses recursos, de alguma forma não apelarem aos consumidores (novamente, me refiro as pessoas fora do universo dos jogadores regulares), o aparelho será caro pela concepção das pessoas e terá suas vendas prejudicadas.

Dilema do PSP

A ida da Nintendo em direção ao 3D estereocópico foi um movimento ousado. Se dará certo ou não, só o tempo dirá, porém é inegável que pegou todo mundo de surpresa. E por todo mundo, inclui-se a Sony. Enquanto a companhia japonesa se esforça para convencer o público consumidor a comprar suas caras televisões 3d que requerem o uso de óculos para experimentar o efeito, a Nintendo introduz no mercado de video games um aparelho que de cara torna esse conceito ultrapassado. Se a tela do 3DS realmente exibe o 3D com boa qualidade (digo dessa forma porque não experimentei ainda, apesar de ter lido diversos relatos positivos na internet), realmente parecerá ainda mais sem sentido precisar daqueles óculos desengonçados diante de uma tela 3D. Além disso, o 3DS introduzirá um novo valor, que imediatamente o diferenciará do “PSP 2”, da mesma forma que o DS se diferenciou do PSP. Dessa forma, não importará quantos megahertz a mais e quantos milhões de polígonos e efeitos adicionais extras o sucessor o PSP tiver, ele invitavelmente parecerá ultrapassado ou comum diante do concorrente.

Além disso, considerando-se a lógica que a Sony tem aplicado em seus produtos recentes, me parece impossível que seu próximo portátil seja mais barato que o 3DS. E se o preço do portátil da Nintendo já é questionado por alguns, imaginem um aparelho com preço maior. Por outro lado, caso o “PSP2” tenha faixa de preço similar, for apenas um aparelho mais potente, e sem nada realmente novo em relação ao anterior, o valor desse aparelho será indubitávelmente menor que o do 3DS. A mesma lógica faz sentido caso o “PSP 2” adote valores já atribuídos ao DS, como a tela por toque ou o microfone, pois nenhuma potência do mundo pode suplantar a originalidade. Prova disso é que mesmo com concorrentes mais potentes e até com mais recursos, aparelhos como o iPhone e o iPod são os líderes de seus seguimentos.

Resta aguardar para ver qual será o movimento da Sony no mercado de portáteis. Depois do fracasso do PSP Go, não sei em que tipo de inovação eles irão apostar, ou se o próximo portátil será apenas um conjunto de melhorias técnicas embaladas em uma carcaça nova (como foi o GameBoy Advance em relação ao GameBoy Color, por exemplo). Seja como for, estou curioso para ver o que a Sony fará.

Conclusão

Por outro lado, embora eu nunca compre video games no lançamento, a minha opnião pessoal sobre tudo isso é que o 3DS ainda não vale a minha compra. Conforme os jogos forem sendo anunciados eu eventualmente mudo de opnião, mas eu ainda espero por games cujo 3D realmente fará a diferença na mecânica de jogo. Ainda há muito espaço para isso, pois nem mesmo ainda vimos como será o novo game Super Mario Bros, por exemplo.

Eu espero que o 3D seja visto como uma ferramente capaz de criar novas experiências de jogo, ou que adicione novos valores a séries tradicionais. Se for apenas um atalho para truques de câmera ou jogadas visuais cuja graça seja efêmera, então será uma baita decepção para mim. Veremos que cartas a Nintendo tem em mãos, se o 3DS será mesmo um produto que levará os consumidores do DS ao “mercado de cima”, como Clayton Christensen em seu livro “O Dilema do Inovador”(excelente livro por sinal). Em março do ano que vem será dada a largada para mais uma geração de consoles. Espero que seja com o pé direito.

Abraços e até o próximo post.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

19 thoughts on “O que esperar do Nintendo 3DS?

  1. Você comentou bem sobre o PSP.
    Vejo em muitos lugares ai, principalmente esses fóruns de games da vida, muita gente reclamando que a Nintendo vacilou, porque o 3DS tem uma potência muito baixa para o tempo que ele teve pra ser produzido, que o PSP2 terá uma super potência com todos os recursos e que deixará o 3DS mais obsoleto que o Wii, etc.Tudo bobagem.

    Para mim, a Sony não tem nem como criar um portátil com todos os recursos e ainda por cima com mais polígonos.Isso encareceria absurdamente o produto, e afastaria e muito mesmo alguns entusiastas.

    No geral, concordo também.O portátil ainda está meio morno.Pode ser que seja o começo mesmo.Mas eu estou tento um certo mal pressentimento que esse 3DS será como o GBA: algumas melhorias no visual e talz, mas no geral a mesma coisa.
    Acho que estão supervalorizando um recurso como o 3D, que se não for explorado, é meramente uma perfumaria qualquer como o é o online em minha opnião.

  2. Eu fico curioso de como irão utilizar o 3D na jogabilidade, sinceramente não consigo pensar em muita coisa. No entanto eu estou de olho no 3DS, já tava afim de um portátil, quem sabe esse.

    Com relação aos jogos, não duvidaria que ele viesse somente com “ports” ficando meio morno, e depois a Nintendo fosse lançando os fortes mesmo.

  3. Quando a Nintendo anunciou essa tal tela 3D sem óculos já fiquei extremamente interessado em saber como é, mas depois de tudo que já vi de vídeo sobre ela, só frustração… Espero estar errado.

    No primeiro vídeo, aquela cena da carta na mesa eu achei interessante. Não é inovador, mas daria para fazer um monte de idéias (jogos) legais com isso.

    Comparlho da idéia dos colegas, acho que o 3DS vai ser como o GBA, uma re-leitura do GBC que seu deu bem com a ausência de concorrência.

    Não acho que a implementação da tal tela 3D já justificar sua compra, como a touch foi para o DS. Até agora, acho só “perfumaria”…

    Quanto ao PSP2, tenho absoluta certeza que virá com um hardware mais forte que o 3DS (isso é até meio óbvio, já que vira depois dele), mas saber se será melhor ou não acho muito cedo para “filosofar”.

  4. Nunca fui muito fã de portáteis, e, pela primeira vez me interessei por um, no caso o 3-DS, bom ou não, para quem nunca teve um portátil me sinto como uma criança querendo um brinquedo * – * Não considero uma ”perfumaria” um avanço como esse, tanto que vai ser só uma questão de tempo para ser copiado (+ uma vez como foi com o direcional em cruz, o analógico, o rumble, o wiimote, etc…) e ainda acaba virando padrão. Garanto que não foi algo pensado da noite para o dia esse projeto e tenho certeza que games muito bons ainda virão, o lineup de lançamento está muito bom, mas como bem ressaltou nosso caro Avcf, ainda não vi algo no estilo ”Killer app” também, embora isso seja só questão de tempo também, afinal a Nintendo não costuma brincar em serviço quando o assunto é portátil. Só o fato de ser retrocompatível com o DS já vale a compra!

  5. A cada hora que passa fico cada vez mais impressionado com a capacidade da nintendo em engordar cada vez mais o seu caixa.
    O WII é o console mais superfaturado da historia , já que a grosso modo é um Game Cube 1.5 com controles de movimento vendido a preço de console de ultima geração, e agora é vez do DS.
    Ouvir um dos grandes executivos da nintendo dizendo na cara larga que o preço foi alterado devido as altas expectativas dos consumidores retrata bem a atitude da nintendo nessa geração.
    Em relação ao 3DS , acho que vai ser um sucesso , visto que desde que me conheço por gente a Nintendo domina esse segmento.
    E AVCF , não acho que aqueda de preço dos consoles HD seja reflexo de uma “doentia” necessidade de Sony e Microsoft em alcançar o WII , o que acontece é que todos os consoles sofrem uma desvalorização durante seu ciclo de vida , fora que no caso da sony , a versão “slim” é produzida desde o primeiro Playstation, reduzindo custos de produção e conseguentemente o preço ao consumidor.
    Foi com o slim que depois de um bom tempo a sony agora tem lucro com o PS3, então não entendi essa de desvalorização dos consoles HD.
    Nintendista é o ista mais ferrenho desse planeta, e a nintendo sabe muito bem disso, com as vendas indo de vento em popa qualquer atitude por mais mercenaria que seja tem “boas” explicaçoes por parte dos fanboys.
    A quantidade de remakes programada mis uma vez é absurda , killer app ? daqui a pouco sai um Mario ou Zelda e tá tudo resolvido , afinal é o que a nintendo sabe fazer.
    As vezes me pergunto se a nintendo algum dia nos brindara com algo além de sua santíssima trindade Mario , Zelda e Metroid, uma vez que se trata de uma gigante do mundo dos games.

  6. Eu ainda não tenho certeza do sucesso do 3DS. Parece-me um portátil com um potencial interessante e não só pelo potencial do 3D sem óculos, mas dos sensores de movimento, a tela com multi touch, a comunicação entre aparelhos, a realidade aumentada e os possíveis programas sociais.

    Mas potencial nunca levou ninguém a lugar algum, quando se fala de videogames. A biblioteca apresentada é uma tentativa da nintendo voltar as relações mais firmes com as thirds. Os jogos e o console tem de impressionar os consumidores e não as empresas de jogos. Sua biblioteca tem que convence-lo seja você um jogador mais assíduo ou alguém que nunca jogou videogames; infelizmente ainda não vi esse brilho no Nintendo 3DS. Sem falar em alguns incrementos, como o analógico em posição principal frente ao d-pad, que considero como um dos erros de design no console.

    O console demonstra a sempre preocupação da nintendo de colocar o 3D nos seus hardwares( nes, virtual boy, possível capacidade do gamecube). O problema que vejo dessa vontade é que além do 3D ser usado para truques e nada que altere na mecânica do jogo, é que os jogos do 3DS só sejam voltados para essa função do console e outras tão importante quanto ficarem esquecidas. Sem falar que muitos dos jogos em 3D não foram feitos para portáteis, já vimos isso no PSP, será que repetirá no 3DS? Alguns ports remakes indicam que sim. E isso é um tanto preocupante.

  7. lebrando a todos que o jogo que vira com o 3 ds e o kid ikaros que e reletura de um classico da epoca dos 8 bits , por enquanto da trindade nitendo vai sair zelda ocarina do tempo com graficos melhorados e tb mario cart bem grande estes jogos num tem como ser ruim – po eu tenho 1 ds e 1 psp me diverto um monte principamente com a franquia castlevania para os 2 consoles um castlevania no 3ds parece intereçante (observação so estou fando por falar a konami nunca falo nada a respeito de castlevania para o 3ds).

  8. Mais uma vez, a Big N surpreendeu todo mundo… Mas o 3d do 3DS é realmente uma ”revolução” necessária? A Nintendo revolucionou a jogabilidade com o touch screen, as câmeras e o microfone no DS e nos censores de movimento no Wii, mas o 3d do 3DS, é realmente ”perfumaria”. E o PSP, na minha humilde opinião, jamais vai representar perigo ao 3DS, não importando o plágio descarado que a sony tente fazer (leia-se PLAYSTATION MOVE). Isso só vai dar motivos para os sonystas encherem o saco por conta dos maravilhosos gráficos do grill de bolso da sony. Lembrem-se amigos: Jogos divertem. Gráficos, só embelezam.

  9. Se querem saber a minha opinião acho que a coisa com os portáteis anda mais ou menos como com modelos de celulares. Explico: em um mínimo prazo saem modelos novos de celulares sem AQUELAS Mudanças realmente significativas – só um upgradezinho mixuruca ou outro em relação ao(s) modelo(s) anterior(es), dificilmente se trataria de algo realmente revolucionário.

    Quanto aos jogos: mesmo sem ter nenhum “killer app” conforme citado pelo AvcF, se for MESMO esse o lineup oficial de jogos na data de lançãmento então devo lhes dizer que não é por nada não, mas esse é sim um lineup de responsa. Me pergunto se o sucessor real do PSP usará uma mídia que chegue perto ou se equipare à capacidade de armazenamento de um Blu-Ray, visto que o primeiro PSP tem isso com o UMD que (mesmo sendo uma merda) chega bem próximo da capacidade de armazenamento de um DVD normal. E nesse caso não precisaria nem ser “mídia em disco” (visto que o UMD falhou FEIO nisso); poderia ser algo parecido com um SD Card, ou algo assim – levando em conta o fato de estarmos em uma era onde há memória “a granel” pra esse tipo de coisa.

    Porém confesso que embora esteja tudo certo na minha opinião (quanto ao que vai ser o 3DS como produto final) bem que a Nintendo poderia dessa vez fazer um consolezinho mais fodidamente poderoso, não acham?

    Opinem aí, AvcF e o povão em geral.

  10. avcf disse:
    “Dessa forma, não importará quantos megahertz a mais e quantos milhões de polígonos e efeitos adicionais extras o sucessor o PSP tiver, ele invitavelmente parecerá ultrapassado ou comum diante do concorrente.”

    avcf…nao adianta
    sempre haverá gnt q vai querer potencia a qualidade.

  11. Vejo muitas opiniões terrivelmente precipitadas, é impossível dizer nesse momento que o o 3D do portátil será “O problema que vejo dessa vontade é que além do 3D ser usado para truques e nada que altere na mecânica do jogo”. Sério, é IMPOSSÍVEL afirmar algo assim antes de uma avaliação, temos de esperar até o lançamento para tirar esse tipo de conclusão, no momento só podemos especular.

    Eu boto muita fé no 3DS, mesmo se ele for só uma repaginada no que foi o DS, creio que será algo já positivo: melhores gráficos, mais possibilidades de interação, vários jogos na manga, etc… Duvido que a Sony conseguirá se equiparar ao 3DS sem copiar algumas dessas idéias.

    Tudo que vi sobre o portátil até agora já é o suficiente para que eu junte uma grana e espere o lançamento de uma segunda versão do 3DS (afinal, comprar a primeira versão do portátil é quase dar um tiro no pé).

  12. pessoal, nos certamente temos nossas opinioes, mas as opinioes dos analistas profissionais são as que valem.

    pensem comigo: MGS, dead or alive, e outras franquias que nunca estiveram em um console nintendo (metal gear SOLID) estao investindo pesado no portatil porque sabem muito bem que vai bombar.

    e, ao contrario do que a maioria pensa, nao vejo o 3ds como um ds mascarado com 3d, e sim uma baita plataforma social, ja que agora, de acordo com uns vídeos (o do SF por exemplo) os portateis quando carregados pra lá e pra cá, mesmo desligados, mantem o wifi ligado e trocam informações, ou seja, o 3ds incentiva a pessoa a leva-lo pra todo lado, e isso é muito bacana.

  13. joão disse:
    “pensem comigo: MGS, dead or alive, e outras franquias que nunca estiveram em um console nintendo (metal gear SOLID) ”
    ja teve metal gear pra nes,game boy,game boy advance e gamecube! Oo

  14. O que eu disse é uma possibilidade do pode vir a acontecer. Eu também quero comprar o portátil, mas vejo ainda sérias resalvas nele. Estamos especulando aqui e não falando fatos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.