Jogos que envelheceram bem

Saudações aos desenvolvidos.

Tomando por base um post muito legal do site 1up, que fala sobre alguns games que passaram (e ainda passam) pelo teste do tempo. São games que envelheceram como vinho, ou seja, não têm vergonha da idade que tem e são até charmosos por conta disso. Acompanhem.

Aos que por algum motivo não puderam entrar no link disposto acima, faço um resuminho do tema discutido lá. Trata-se de uma lista de 12 jogos que segundo o responsável pela matéria, David Parsh, foi resultado de um consenso entre membros do staff do 1up e leitores da internet. São títulos que passaram com honra ao mérito pelo teste do tempo. Não joguei todos os games que aparecem lá, então me abstive de comentá-los. Já com os demais eu dei meus pitacos. Vamos a eles:

Concordo plenamente com a escolha. Symphony of the Night foi um game tão importante dentro da série Castlevania, que todos os games posteriores (tirando os medonhos tridimensionais) ainda partilham da mesma base. Por isso que Symphony of the Night funciona bem até hoje, inclusive pude perceber isso quando o joguei ano passado. Curioso que a primeira vez que tive contato com Symphony foi ainda na época do PS1, na casa de um amigo, local onde sempre tinha uma molecada que curtia quase todo tipo de video games. Mas justamente quando resolvi experimentar SoS, sempre ouvia comentários do tipo “parece jogo de SNES”; isso devido aos gráficos bidimensionais do jogo. Paradoxalmente, foram justamente os gráficos bidimensionais um dos responsáveis por esse charme atual do jogo, com suas sprites bem animadas e desenhadas, design de personagens de primeira e bela ambientação geral. Isso sem contar a magnífica trilha sonora do jogo.

Há apenas um porém não mencionado no texto do 1up, que é a dublagem do jogo. Além de desnecessária, é simplesmente constrangedora. Era o tipo da situação que quando acontecia eu simplesmente pulava assim que podia.

Vamos para o próximo da lista:

Está aí um joguete incompreendido e até desprezado. Se por um lado surpreendeu em plena aurora da era 3d, com sua direção de arte e estética belíssimas, também foi amaldiçoado pelos mesmos quesitos. Acusado de ser infantil e fofucho, SMW 2: Yoshi’s Island foi preterido primeiramente pelos nintendistas da época, depois pelo público em geral, que preferiu games como Donkey Kong Country 1 e 2. SMW 2 vendeu muito pouco para os padrões dos principais games Mario, sendo considerado até como um fracasso para alguns. Mas isso é história. O fato é que os principais aspectos do game envelheceram bem, sendo absolutamente jogável ainda nos dias de hoje.

Esse é mais um caso que mostra também a importância de um design bem feito, pois qualquer inovação tecnológica por trás do jogo já nada significa nos dias de hoje, enquanto que Yoshi’s Island permanece como um título com belos gráficos. Mas mais do que isso, seu design de fases, desafio e ritmo o mantém como um game apto para um jogador de qualquer geração. Foi um grande game que teve o azar de ter sido lançado na época errada, em um período que para um game ser “cool” e “hardcore” tinha que ter a sanguinolência imbecil dos Mortal Kombats e Dooms da vida. Mas esses foram enterrados pelas areias do tempo, enquanto que Yoshi’s Island continua com sua qualidade intacta.

Os próximos não são surpresa para mim:

Nem precisaria falar muito de grandiosidades como esses, afinal, como diria aquela frase do futebol, “clássico é clássico e vice-versa”. Claro que tecnicamente não chamam atenção como Yoshi’s Island (em especial o humilde SMB de NES), mas o design desses jogos foi tão excepcional que sobrevivem bem ainda hoje. Não é por acaso que ambos são imensamente populares em serviços como o Virtual Console. No caso específico de Super Mario Bros, mesmo sua aparência jurássica não é impedidivo para que gente de todas as idades ainda o joguem. Isso porque estamos falando de um game de mais de vinte anos de idade. Mas quem liga para isso com aquelas hipnóticas musiquinhas (quem ouve aquele “tã tã tã… tãrãrã” da primeira fase jamais esquece) e aquele gameplay consagrado que todo mundo está careca de saber.

No caso de Super Mario World, as 7.2432743645264354673254632 diferentes versões em Flash são uma amostra do sucesso do jogo. O eterno mascote Yoshi saiu desse jogo direto para a eterno panteão dos principais personagens de sucesso dos games. Muitas referências aparentemente comuns do universo de Mario vieram desse jogo, até mesmo os recentes trailers de Super Mario Galaxy 2 mostram um pouco disso. Super Mario World também teve seus momentos de brilhantismo, como a Star World e as enigmáticas fases da Forest of Illusion. Foi um game sensacional, e continua sensacional.

Mas esse eu separei um espacinho próprio:

Super Mario Bros 3 não foi apenas o melhor game de NES, mas foi (e ainda é) um dos melhores games de todos os tempos. NÀo gosto muito dessas designações, mas com SMB 3 eu abro uma exceção. Quando a Nintendo fez aquela promoção para baixar sem custo um game do Virtual Console, não perdi tempo e logo baixei. Terminei na mesma noite (fui muito doente nessa, confesso). Mas eu não conto, pois já passei dos vinte há seis anos. Por outro lado, basta vocês buscarem nas internets que Super Mario Bros 3 é simplesmente o jogo mais baixado do VC, número que ao se observar o público do Wii, fica difícil de imaginar que se deve a velhos jogadores.

Mas fica impossível falar de SMB 3 sem me repetir. Até porque a qualidade do game fala por si.

O próximo é outro clássico inconteste:

Mega Man 2 foi sem dúvida um marco dos video games, cujo gameplay é muito bom até hoje. Minha única discordância, porém, é que considero Mega Man 3 o melhor da série, e portanto superior a MM2. Claro que graficamente Mega Man 2 parece primitivo frente ao padrão atual, porém sua fantástica trilha sonora (Dr. Willy Stage que o diga) se mostra mais criativa e gostosa de ouvir do que centenas de games posteriores. É verdade por um lado que a série sofreu com uma gradual queda de qualidade, consequência da prostituição imposta pela Capcom. Todavia, a constante lembrança e reverência por diferentes gerações de jogadores só reforça o quanto Mega Man 2 sobrevive como uma experiência divertida e recompensadora. Isso se deve aos icônicos chefes de fase, a já citada fantástica trilha sonora e ao genial design de fases.

Seguindo…

Tem como discordar? The Legend of Zelda: A Link to the Past é daqueles jogos que deveriam ser terminados ao menos uma vez ao ano. O incrível aqui é como seu sistema de jogo até hoje não foi superado por nada que tenha vindo depois na série. Seu design sólido, alto grau desafio comparado aos títulos recentes (Wind Waker passa vergonha perto de A Link to the Past nesse quesito) e boas doses de ação o mantém sendo jogado 18 anos depois de ter sido lançado.

Mas aproveito para abrir uma confissão aqui: eu ignorei completamente esse jogo na época do SNES. Sim, é uma vergonha, podem me vaiar. Só joguei A Link to the Past há poucos anos, naquele port de GameBoy Advance. Mas mesmo assim pude perceber tudo o que havia perdido. Terminei de cabo a rabo com gosto, e pude atestar toda a qualidade da experiência, mesmo já tendo jogado quase todos os outros jogos da série. A Link to the Past é tão bom do jeito que é que nunca vi qualquer demanda por um remake do jogo. E nem precisa.

Esse é um jogo que eu preciso jogar mais. Quem sabe eu pegue esse port do DS. De qualquer forma, Chrono Trigger foi um curioso caso de game que foi, digamos, melhorando com a ação do tempo. Teve desempenho comercial discreto quando foi originalmente lançado para SNES em 1995, e não foi diferente com o primeiro port ainda no Playstation. Mas conforme os anos foram passando, foi-se formando uma base de fãs que permanecem cultuando o eterno clássico da Square. Hoje inclusive, é preciso pagar uma pequena fortuna para conseguir um cartucho de Chrono Trigger.

Meu primeiro contato com o jogo foi via emuladores ainda nos anos noventa, e instantaneamente grudei no monitor. Tal qual Mega Man 2, o aspecto do jogo que melhor sobreviveu à ação do tempo foi sua brilhante trilha sonora. Mas as demais partes do jogo ainda se seguram muito bem. Chrono Trigger é uma obra prima que pode muito bem ser comparado a RPGs posteriores, com condições de ganhar muitas dessas quedas de braço. Não é por acaso que anoa após ano ainda tem um monte de gente por aí pedindo uma continuação (Chrono Cross parece que não conta, não sei). Isso sem contar a versão 3d feita por fãs que foi encerrada forçadamente pela Square-Enix. Quem sabe um dia ela mude de idéia.

E por fim…

Tetris ao lado de alguns outros poucos títulos vai além do video game para se tornar o símbolo de uma midia. Mesmo aqueles que não tem a menor noção do que seja um video game, que não saiba a diferença entre um Playstation e um Nintendo, conhecem Tetris por alguma de suas inúmeras versões. Acho que não há outro jogo tão copiado, modificado e relançado quando o clássico russo. É incrível como um jogo tão simples e até rudimentar possa sobreviver ativo por todos esses anos.

Não apenas isso, Tetris é um game universal, fazendo sucesso com todas as idades e gente de todos os lugares possíveis. Isso porque estamos falando de algo que começou com junções de colchetes. Mesmo assim, Tetris nunca envelhece. O eterno esquema dos bloquinhos caindo continua em ação por qualquer console que seja.

Considerações finais

Por fim, apenas atento-lhes para as tradicionais menções honrosas da parte final do matéria do 1up. Há alguns games lá que certamente você conhecem bem. Só discordei do fato de Street fighter 2 e Star Craft estarem lá, e não na parte principal. Dois grandes games que continuam em muito boa forma ainda.

Vou ficando por aqui. Abraços e bom fim de semana.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

30 thoughts on “Jogos que envelheceram bem

  1. Tô jogando Super Mario World Yoshi Island 2, achei um jogão, apesar de as vezes ele parecer ser repetitivo, enjoa um pouco, mas é um bom jogo.

  2. Como assim, ainda não jogou Metroid 3? Na minha opinião foi o melhor jogo do SNES sem sombra de dúvida. Lembro de uma vez que alguém me emprestou um cartucho que tinha dado problema na bateria e não tinha como salvar, minha diversão era ficar batendo meu record de tempo, zerando com 100% (lembro de ter feito mapas completos do jogo em papel quadriculado pra não me perder nas primeiras vezes).

    Legal também o cara ter citado REZ, que pra mim é um dos jogos mais lesados e legais do Dreamcast.

    Comentário do AvcF: pois é, nunca joguei Super Metroid. Sei lá, não consigo gostar de Metroid 2d.

  3. Concordo plenamente com todos. A exceção (óbvia) na minha opinião é mesmo o Yoshi’s Island, que me parece um tento “ouro de tolo”. Além de ser bastante inferior ao Super Mario World, é um tanto superestimado. E tanta gente malha o pobre do Shenmue…

    Não me entendam mal: curto Shenmue (e isso não necessariamente quer dizer que eu sou “seguista”, ou seja lá o que for; por exemplo hoje considero o Sega Saturn um tanto intragável e “no tranco” – mas até aí considero o Playstation 1 assim também, hahahahahahhhh!), mas a meu ver Yoshi’s Island nunca foi tudo isso não. Mas ao menos é melhor que o infantilóide Yoshi’s Story, do Nintendo 64.

    Abraços.

    Comentário do AvcF: Yoshi’s Story é uma porcaria

  4. Pra mim Yoshi Island é um dos melhores games de Mario, embora muitos nem o considerem. O design das fases, o desafio de se fazer 100 pontos para liberar as fases extras, tudo muito gostoso e de vez em quando eu ainda jogo, assim como os eternos Donkey Kong 1, 2 e 3 que de vez em quando ainda tô zerando.

  5. otimos games
    sempre chorei por nao ter conseguido zerar o zelda:lttp
    🙁 jogao
    nao sei se concordariam comigo…mas faltou mario kart…até hoje é um jgo super simples,divertido e muito copiado…cof…sega super-stars racing…cof…cof

  6. SoN é simplesmente fantástico. Como eu não tinha o PS1 chegava só na metade nas locadoras, mas ao pegar meu PS2, fiz questão de joga-lo até o fim. SMB 3 fez minha infancia, apesar de já existir o SNES, na minha cidade o NES ainda reinava, e existia uma unica locadora de games, que era perto da minha casa. Foi lá que conheci os games e o fliper do Mortal e do Street. E tmbm os games de Nes que adoro até hj. E SMB 3 é um dos meus preferidos, ao lado das tartarugas ninja hehe. Passavamos horas, eu e minha familia toda jogando pra ver quem conseguia ir mais longe, muito bom, e recentemente fui rejoga-lo, e tudo esta no lugar, nada é entediante, continua sendo a mesma experiencia. Zelda é inigualável, ALTTP é soberbo, assim como ocarina, que rejoguei no inicio desse ano, com a mesma emoção da primeira vez. Sem palavras.

  7. Bom…sei lá…Super Mario 3 é inigualável…sinto muito, entre as versões apresentadas no artigo acredito que foi minha experiência mais marcante…

    É uma pena que Super Metroid não tenha sido listado pois me rendi a série 2D depois de jogar um remake do primeiro jogo para GameBoy Advance…dica pra você AvcF…Talvez você sinta um prazer semelhante ao de jogar “Castlevania – Simphony of the Ninght” meu jogo preferido…

    Não concordo com a inclusão de Tetris…meu, é um saco esse jogo de bloquinhos…só quem gosta de puzzles mesmo…como minha esposa…

  8. Avcf, você só pode estar brincando cara nunca zerou o Super Metroid? É quase um crime!! O jogo é uma obra-prima em todos os quesitos, sabia que o SoN tem como base esse jogo? Isso segundo o próprio criador do game! Acho o Yoshi’s island um excelente game de design ímpar na série, fora a diversão e as inovações gráficas do game na época, geniais. A link to the past tenho o cartucho até hoje do SNES, é perfeito d+. Alguém já notou a semelhança do Ocarina com o A Link? No começo você coleta 3 medalhões e depois 7 cristais, no Ocarina você coleta as 3 espiritual stones e depois 7 medalhões, pode parecer bobagem mas percebam que o que é ”perfeito” nunca envelhece e mesmo sendo a fórmula reutilizada de forma ”diferente” dá certo. SMB3 é um game incontestavelmente maravilhoso, esse não envelhece nem querendo e sabem porque? Porque diversão nunca sai de moda e vai ser sempre bom jogá-lo.

  9. 7.2432743645264354673254632 jogos de mário, que eu saiba existem mais que 8 jogos em flash do mario XD

    Comentarios bobos a parte, notei q vc nao citou um jogo foda q estava na lista original: Super Metroid…………………..

    Vc realmente não jogou a obra prima do finado Gunpei Yokoi? Inspiação para o proprio SoN?

    =O

    Se redima! Assim como fez com o Zelda do sens =)

  10. SOTN é tão bom, mas tão bom que foi um dos jogos que comprei na primeira leva de jogos que comprei na PSN. NÃO ME ARREPENDO (mesmo tendo no psp, ps1…) preciso comrpar o jogo original do PS1.
    É um dos meus favoritos e eu gostaria de jogar a versão do Saturn! 😀

  11. @Edwazah: eu também adoraria ter jogado a versão Sega Saturn (afinal eu tenho um comigo desde 1995 – tá guardado na caixa há anos, mas…). Porém lamentavelmente como não teve supervisão direta do criador do jogo a outra equipe que cuidou do jogo por mais que tivesse incluído algumas coisas a mais (mais personagens, fases, itens, etc.) deixou o jogo com umas falhas gráficas, slowdowns e coisas do tipo. O que era um grandessíssimo pecado, afinal até então o Sega Saturn era o rei dos jogos 2-D daquela geração (sem levar o Neo-Geo/Neo-Geo CD muito em conta, claro!). Não fosse por isso a versão Saturn arrasaria por completo a versão de PS1, e em última instância era só a Konami se valer do cartucho de memória de 4MB (o mesmo usado em X-Men VS. Street Fighter na versão Saturn). Além do que faltou uma versão em inglês (ou a própria Konami poderia ter disponibilizado uma opção para textos em inglês na versão japonesa, já que foi a única que saiu).

    Quanto à versão PS1, creio que seja um dos pouquissíssimos jogos do primeiro Playstation que faziam valer a pena se pensar em comprar o console. E a meu ver jogos assim pra esse console em particular podiam ser contados nos dedos das mãos – ou seja, eram menos de 10!!! 😛

  12. É impressão minha ou os redatores e leitores do 1UP não tiveram contato com nada além de sistemas Nintendo? Jogos para sistemas NEC, Sega, SNK, Commondore e Atari não tiveram expressão artística suficiente para melhorar a balança?

    Ok, concordo plenamente que Mario seja um jogo clássico e dígno de honraria, mas porque tantas versões dele foram citadas? São grandes jogos, mas discordo que tenham um peso histórico tão grande assim à ponto de serem citados à parte do já presente Mario.

    Cadê Myst, que ainda é sinônimo de jogo “cd multimídia”? Cadê Doom, que ditou as regras do que é o FPS hoje? Cadê Ecco, que redesenhou os pilares do gênero “plataforma” como nenhum outro? Cadê Daytona USA e sua imortalidade nos arcades de corrida? Cadê Metal Slug, que calou a boca de todos os críticos do mundo inteiro que pregavam que o “2D nunca superará o 3D”? BomberMan e seu legado não foi forte o bastante para competir?

    Se alguns jogos entraram na lista sob a desculpa de serem “muito lembrados pelos fãs” ou “ainda são muito bonitos” então aonde foi parar Ys 3 do PCE-CD? Será que Virtua Fighter não merece uma menção aqui? E Phantasy Star, que por muito tempo foi o RPG mais moderno nos 8-bits e foi um hit na Europa e Oceania? E o que dizer de Pac-Man ou Space Invaders?

    Ah espera! Eu esquecí… A matéria cita apenas Os Jogos Mais Inesquecíveis do Mundo “na opinião dos redatores e leitores da 1UP”. Não era para eu levar tão a sério essa total imparcialide (e quem sabe, fanatismo e narcisismo “ista”) dos resultados dela… Desculpe!!! xp

    Pelo menos eu concordo com várias citações… Mas quem sabe se tivessem consultado um público mais amplo a matéria seria menos restria à aos sucessos/clássicos de uma só marca.

    Comentário do AvcF: o artigo era sobre jogos que envelheceram bem, ou seja, que ainda hoje são muito bem jogáveis e agradáveis e tal. Não era tanto sobre o passado, mas sim sobre como esses jogos se comportam no presente. Discordo de alguns exemplos portanto, pois acho Doom horrível, Ecco chato para baralho e Space Invaders, mesmo com sua importância histórica, é absolutamente primitivo para o padrão atual. Da mesma forma que Mario Bros também é (não confundir com o Super Mario Bros e suas sequências). Seja sincero, você conseguiria jogar Virtua Fighter, mas jogar mesmo? Tente o mesmo com os primeiros Tekken. Esses jogos envelheceram mal, muito mal. Bem como vários outros jogos tridimensionais. Tá aí uma das vantagens do 2d, os melhores costumam envelhecer mais dignamente.

    Sobre Nintendo e congêneres, eles colocaram jogos de outros sistemas na última seção, na parte das “menções honrosas”.

  13. Lista totalmente nintendista; a única excessão é castlevania para psone.

    não sei se dá para colocar Zelda como jogo inesquecível, enquanto o link meramente cortava mato, e salvava princezinha, enquanto final fantasy que era um rpg de verdade continha até conflitos politicos, alem de história densa e complexa.

    outra coisa: Sonic (principalmente o 3) sequer foi citado. no entanto 4 jogos do mário foram… alias, discordo de yoshi island; é bom, mas como ser um jogo que envelhece bem, se nunca fez grande sucesso?

    outro: Rock and Roll racing; hoje não tem como ouvir born to be wild sem imaginar o “in your corner begin”

    Comentário do AvcF: Rock and Roll Racing é um joguinho que é bacana até hoje mesmo, ao lado de Biker Mice from Mars. Final Fantasy aparece o VI na lista, mas como ainda não joguei, não o comentei. Envelhecer bem é algo que concerne os aspectos técnicos, independente do sucesso comercial. Um jogo envelhece bem ou não independente de seu desempenho comercial de quando foi lançado.

  14. Pra mim Sonic 3 envelhrceu MUITO bem! Só que um monte de viúva prefere o Sonic 2 – aliás, algo do tipo foi citado na última edição da revista EGW.

  15. Mas eu também não gosto de Doom, e aliás de nenhum FPS. O único que eu gostei realmente foi Uprising, que é na verdade um RTS (semi)fantasiado de FPS.

    Ok, mas se o valor histórico não for levado em conta, então eu volto a descordar de boa parte da lista pelos mesmos motivos – com óbvia exceção deste.

    A 1UP é livre para fazer qualquer tipo de lista que quiser e da forma que ela quiser, mas acho que eles deviam ter tomado mais cuidado dessa vez, pois para mim foi o mesmo que listar os “atos mais memoráveis da história europeia” só com eventos da França, e jogaram algumas “menções honrosas” de alguns outros países qualquer no final só pra parecer menos tendencioso e/ou “ista”.

    PS: Quanto ao Virtua Fighter, sim eu jogaria POR PURO SAUDOSISMO. E só por isso, porque eu prefiro no mínimo a versão “Remix” =p

  16. @Gelo: não joguei nem o 4, nem o 4 Evolution e nem o 5 dos Virtua Fighters. prá mim o melhor é realmente o Virtua Fighter 3 (injustiçadíssimo, aliás), e o virtua Fighter 2 nada mais é do que a “carne de vaca” da série.

  17. @Trouble Man: Se você gosta de Virtua Fighter, jogue o 5 e vai ser muito feliz. Não notei muita diferença na jogabilidade (amenos que você seja muito fissurado… entende?! ^^), mas a roupagem atualizada dada a essa versão não ficou devendo, aliás, pra mim as únicas mudanças em todas as versões se resumem a tecnologia, visuais e trilha-sonora. Mesmo assim, eu gosto da franquia.

  18. @Gelo: sou mais a franquia Virtua Fighter do que Tekken – aliás, muito mais!!! vai ser um tanto difícil de eu jogar o Virtua Fighter 5, já que não tenho nenhum dos consoles dessa 7ª geração (entenda: nem Wii, nem X-Box 360 e nem Playstation 3), e o único amigo meu que tem um X-Box 360 adora jogos de lutas 2-D (mais Street Fighter do que qualquer outra coisa), mas tem verdadeiro repúdio aos fighting games em 3-D.

    Mas se (e quando) pintar a chance eu jogo sim – o 4 e o 5. 🙂

  19. @Trouble Man: Não tenho nada contra Tekken, até porque eu joguei bastante (arcade e PSX) e, igual ao seu amigo, também prefiro muito mais os jogos de luta 2D.

    Entretanto, eu admito plenamente que entre os dois eu prefiro o Virtua, mais pela influência que tive dele quanto tive um Saturn.

    De qualquer forma, se você têm PS2, pode aproveitar a versão 4 de Virtua Fighter pra ele. 😉

  20. @Gelo: mas eu não tenho(e nem vou ter) um PS2 – a menos que ganhe um de brinde em cereal, ou algo assim…

    Virtua Fighter é muito mais técnico e real, Tekken é bem mais “abobrinha”. Já Dead Or Alive combinou o melhor dos dois mundos, e foi aos poucos expandindo.

  21. @Trouble Man: “Abobrinha”?! ARhuarhuARHhuARUhar – Entendi o que você quis dizer.

    Vejo Tekken como uma “evolução” de Battle Arena Toshinden (que eu nunca fui muito fã), e na época do PSX ele brilhava bem mais do que hoje (devido à baixa de concorrência de similares na época, acredito). Mas é como você disse: Virtua Fighter é muito técnico, não há magias ou histórias mirabolantes, apenas a celebração da arte de lutar com movimentos mais próximos dos humanamente possíveis.

    Eu tinha Dead or Alive original no Saturn (foi meu primeiro contato), e acho que caiu muito bem a série seguir um lado menos “fantástico” para seus personagens nas edições seguintes. Além do que acho que a Tecmo soube explorar melhor a franquia do que a Konami até agora, graças (especialmente) à exploração sexual de suas personagens. xD

  22. @Gelo: “…a Tecmo soube explorar melhor a franquia do que a Konami até agora”? Acho que cê trocou Namco por Konami, hein! 😛

    O Dead Or Alive pra Playstation 1 eu joguei e achei uma chupação lascada do Virtua Fighter – parecia Virtua Fighter prá Playstation!!! Do Saturn infelizmente não joguei até hoje, mas eu tenho o 2 (original) estadunidense pro Dreamcast, e é muito bom, embora até certo ponto ele possa se tornar limitado.

    Já Battle Arena Toshinden eu gosto sim dos dois primeiros pra PSOne, mais o primeiro do Saturn, que vinha com algumas coisinhas de bônus (animações e personagens adicionais). Depois a série realmente não prestou, infelizmente. mas tenta assistir o OVA em duas partes da série que é genial (e ninguém se dá conta… 🙁 ), pois cobre muito bem os fatos ocorridos em Battle Arena Toshinden 2. bem melhor que os animes de jogos de luta baseados nos da SNK, que o do Tekken (um lixo esse!), e que a grande maioria dos de Street Fighter. Palavra!

  23. @Trouble Man: Nooossa, fui totalmente FAIL agora! rhauhrauharUhAUhurA
    Isso só demonstra o quanto eu (ainda) me importo com essa série… rsrsrs
    Valeu pela dica. 😉

  24. pra mim um jogo que vem melhorando e muito é a série VIRTUA FIGHTER ; pra quem nao sabe o virtua fighter 4 evolution foi o jogo de luta 3d mais vendido do ps2 . nasceu em 1992 sendo o primeiro jogo 3d de luta poligonal e continua de pé até hoje ; infelismente aqui nao é muito reconhecida , graças a copiadora discarada da softhause NAMCO criando o genérico tekken que tambem é um bom jogo das antigas . valew

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *