Eu e Mortal Kombat; Mortal Kombat e eu

/></p>
<p>Saudações aos destemperados.</p>
<p style=Enfim poderei falar no recente Mortal Kombat, lançado para os consoles HD. Após duas aprazíveis sessões de jogo, sinto-me confiante o bastante para gastar umas linhas com ele. O que achei disso? Vejam após o link.

Considerações iniciais

Antes de falar do jogo propriamente dito, convém fazer algumas considerações. Ao contrário do que alguns possam imaginar, não sou um “hater” de Mortal Kombat, pelo contrário até, joguei todos os principais títulos da série até o Mortal Kombat 5 (o segundo 3d, batizado de Deadly Alliance). Todavia essa impressão surgiu devido a várias críticas que fiz à série de jogos, além, claro, do famoso post que escrevi sobre os piores jogos de luta do Nintendo 64. Por sinal, acho engraçado como um post que escrevi em 2009 ainda repercute, fora que de tempo em tempo surge um maluco me xingando por causa do que foi escrito sobre o Mortal Kombat Trilogy. Sobre isso duas coisas precisam ser ditas. Primeiro, nunca coloquei Mortal Kombat e Mortal Kombat 2 no balaio dos vexames da série, uma vez que ambos foram jogos muito bons em suas épocas. E segundo, mesmo que o novo Mortal Kombat fosse um game fantástico e maravilhoso, isso não apaga todos as porcarias lançadas até hoje sob o nome Mortal Kombat.

Por mais bizarro que possa parecer, joguei muito Mortal Kombat durante a era 16-bits, ao passo que deixei de jogar games reconhecidamente superiores. Se somar as horas gastas com MK, MK2, MK3 e UMK3, passei mais tempo com eles do que com Street Fighter 2 Turbo e Super Street fighter 2. Isso aconteceu por um motivo simples: embora MK3 e UMK3 fossem bugados, mentirosos e ruins, eram divertidos mesmo assim. Sabem aquela coisa de um filme ser tão ruim que é bom? É mais ou menos a mesma coisa. Ainda sim, alguns jogos extrapolavam esse limite, como era o caso de Mortal Kombat 4, por exemplo. Dito isso tudo, creio que agora dá para de fato falar no novo título.

Mas e aí, presta mesmo?

Eu joguei exclusivamente o modo multiplayer, de forma que esse texto em nada menciona qualquer aspecto da campanha principal. Mas mesmo assim, pude ter uma idéia real de como a mecânica e os personagens subordinados à ela funcionam. E em se tratando de jogo de luta, são esses os aspectos que realmente interessam. E respondendo a pergunta-título, sim, o game presta. Desde que você goste do sistema de Mortal Kombat. Explico; o novo MK fez um verdadeiro retorno às origens, e com exceção dos combos e dos especiais (já falo sobre eles), funciona de modo bastante precido com Mortal Kombat 2. O que, por sinal é um alívio. Chega de combos mentiroros, da lixosa corridinha, das armas saídas da bunda dos lutadores, dos estilo marciais que não funcionam, da má movimentação tridimensional. Mortal Kombat funciona como um jogo de luta bidimensional deve funcionar: competitivo e com um certo nível de profundidade e variação. Diferente das porcarias anteriores, quando o que prevalecia era apenas a decoreba da “manha” de cada lutador e dos bugs do jogo. O novo Mortal Kombat voltou enfim a ser um jogo de luta.

Kratos na versão Playstation 3

Entretanto, quando mencionei acima o “gostar de Mortal Kombat”, quero dizer se acostumar àquele velho e arcaico sistema de jogo que veio desde o primeira versão. Significa ter elementos como o botão de defesa (que a meu ver é anti-inutivo para um game de luta 2d), o gancho e os golpes baseados em sequências de direcional (comandos como “direita> direita>esquerda> soco”). Ok, dá para jogar, mas quando você ouve comentários como “é, dá pra acostumar” por parte de quem joga, você percebe que o sistema não funciona tão bem assim. De qualquer forma, quem for jogar Mortal Kombat precisará passar por um processo de, digamos, reaprendizagem para poder se entender com o jogo, ou a frustração será inveitável. Dado esse passo, jogar Mortal Kombat é uma experiência divertida. No meu caso foi interessante relembrar de personagens como Sub Zero, Human Smoke e Jade – com quem eu mais jogava nos anos noventa – e perceber como eles se transformaram nesse novo jogo.

Link

Sobre a mecânica de jogo, fiquei com a impressão que os responsáveis pelo jogo andaram jogando Super Street Fighter 4. De uma forma isso é positivo, uma vez que é sempre positivo se inspirar em que é melhor do que você (Street Fighter sempre foi melhor do que Mortal Kombat, sorry), entretanto não tem como não notar que as funcionalidades da barra “X” foram chupinhadas das existentes no game da Capcom. Um exemplo é a função de gastar parte da barra para dar os chamados “breakers” e os golpes fortificados, foram copiado de funções como os Ehanced Super Moves e Focus moves.Tirante esses detalhes, o mais interessante foram mesmo os especiais, os “X-Ray moves” (acho que é esse o nome deles), que são acionados apertando dois botões simultaneamente, acionando assim animações exageradas que por si só dariam fatalities. são legais e um tanto estratégicas, mas achei que meio que enche um pouco depois de um tempo. Voltando aos personagens, todos com quem joguei tinham suas nuances e características bem distintas, e nenhum pareceu fraco em relação aos demais. Não joguei o suficiente para ter uma certeza nesse sentido, mas acho que o jogo deve ter uma dose de equilíbrio.

Um pouco de design

Começando pelos cenários, gostei deles; curti o detalhamento, as animações e as referências aos Mortais antigos. Estão bem feitos sim. No inicio tinha o receio de serem parecidos com as porcarias genéricas do Mortal vs DC, mas essa impressão passou rapidamente. Já no departamento dos personagens, o resultado é bastante irregular. Em geral a modelagem ficou bem feita, como também os detalhes como rasgos, arranhões e hematomas que vão surgindo conforme o combate progride. Não gostei muito da animação, achei meio dura, mas em geral está aceitável. Por outro lado, alguns dos personagens idiotas de Mortal Kombat 3 ficaram menos idiotas, como Cyrex e Sektor que agora se parecem mesmo com robôs e não mais com pilotos de motocross.

Entretanto, panacas como Stryker, Kabal e Nightwolf continuam canastrões como sempre. Syndel por sua vez deixou de parecer um clone da Elvira, mas infelizmente não consegui engolir aquele Human Smoke com visual de bonequinho Troll. Sobre os personagens clássicos, Liu Kang, Scorpion, Sub Zero, Kung Lao, Jax entre outros, funcionaram, ao passo que outros nem tanto, como Kano-caminhoneiro, o Johnny Cage mano da periferia e o Reptile que foi transformado em um lagarto genérico. Quanto a mulherada, há uma certa controvérsia, por assim dizer. Ok, o jogo é mature e tal, mas acho que forçaram um pouco na sensualidade das lutadoras. Como um exemplo curioso há o fato de TODAS usarem roupas super decotadas (até mesmo a horrível cruza entre halterofilista e o Goro, a tosca Shiva). Ficou forçado a Sonya estar trajada de policial de filme pornô, não faz sentido as ninjas lutarem de salto alto. Além disso foi feito até um concurso com atrizes sexies, só para pegar os nerds que fazem justiça com as próprias mãos.

Por fim…

Entre acertos e erros, o fato é que Mortal Kombat voltou a ser um game de luta, deixando a condição de piada que se tornou durante os últimos anos. Considero positivo, pois embora controverso, Mortal Kombat é uma marca que faz parte da história dos video games. Também é positivo observar uma série se reerguer. É fato que até por contexto histórico, Mortal Kombat não será mais o fenômeno de outrora, mas deve conquistar ao menos vendas respeitáveis entre novos jogadores e alguns velhos fãs que abandonaram a série depois de tantos jogos ruins. E como eu sou um cara que não fujo do pau (opa!), podem me bater à vontade devido do que foi dito nesse post. Admito que errei. Ainda bem.

Me despeço agora, amiguinhos. Bom fim de semana a todos e até o próximo post.

AvcF – Loading Time.

18 thoughts on “Eu e Mortal Kombat; Mortal Kombat e eu

  1. O 5 é subtitulado “Deadly Alliance”, só que o 1º 3D foi o 4, não foi? Enfim, também vou jogar esse novo MK um dia desses, e espero que saiam no futuro pelo menos mais uns 3 com a qualidade desse novo.

    Comentário do AvcF: verdade, o primeiro 3d foi o quatro. Viajei nessa.

  2. Eu gostei desse MK, voltou a ser o que era o 2. O pior é que tem gente querendo fazer exatamente aqueles combos horriveis do 3, repetindo os movimentos. Aquilo era ridiculo, quando vou a casa de um amigo e rodamos MKT no 64 é algo desumano, é impossivel acertar um golpe nele, pois ele tem decorado todos os combos de todos oos personagens. E por mais que vc aprenda, ainda tem o tempo de acostumar com o timing perfeito que os movimentos precisam. Enfim, esse novo esta bem legal, competitivo, e como vc falou, os X-Ray trouxeram mais um toque estratégico as lutas, nada complexo, mas interessante de se ver e executar.

  3. Sim Flavio, esa é a questão: pra mim o que importa é que o jogo seja realmente legal, e não que o mesmo obrigue ao jogador a ser uma espécie de “escravo da (nesse caso, má) jogabilidade”. O lance é que Mortal Kombat 3 e seus, digamos, “derivados” (Ultimate, Trilogy e Advance) além de não ser lá essas coisas obriga o jogador a ser esse tipo de “escravo da jogabilidade”. E que ao menos os próximos 3 ou 4 títulos da franquia Mortal Kombat sejam tão bons quanto esse novo.

  4. @Trouble Man: e sem contar que o Ultimate (pelo menos a versão do Snes) só era minimamente jogável, ou menos intragável, se você usasse aqueles cheats do tipo Kooler Stuff, Kool Stuff, Scott Stuff, que habilitam coisas como fatality com um botão, dano máximo,Shao Kahn e Motaro, essas coisas (se bem que nem isso salva o jogo, pois quando você precisa de códigos para tornar um game jogável, é porque tem algo de errado com ele). E esse novo Mortal Kombat finalmente colocou a série nos eixos, enfim, o retorno de um clássico dos fighting games, junto com SF, KOF, e os crossovers da Capcom.

    Avcf disse:

    “E como eu sou um cara que não fujo do pau (opa!), podem me bater à vontade devido do que foi dito nesse post. Admito que errei. Ainda bem.”

    Avcf, meu filho,eu entendo que você errou naquele post, porque não dá pra julgar um game pelos primeiros vídeos de gameplay, mas porra, não precisava dar a entender (eu disse dar a entender) que baixou a cabeça para os fanboys cretinos de MK. Fanboy é uma merda, não importa qual seja.NÃO ALIMENTE OS TROLLS,AVCF,NÃO ALIMENTE OS TROLLS!!!

    Comentário do AvcF: mas quem disse que me curvei aos trolls? Como deixei claro no texto, não é um bom game que irá apagar uma sequência de fracassos e vexames. Não mudei minha opinião quanto a isso nem deixei de criticar aspectos do game atual. Agora, por uma questão de coerência eu tenho que apontar o erro daquele post. Mas observe que nada disse sobre o post dos piores jogos do Nintendo 64.

    1. concordo com nosso amigo aqui, sem bem que muitos jogos de luta as minas não tem muita bunda, a Mai dos King of fighters classicos tem mais bunda que a do XIII e o pior dessa versão é que a bunda é coberta.

  5. Agora que está nas mãos da Warner e não mais da lixosa Midway o produto que temos é beeeeeem melhor! De qualquer forma pretendo comprá-lo um dia. Nunca curti muito Street Fighter, acho que colocando numa balança cada um tem seu prós e contras, Street Fighter foi um precussor do estilo luta, já MK foi do estilo luta com sangue muito sangue!
    E particularmente eu prefiro MK os bons claro pois desde o MK 2 também não me empolgo muito com jogo da série.

  6. Eu comprei e estou alucinando com ele. Achei o jogo muito foda. Inclusive os filhos da mãe conseguiram fazer um modo história que presta em um jogo de luta.

    É canastrão, tosco, brega… e o melhor é que sabe que não deve ser levado a sério. Muita coisa pra fazer, torre de desafios, porrada de itens pra abrir… vale a pena.

    O fato de terem retomado às origens foi o passo mais inteligente, conseguindo até desculpa esfarrapada no modo história. Enfim, é foda mesmo.

    Sem mais.

  7. Realmente foi um erro ter descido o pau logo no primeiro trailer, mas aí depois até vem um gostinho especial ao ver que o jogo é bom..(gostinho especial tb para aqueles que não gostaram daquele polêmico post….rs….). Mas errar é humano, afinal de contas, e ficou bacana o texto: uma análise justa dos pontos negativos e positivos.

    Agora vamos esperar que continuem assim com a série, melhorando, ao invés de piorar e tranformar a série de novo numa palhaçada cheia de lixo como aconteceu antes. Mas creio que agora o Ed Boon aprendeu a lição e irá saber conduzir a série por um bom caminho.

    É isso aí. Abraços.

  8. Terminei hoje o modo história. É bom, até que no final eles estragam tudo. Mas tenho impressão que arrumar a merda já é tão comum pra eles, que na sequência eles irão explicar tudo melhor.

    Mas que se dane, jogo de luta é pra dar porrada e não te agradar com narrativas elaboradas. E na porrada esse jogo manda bem… sangue, ossos quebrando e violência estúpida que nos diverte. Hell Yeah.

  9. Olha, vou dar minha opinião sincera. Joguei MK até o 3. Depois, nem sei o aconteceu com a série. E nem perco meu tempo com os lixosos. Mas, te digo uma coisa, comprei SSFIV e MK – O novo MK eu não consegui parar de jogar até agora. Já Street, devo ter jogado 2 ou 3 vezes.
    Além de muito bem polido, achei divertido como nos primeiros. Acho que foi um retorno triunfante sim. As lutas são rápidas e os fatalities são demais. Tirandos os babalities.
    Valeu a pena.

  10. Putz! Gui, li o que você escreveu e concordo. Eu estou com o Marvel Vs Capcom 3 aqui e o MK….

    O MK roubou totalmente a cena do MvC3. Não paro de jogar ele (metas idiotas como abrir todos os segredos e etc…) e o outro ficou meio de lado. Até quando vem galera jogar, o MK se destaca bem mais.

  11. HAHAHHA engraçado mesmo… Vc já viu os babalities… que legal cara, há muito não me divertia assim, de verdade… Muito bom mesmo. Marvel X Capcom tem todo aquele charme e tudo mais, mas é MK na veia.

  12. Cara, babality do Kratos merece medalha de ouro. É de longe uma das coisas mais comédia do jogo. Eu nem sabia que tinha babality… quando descobri passei horas rindo.

    Outra menção honrosa é o stage fatality da estação de metrô. Aquilo é genial.

  13. o grafico do jogo e excelente, assim como a jogabilidade no modo off line. no modo on line o jogo e uma porcaria. E lento, vc nao tem controle real do personagem como no modo off line. decepcionado com mortal kombat, vugo – 9

  14. Quando eu ví aqueles vídeos inicias de MK, também pensei “credo, mais um jogo thrash!”, ainda mais feito pela Warner Bros Games (esse nome ainda me lembra a antiga Atari Games e seus horríveis jogos com selo da Midway).

    Entretanto, felizmente, MK é realmente um grande jogo de luta, muito interessante e bem feito. Apesar da franquia ainda estar bastante mal marcada, tenho certeza que o proximo MK vai ser ainda mais divertido do que esse e o passado poderá descansar em paz. =)

    E como bem lembrado pelos colegas, MK roubou a cena do crossover da Capcom! Quem diria!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *