Desconstruindo Mega Man

Saudações aos deletérios.

Mostrarei um pouco de uma desconstruçãozinha que fiz como nosso amigo e ícone dos games Mega Man. Vou explicando tudo no post, que troço doido foi esse. Acompanhem.

“Selecionar um jogo dos anos oitenta e criar um entorno para ele, ou seja, produzir um cartaz e um teaser animado utilizando apenas pontos, linhas, cores e texturas.” Com um fim de semana cheio de possibilidades e nada melhor para fazer, comprei minha passagem rumo a mais uma viagem na maionese. Após fazer uma listinha de games da década de oitenta (tarefa nada difícil lembrar de tantos clássicos), resolvi fazer o trabalho em cima de Mega Man 2, um dos melhores games do NES e daquela geração. Infelizmente como o teaser foi feito em formato swf , não tenho como postar aqui. Ent~so me concentrarei em mostrar o processo de feitura do cartaz com o robô azul da Capcom.

Nada de textos, nada de figuras prontas, apenas as já referidas linhas, pontos, cores e texturas. Estava claro que tinha de descontruir a figura de Mega Man até o ponto mais básico possível. Como o sentido do trabalho era justamente ser livre, aproveitei para lançar mão de diversos materiais, voltar a brincar um pouco de design gráfico. O elemento mais básico de qualquer jogo de videogame, seja dos mais simples aos mais sofisticados, é o ponto, ou se quiserem, pixel. Do conjunto de pontos que todo o resto da estrutura gráfica dos jogos advem. Foi aí que resolvi pesquisar uns materiais e decidi usar pastilhas de piscina para criar uma representação do Mega Man. Combinando pastilhas de diferentes tons de azul, preto e branco, criei o rosto que vocês vêem na abertura do post.


Nos fundos de piscinas tem muitas dessas

Devido ao custo proibitivo e ao enorme tempo que demandaria para montagem, tive de abortar a idéia de montar um Mega Man inteiro com as pastilhas. Então parti para criar a cabeça do Mega, também uma figura icônica por si só. Mas havia um problema a resolver aí, pois as pastilhas eram de vidro e eu só teria como fazer uma base de papel. Escolhi um tipo bem forte, o papel Paraná, e colei duas placas com uma cola que parecia Cascolar, mas para rardecores. Aí cobri com uma superfície de papel cartão preto, para dar um acabamento melhor e para criar contraste com as montagens que faria por cima. Aí desmembrei Mega Man completamente, fazendo uma composição de pontos, linhas, colunas e engrenagens:


Deu um trabalho montar isso tudo…

A idéia não foi aleatória, e fui preenchendo os espaços de forma consciente. Também me inspirei em obras do construtivismo russo, dêem uma olhada em obras desse tipo e verão a influência. Foi um trabalho divertido de fazer, com o computador tão presente no processo artístico do design de jogos em geral, foi até esquisito não ter mexido em nenhum software. Entre tantas homenagens e versões diferentes feitas com o Mega, ao menos essa é analógica.

Até o próximo post.


Pode não parecer, mas ele até que gostou

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

7 thoughts on “Desconstruindo Mega Man

  1. pra facul??? como foi a nota??? 😀 envia pro youtube pra gente ver \o/\o/\o/ (melhor, envia pro uol videos pq aí posso ver da empresa… hehehe)

  2. Você faz faculdade? Eita, achei que fosse formado! Faculdade do quê? Design Gráfico também?

    Aliás, muito legal o trabalho, tive de fazer algo parecido, mas com fotografias, acabou algo bem ao estilo construtivista russo mesmo! 😉

    1. Já sou formado, mas em design gráfico. Agora a treta é design de games. Não parece, mas sai de uma área para cair em outra completamente diferente. Enquanto não arrumo emprego de verdade vou fazendo essas coisas que vocês viram aí, hehe.

  3. Bacana o trabalho, curti.

    Tenho formação na área de design também, mas no meu caso sou formado técnico em design gráfico, trabalhei uns anos com fotografia digital e hoje trabalho com programação e web.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.