Cool Vibrations: Resident Evil Umbrella Chronicles (Wii)

Cool Vibrations: Resident Evil Umbrella Chronicles (Wii)

 

Saudações aos leitores.

Antes de mais nada, já lhes aviso que terei semana dura pela frente e portanto serão menos atualizações nesses próximos dias. Enquanto isso, deixo uma análise de um jogo da geração atual, depois de eu ter falado de tantos games antigos. Texto completo na continuação do link:

Antes de mais nada, já dou o aviso: o jogo não é um clássico e está longe da perfeição. Na realidade, UC em si só é um Resident Evil pelo tema que carrega no design das fases e inimigos, pois sua jogabilidade e mecânica em nada se parece ao dos jogos principais. Por falar em mecânica, a lógica dos shooters on rails dos arcades é seguida a risca, naquele velho esquemão que todos já conhecemos de jogos como Virtua Cop e Area 51. Absolutamente linear e previsível, ainda sim divertido.

O que faz de Umbrella Chronicles um ótimo game, é que conseguiu ir além do gênero a que pertence. Não basta apenas matar as legiões de inimigos e recolher munição, é necessário achar documentos secretos e armas extras escondidos nos diversos objetos quebráveis que fazem parte dos cenários das fases. Há dezenas destes, como vasos, placas, lâmpadas, janelas, etc. O bacana, é que isso influênciou no design de fases, já que destruír as lâmpadas deixam os jogadores na escuridão e os quadros pindurados em paredes caem e deslizam pelo chão de forma convincente, o que contribui para a imersão que o jogo propoe. A curva de dificuldade é bastante orgânica, variando entre momentos mais fáceis e dificeis de forma harmônica, com dinamismo que considerei muito bom.

Os documentos coletados contém informações sobre a história da série e dos personagens principais, o que ajuda a preencher alguns buracos que haviam na trama e deve ser prato cheio para os fãs de Resident Evil. Durante as fases há uma boa dose de diálogos entre os pergonagens – são sempre dois, mesmo com um jogador só – criando assim uma narrativa que lembra a dos filmes de ação. O problema é que os dubladores são mais forçados que os das novelas mexicanas do SBT e os diálogos são bem ruins, o que mata o clima de tensão várias vezes durante as partidas. Coisas do tipo: – “Watch your step princess!/Don’t Call me princess”, enquanto Biily e Rebecca fogem dos zumbis sobre um trem em movimento, é apenas um dos muitos momentos constrangedores durante as partidas. Mais um pouco e eu já começaria a pensar se os redatores do jogo já estagiaram no Zorra Total.

O Wiimote cumpre bem seu papel na jogabilidade, com mobilidade e precisão satisfatórios. O estranho sobre essa parte é que o sistema de detecção do jogo me pareceu meio estranho, pois é uma tarefa inglória conseguir acertos críticos e por diversas vezes dei tiros perfeitos na cabeça dos zumbis sem derrubá-los. Essa inconsistência tornou a tarefa de matar o chefe da terceira fase do capítulo 1 algo bem frustrante. Após o termino dos estágios, o desempenho dos jogadores é medido, dando-lhes estrelas conforme as médias das notas conquistadas. Essas estrelas são necessárias para melhorar as armas, uma decisão inteligente do design, já que incentiva os jogadores a voltarem as fases já completadas.

Graficamente o jogo é muito bom, cheio de efeitos e bastante movimentado, sem quedas de frame aparentes. Não é distante de Resident Evil 4 (que é belo ainda hoje), porém dúvido que o Gamecube pudesse fazê-lo no mesmo patamar, mesmo em 30 fps. Pra finalizar, Resident Evil: The Umbrella Chronicles é um game que vale no mínimo um fim de semana no seu console. É também a prova de que quando as produtoras terceirizadas se esforçam um pouco, o resultado compensa. Sem dar bola para o mimimi das thirds incopetentes, com um ano de Wii, a Capcom já tem bons games como o adventure Zack e Wiki e a versão melhorada de RE 4, cuja jogabilidade deu uma nova experiência ao jogo. Fica aí o recado aos incopetentes que lançam lixos caça níqueis e reclamam que só a Nintendo ganha com seu console: chorem menos e trabalhem mais. A Capcom já fez isso e se deu bem.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

7 thoughts on “Cool Vibrations: Resident Evil Umbrella Chronicles (Wii)

  1. Saco ou Medo??!?!?
    hehehe
    ate hoje me lembro do cachorro fd% do RE2
    ele pulo pela janela
    volume alto
    e eu
    “HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA”
    [email protected],cachorro fd$ quase me mata do coração”

    ps:fiquei 1 noite inteira sem dormir
    ps2:semana toda mal dormida
    ps3:mas ainda me assusto jogando Super Mario World,com aquele bicho grande q usa oculos no forte da ilha do chocolate
    ps4:tenho 17 e me assusto com mario,e tinha 13 quando nao durmi com o RE2

  2. Nenhum cara, não consigo achar o jogo interessante, não me prende, mas também não o julgo ruim, muito pelo contrário. Na época que RE estourou eu prefiria mil vezes mais Dino Crisis, coisa de gosto mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.