Cool Vibrations: Final Fantasy III e IV (Nintendo DS)

Saudações aos transtornados.

Hoje falarei de um clássico que teve um tratamento brilhante no pequeno notável de duas telas: Final Fantasy IV. Ignorei esse jogo por longos dezessete anos, mas finalmente fiz justiça a esse grande game.

No Cool Vibrations que escrevi sobre o Super Mario RPG, disse lá que aquele jogo foi o responsável por me fazer aprender a gostar de RPGs, isso em 1996. Na geração 8-bits e durante toda a geração seguinte eu não dei a menor pelota para os representantes desse gênero, não por preconceito ou intolerância, mas por indiferença mesmo. Quando olhava nas revistas notícias “bombásticas” sobre um novo Ys, Phantasy Star ou um Dragon Quest da vida, eu dizia alguma interjeição do tipo “meh” e virava na página seguinte. Achava muito mais interessante ler alguma novidade sobre Street Fighter 2, Mario ou Mega Man. Coisas da vida.

Final Fantasy, vocês me perguntam? Também durante muitos anos não conseguia entender qual era o porquê daquela idolatria que muitos tinham por determinados personagens ou por algum algum capítulo em específico. Até tive um amigo de ocasião que chegou ao ponto de gravar as animações em computação gráfica pré-renderizada em uma fita VHS só para ficar assistindo depois. Quando eu começei a ter contato com os emuladores, resolvi tentar descobrir o que o jogo tinha de tanto. Tentei primeiro o Final Fantasy do NES e detestei aquela experiência arcaica, rudimentar. Alguns anos depois resolvi tentar o mesmo procedimento, só que dessa vez com o Final Fantasy VI do Snes, afinal se eu tinha adorado Chrono Trigger, o que poderia ter de errado dessa vez?

Mas deu e não consegui ir com a cara do jogo. Sei lá, não rolou pegar gosto pela coisa e larguei mão novamente. Isso até o lançamento do remake de Final Fantasy III para o DS, o único até então nunca lançado para o ocidente. Por algum motivo oculto eu resolvi arriscar, importei o jogo e desta vez resolvi levar a sério de fato, em uma espécie de “ou vai ou racha” contra mim mesmo. Mesmo com a historinha super água com açúcar, naquele esquema de “ei miguxos, vamos todos juntos unir nossos poderes e salvar o mundo?” aos poucos fui gostando e aprendi a me acostumar ao esquema deliberadamente old school de FF III. Até gostei do esquema de jobs, embora fosse meio estranho um ninja se tornar viking e depois se tornar thief como quem troca de roupa. Outro estranhamento que tive foi com as magias, que não entra na minha cabeça em hipótese nenhuma que alguém possa entrar em qualquer birosca e pedir uma tempestade de gelo ou um super raio de fogo. Me sentia como em um daqueles desenhos de saloon do Pica Pau, em que ele pedia coisas como “Olho vermelho” e era prontamente atendido.

Fora isso, era um game bem produzido, com animações decentes, visual 3d equivalente aos bons games do Playstation, trilha sonora de acordo; tudo funcionando de forma harmônica e com o ritmo certo.

Final Fantasy IV

Quando o remake de Final Fantasy IV foi anunciado, eu já sabia o que esperar, então foi apenas questão de tempo e dinheiro para que pudesse pegar minha cópia. Não deu outra, FF IV é muito superior ao antecessor em todos os aspectos, sem excessão. A começar que desta vez havia uma trama de verdade, com certa dose de profundidade, drama (fica um tantinho mexicana em alguns momentos, mas como é originalmente de 1991, tá valendo), conflitos éticos e personagens interessantes. Sempre ouvi excelentes comentários sobre a história e a narrativa envolvendo o mundo de Cecil e cia, de fato é bacana mesmo, apesar de umas marmeladas até que aceitáveis.

Os gráficos e as animações melhoraram sensivelmente, e a dublagem de boa qualidade deixou as cenas importantes da trama ainda mais legais e dramáticas. Achei sensacional a volta daquela musiquinha porreta dos chefes (aquela que toca no Super Mario RPG), além de outros temas bem feitos. Só daria destaque negativo para aquela musiquinha INSUPORTÁVEL que toca na maioria das vilas. Cristo, que troço chato, além do mais que joguei deitado de fone de ouvido na maioria das minhas partidas. Por outro lado, um detalhe interessante do capricho dos produtores para com o jogo foram aqueles balões de pensamento dos personagens, quando se pausa o jogo. Cada um diversos, que exprimem seus sentimentos e emoções no decorrer das situações enfrentadas durante a história. Não é relevante para o gameplay, mas achei que ajudou a humanizar um pouco os personagens.

O desafio também é bastante superior a versão anterior, com chefes que realmente requerem tática para serem derrotados, se bem que mesmo com todo o cuidado do mundo eu ainda terminei algumas batalhas literalmente com a tanga na mão. Os calabouços seguem o mesmo princípio, e achei uma decisão de design estremamente inteligente aquele sistema de percentagem conforme se completa os mapas. Um tremendo incentivo à exploração e até para aguentar as incessantes batalhas aleatórias contra inimigos repetidos. Se tivesse isso no III eu teria achado bem mais tesouros, provavelmente.

Agora que acabei de terminar, digo sem sombra de dúvidas que Final Fantasy IV merece o status de clássico que lhe foi conferido desde o tempo do Snes. Acho até que foi bom eu ter conhecido esse jogo só recentemente, pois em 91 eu não tinha idade, maturidade nem conhecimento de inglês suficiente para aproveitar o jogo como se devia. De fato, cada coisa a seu tempo. Mas foi bom, foram muitas horas de prazer (ui) com esses cartuchinhos o DS. Além claro, do belo trabalho da Matrix, produtoras que fez o serviço sujo para a Square.

Abraços e até o próximo post.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

21 thoughts on “Cool Vibrations: Final Fantasy III e IV (Nintendo DS)

  1. Os FF antigos eu também nunca joguei, nem mesmo em emulador, o único que fui até o fim foi FFVII em versão para PC. FFIV para DS eu dei uma espiada no emulador e realmente parece estar muito bacana, a adição de vozes nas principais cenas me surpreendeu.

  2. avcf, se vc curtiu um pouco o 3, e adorou o 4, vai apaixonar no 5…q para mim, eh o melhor de todos…to loco de vontade de joga-lo no DS, vamos ver se a square lança ainda esse ano…final fantasy 5 rules!

  3. nunca terminei, pela simples falta de paciência em ter que começar de novo sempre que formatava o computador (época que eu fazia de mês em mês) o FFVI.
    Peguei o do psx da net e não tive paciência pra jogar com os loadings…. o de gba eu quase comprei (digo quase pq eu ia comprar, mas não achei, então comprei o tactics).
    Mas para mim, não existe nenhum melhor que meu querido FFVII. Não é pra menos que ele é o jogo com mais spin-offs, filme e etc…. não sei se você vai gostar dos gráficos, pq são antigos de psx, mas a história é legal, e cheia de surpresas… quando você pensa que sabe o que vai acontecer… bem, isso acontece, mas acontece algo surpreendente junto! hahaha
    atualmente to jogando ele pela 6ª vez, agora no psp.
    Preciso de uma versão barata dele do psx pra jogar no ps3 Oo’

  4. eu tambem nunca tinha jogado FF até jogar o 4 no SNES pelo emulador. PQP perfeito, não cheguei a terminar pq é imenso e o pc teve de ser formatado e acabei perdendo tudo acidentalmente. A história é ótima, eu realmente sou curioso até hj em sbaer o que se acontece com Cecil no final.

  5. znes com um controle de xbox 360…fica ainda melhor do q jogar o proprio super nintendo com aquele controlinho feiosinho dele (opinião pessoal XD) e ter q ficar soprando aquele negocio e mexendo na fita dum lado pro outro ateh pegar…

  6. Enredo em Final Fantasy só a partir do VI 😀 Porém o III tem um gameplay fantástico, junto com o IV e V. Não é minha série favorita de RPG’s mas com certeza é uma GRANDE série.

    PS:Experimente Dragon Quest IV para DS, melhor que os Final Fantasies, na minha modesta opinião.

  7. Nunca joguei Dragon Quest, mas esses remakes do DS me despertaram atenção faz algum tempo. Além de que o IX vem aí e tem cara de estar caprichadíssimo.

  8. pra mim,rpg bom e somente rpg de ação como Rogue galaxy e meus preferidos X-men Legends 1 e 2,ff12 não é de ação,mas parece 1um

  9. ff12 eh RTS (se for o do DS) , eh um rpg de estrategia em tempo real…se vc curtiu ele, vai gosta do blue dragon do DS, tmb eh um rpg de estrategia em tempo real…
    e rpg de ação, ninguem ganha do bom e velho diablo…e diablo 3 vai detonar!

  10. diablo 3 eu iria jogar…se nao fosse o fato dele estar flufy!
    todo coloridinho,quero um gotico escuro e tenebroso,nao iluminação bonitinha!

  11. pô, nem lançou o jogo, como eh q vc sabe como vai ser??? ateh agora soh mostraram um video de 5 min com o barbaro em uma fase, o jogo naum eh soh isso…alem disso diablo 2 jah naum era taum macabro quanto o 1 (o unico realmente diabolico), mas vc deixou de jogar o 2 por causa disso?

  12. fala serio, naum jogou o 2? vc naum sabe oq eh rpg cara…o 2 nem compara com o 1 de taum melhor q eh,…o 1 ainda eh divertido e nostalgico, mas naum se comparam…eh como comparar o super mario bros, com super mario world…niveis diferentes…

  13. Curto bem mais o III que o IV. A história com clima de aventura descompromissada, o sistema de batalhas em turnos, e os jobs que fazem moldar o grupo de personagens do jeito que quiser. Enfim. O IV é legal também mas me identifiquei mais com o III mesmo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.