Cool Vibrations especial: jogos baseados em filmes, que deram certo

Saudações aos leitores.

Jogos baseados em filmes são sinônimos de inequívocas porcarias, como vocês bem sabem. Apesar desse, digamos, gênero ser um verdadeiro mar de lama, mesmo no lixo é possível encontrar algumas pérolas. Então aproveitei para reunir algumas exceções a essa nefasta regra. Seguem os games após o link.

Batman(NES, Sunsoft, 1990)

Começarei pelos games mais antigos. Batman foi baseado no filme homônimo lançado em 1989, dirigido por Tim Burton e estrelado por Michael Keaton (sem contar o Jack Nicholson como Coringa). Mais ou menos um ano depois a Sunsoft lançou um belo game para NES, que se tornou um clássico entre os games de ação e plataforma do NES, que por sinal tinha uma biblioteca e tanto nesse gênero.

Dentro do que era possível na época, Batman NES reproduziu bem o clima do filme, embora não se importasse em seguir de perto seus acontecimentos, o que acho que foi uma sábia decisão. Pois dessa forma o jogo teve a liberdade em seu level design, o que gerou fases desafiadoras e divertidas. Além disso, a excelente trilha sonora presente no jogo não precisou se basear na insossa trilha orquestrada do filme. Voltando ao game, são cinco fases divididas por duas ou três áreas, com um chefe casca grossa no final (bem no esquemão dos games NES daquela época), e dependendo da sua habilidade, dá para fechar em um fim de semana – se divertindo no processo. Mas estejam avisados que o desafio é padrão NES.

Little Nemo: The Dream Master (NES, Capcom, 1990)

Esse é um caso menos conhecido, e creio que muita gente até hoje nem saiba que esse jogo era baseado em um filme (se bem que acho mesmo que poucos se lembram desse jogo). “Little Nemo: Adventures in Slumberland” era um anime lançado em 1989, tratando-se de um belo conto infantil sobre um menino que viaja a um mundo de sonhos.

Infelizmente o desenho não fez sucesso quando foi lançado nos Estados Unidos, e sinceramente não me lembro se chegou a passar aqui. Eu acabei achando o desenho por acaso em uma locadora, meio jogado com outros desenhos de menor qualidade, isso alguns anos depois somente. Foi somente aí que acabei me interessando pelo game de NES, que por sua vez não fez lá muito sucesso também. O que não impediu Little Nemo: The Dream Master (ganhou esse sub-título quando lançado em jogo) se ser um divertido game de plataforma, bem a pegada dos games da Capcom daquele período. Embora não seja tão bom quanto, o design de Little Nemo foi claramente inspirado no de Duck Tales, porém com sua própria gimmick, pois o jogador tem de alimentar alguns monstros com balas, e dessa maneira assumir suas formas. Assim, cada monstro confere uma habilidade especial que deve ser usada como ferramenta para capturar chaves necessárias para o jogador poder terminar as fases.

Little Nemo não foi nenhum clássico, mas era e é ainda um bom jogo, e sim, bastante aproveitável ainda. Vale bem gastar um tempo com ele em emuladores, como o Virtual Nes por exemplo.

007 Goldeneye (Nintendo 64, Rare, 1997)

Avançando um pouco no tempo, temos aqui o grande clichê desse post. Mas é inevitável não lembrar de um clássico como esse, não? Não tenho nada a acrescentar depois de tudo o que foi dito sobre esse jogo, sobretudo depois de uma completíssima reportagem publicada na revista Retro Gamer número 5 (acho que dá para comprar pela internet, recomendo). Aliás curioso como não apenas o jogo foi um grande clássico dos games, como o filme também foi importante, pois ressussitou a franquia 007 depois dos fracos filmes oitentistas estrelados por Timothy Dalton.


Pierce Brosnan eterno

Como já cheguei a escrever antes, creio que o grande mérito de Goldeneye foi ter mostrado ser possível fazer games de tiro com alta qualidade fora dos computadores, e ainda por cima sem mouse e teclado, vejam vocês. Foi uma verdadeira quebra de paradígma, uma vez que em 1997, FPS era tão coisa de computador quanto Super Mario é coisa de console, só para ficar em um exemplo rápido. Curiosamente, os rardecores da época zombaram de Goldeneye, não o considerando como um “FPS de verdade”. Todavia, não apenas Goldeneye era tão bom quanto os melhores dos PCs na época, como ainda por cima abriu o caminho para jogos como Halo, Killzone e outros tão apreciados justamente pelos hardcore games de jogo (especialmente os fãs de Xbox).

O fato é que 007 Goldenye sempre será lembrado não apenas como um clássico do Nintendo 64, como também como um dos melhores games de tiro dos anos noventa. Inclusive já dediquei um post aqui no blog, lá para idos de 2008. Confiram aqui.

Spiderman: the Movie (GameCube/Xbox, Treyarch, 2002)

Vamos de multi agora. Após decádas de seriados toscos e bizzarices em geral, o Homem Aranha finalmente ganhou um filme prestável (mas não muito além disso, a bem da verdade)estrelado por Tobey Maguire (sumiu, esse cara, não?). Se não me engano saiu logo após o filme, bem no esquema dos joguetes safados típicos que conhecemos. Porém o fato é que o jogo surpreendeu, pois se não é nenhuma maravilha como jogo, está muito longe de uma porcaria feita à toque de caixa para faturar com os demais merchandises lançados para divulgar um filme.

Apesar ba bizarrice de grudar teias no “teto” da tela(onde diabos elas ficam?)era divertido ter a ilusão de explorar a cidade como um super Tarzan urbano. No começo as missões são simplórias, mas o game vai desenvolvendo, novos golpes são habilitados, os super vilões de sempre aparecem, aquilo de sempre, mas que funciona. A versão Xbox ainda foi(provavelmente) turbinada com uma graninha da Microsoft, tendo sua e vilão próprios.

De resto, temos um bom game para se terminar em uma tarde de jogo. Somente ignorem a versão Playstation 2, que era uma porcaria, com quedas de framerate e gráficos sensivelmente piores que as demais versões.

Blade Runner (PC, Westwood, 1997)

Aproveitando esse post para voltar a falar um pouquinho de jogos de PC, algo que admito sempre teve muito pouco espaço aqui no blog. Blade Runner, o filme, foi um clássico dos anos oitenta, estrelado pelo eterno Harrison Ford. Conhecidíssimo, já teve trocentos relançamentos, DVD, Blu Ray e tal. É daqueles filmes que todo mundo já viu pelo menos uma vez na vida. Mesmo assim demorou belos 15 anos para sair um game sobre o clássico de ficção científica. Em 1997 a Westwood lançou um point and click:

Mesmo com o gênero dos point and clicks em ampla decadência naquela época, a Westwood ousou e lançou um game de produção caprichadíssima, com belos gráficos, animações e ambientação. Abusando de câmeras em ângulos fixos e cenários pré-renderizados, Blade Runner exibiu um visual bastante acima do padrão de outros games de 97. Infelizmente pouco pude jogar na época, pois o jogo exigia um computador acima do meu padrão de então, mas até onde puder ver, parecia de fato um game interessante. Por sinal, se alguém souber como arrumar esse jogo hoje, gostaria de saber.

The City of Lost Children (Playstation, Psygnosis, 1997)

E encerro esse post com não apenas um jogo obscuro, mas um filme obscuro também. The City of the Lost Children é um filme francês que cuja existência só descobri beeeem depois do jogo, até onde sei não moveu platéias pelo mundo. Mas o youtube como sempre joga luz aos esquecidos:

Dois anos depois (o filme é de 1995, segundo o IMDB), The City of Lost Children foi lançado para Playstation pela Psygnosis:

Tratava-se de um game que seguia os passos de Resident Evil, mas com menos ação (e obviamente sem zumbis) e mais puzzles e leitura. O jogo fez o que pode para representar o filme, explorando bem o que o Playstation podia fazer. Joguei na época em um console emprestado, e não para variar em um daqueles CDs piratas. Me lembro que foi um jogo que a molecada que eu conhecia nem ligou, mas eu fui até onde deu com o tempo disponível que tive. Não tenho como dizer se o jogo envelheceu bem, talvez se um dia arranjar um console usado, verei se pego esse jogo.

———————————————————————————————————————-

E por hoje é só, pessoal. Mas como vimos aqui, é bem possível sim ter bons jogos baseados em filmes. Basta capricho e boma vontade – o que é caro a qualquer tipo de jogo, aliás. Falando nisso, setiver algum jogo que eu tenha esquecido, os comentários estão aí.

Até a próxima.

AvcF – Loading Time.

11 thoughts on “Cool Vibrations especial: jogos baseados em filmes, que deram certo

    1. Esse Willow provavelmente não deve sair (ou ter saído) nos Capcom Classics Collection da vida por questões de copyright. Bem como Aliens Vs. Predador, Dungeons & Dragons, e afins. Uma pena, aliás. 🙁

  1. Toy Story também foi muito bom. Era um sidescroller com gráficos bonitos, dificuldade moderada e muita variedade, haviam fases onde o jogo ganhava moldes de um jogo de corrida, e até mesmo cara de “FPS”.
    Infelizmente a produtora do jogo eu não lembro.

  2. Faltou o The Chronicles of Riddick: Escape From Butcher Bay, que depois ganhou um remake para o PS3, X360 e PC.
    É FPS, misturado com stealth e luta corpo a corpo (tem algumas partes em que se deve conversar com npcs tb, fazer missões extras e coisas do tipo). Sempre é lembrado como um dos melhores games já feitos baseados em filmes.

  3. Sim, o do Toy Story pros 16 Bits (Mega Drive e SNES) ficou bem bacana.

    Quanto à esse do Batman da Sunsoft, tinha a versão mega Drive, que ou era tão boa quanto essa, ou até melhor.

  4. AVCF, Little Nemo in Slumberland é um tira do começo do século XX. Ou seja, o anime foi baseado na tira, inclusive é uma das tiras mais famosas do período pela forma que a narrativa era conduzida sempre com Nemo acordando e descobrindo que não passava de um sonho. A tira é desenhada e escrita pelo genial Winsor McCay.

    Se não conhece recomendo dar uma olhada.

  5. Como o Camarada Moderado lembrou, Little Nemo in Slumberland é baseado em uma tira bem antiga. Recomendo, se tiver oportunidade, leia!
    É muito surrealista, extremamente bem desenhada e muito bem escrita, apesar de sempre se saber como vai acabar.
    Quanto aos games, sempre vale lembrar dos games baseados em animações da Disney( Aladdin, Rei Leão e até o um pouco mais recente Tarzan). Também gostava bastante de Alien 3.
    Outro game que acho interessante não era necessariamente baseado em um filme mas em dois personagens de filmes: Robocop Vs Terminator. Fui realmente viciado nesse game.
    E claro, temos alguns excelentes games baseados no velho clássico nerd: Star Wars.
    Ótimo post!

    1. Exatamente, Alladin e Alien 3, excelentes jogos.

      Eu gostava também do Batman Return do Mega, e o pessoal do SNES adorava o seu (tinha até fase de corrida).

      Tinha um Hook também legal, não lembro se era do SNES ou do SegaCD.

      1. Sai pros dois (sendo que o de Mega-CD tinha animaçãozinha na abertura, e o som bem melhor). Também havia sido lançado pra Mega Drive, Game Gear e Game Boy. E sim, deviam ter mencionado o Alladin pro Mega Drive…

        E o Judge Dredd pros 16 bits (Mega Drive e Super NES) era bem bacana, mesmo sendo da Acclaim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.