Bad Trip: Pokémon Dash – Nintendo DS

Saudações aos seres vivos e mortos.

Após algum tempo publico mais um Bad Trip portátil estrelando outra atrocidade de bolso. Pokémon Dash é mais um desses spin-offs safados baseado na já prostituida série dos famosos monstrinhos, cuja função é claramente tentar arrancar uns trocados extras do lanche da criançada. Peguem os socos ingleses, bastões de baseball, pedras e porretes e vamos a mais um linchamento. Essa aberração videogamística merece. E com louvor. Texto na continuação do link.

Ué, mas você não gosta de Pokémon? Perguntaria um leitor mais assíduo do blog. Pois é, algum tempo atrás, eu escrevi uma matéria extensa falando dos principais games da franquia. Como só falei dos principais jogos (os que realmente importam, no fim das contas), os infames spin-offs ficaram na obscuridade a que merecem estar destinados. Mas como um verdadeiro urubu, fucei novamente na carniça e resgatei talvez o que seja o pior de todos esses substratos de nitrato de pó de bosta, Pokémon Dash, joguete tão ruim que quase me fez desistir de comprar um DS.

É sério (ou não), quando eu tive meu primeiro contato com o portátil, haviam alguns joguetes junto e como não tinha nenhuma outra opção melhor, dei uma experimentada neles mesmos, afinal, quem não tem cão caça com gato. Infelizmente foi um evento um tanto infeliz, pois tirando o demo do Metroid Prime Hunters (que só tinha uma mísera fase) e o Wario Ware, só havia lixos a disposição, aberrações do nível de Urban Asphault (port de um título medíocre do medíocre do N-Gage), Rayman 2 (que ficou horrível no DS), Yoshi Touch and Go (bem intencionado, mas fraquinho) e por fim o desastroso Pokémon Dash. Tirando o fato de que a primeira versão do DS era feia e desajeitada (não é à toa seu apelido de “DS Fat” ou “DS Tijolo”). Fui testando porcaria atrás de porcaria, até que chegou a vez do lixo pokémônico. Como diria o boçal do Galvão Bueno, “HAJA CORAÇÃO!”.

A minha curiosidade e expectativa em relação ao DS foi murchando pouco a pouco, foi quando olhei para o cartãozinho com a cara do Pikachu e já previa o desastre que estava para ocorrer. A apresentação nem tentava enganar muito, apenas aparecia um Pikachu bem modelado em um esquema que lembrava o pavoroso Hey you Pikachu do Nintendo 64, cujo toque na tela causava algumas reações naquele abobalhado rato amarelo. Era visível que aquele clima infantilóide não podia dar certo, além de aquele troço soar terrivelmente forçado. Mesmo assim, por falta de opção e sem nada melhor para jogar naquele fatídico momento, eu bravamente (ohhh, grandes coisa) segui em frente, rumo à frustração, tédio e minutos de vida que jamais serão recuperados.

O joguete é simplesmente sensacional: com uma câmera em visão aérea, basta você tocar o Pikachu com a caneta (sequer é dada à opção de escolher outro Pokémon) e espanque a tela como se estivesse na grande final do campeonato mundial de masturbação. Após algum tempo de músculos cansados e dedos doloridos, aquilo que em algum momento lembrou uma corrida, magicamente acaba, e o game alegremente parte para mais uma eletrizante partida. “Ah, mas é só isso?” Claaaaro que não. Sempre tem mais, claro.  Em alguns momentos o jogador tem acesso a um balão, em que uma tentativa mal sucedida de imitação do Pilot Wings do Super Nes entra em curso, com péssimos controles e nova seção de espancamento à tela do coitado do DS. Vocês não imaginam como isso é divertido. Muito mais legal do que do chupar limão ou subir ladeira de skate.


Não fique triste, Meowth. Seu amiguinho ainda sai das drogas.

Os gráficos são medíocres mesmo para um game de lançamento, o design dos circuitos é pavoroso, com traçados genéricos e sem qualquer inspiração, pixels que estouram a todo momento, além de que todos os elementos conseguem parecer repetitivos e sem graça. O som é a aquela pentelhação típica do mundo Pokémon em seus momentos de consumo de anfetaminas, com musiquinhas mais alegres e sonsas que as apresentações de pagode do programa da Eliana.  É um joguete sem vergonha em qualquer aspecto que venha a ser avaliado ou testado. Sem choro nem vela.

O resultado dessa traumática e assustadora experiência foi que acabei por pegar o PSP bem antes do DS, o qual fiquei quase um ano sem chegar perto novamente, só comprando após uma viagem para os Estados Unidos. O jogo era ruim a ponto de me causar um desgosto que poucas vezes senti após jogar um videogame, qualquer que fosse.  Gosto bastante dos jogos digamos principais da franquia, mas Pokémon Dash mostra que a Nintendo e a Game Freaks não têm a menor vergonha de lançar uma porcaria qualquer com o focinho do Pikachu na capa. Afinal, um jogo ruim a mais ou a menos, o que importa é dinheiro no bolso.

Fiquem longe dessa atrocidade produzida na terra do sol nascente e poupem-se dessa tristeza. Vai que bate uma depressão profunda e acabe sobrando para o DS de algum de vocês. O portátil agradece.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

11 thoughts on “Bad Trip: Pokémon Dash – Nintendo DS

  1. É o que eu sempre digo e ninguém escuta, o que faz um console (e de tabela o gosto por um console) são os jogos e não o hardware dele.

    Tá anotado aqui, se um dia eu tiver um DS vou lembrar de passar longe ou então não perderei tempo com ele em algum emulador da vida.

  2. “espanque a tela como se estivesse na grande final do campeonato mundial de masturbação” Essa foi demais!!!!! HAHAHAHAAHA! Putz as vezes eu dou risada sozinho lendo essas análises. Valeu AvcF! Ahh e quero distancia desse lixo de game.

  3. Putz, sua lista de jogos que você experimentou primeiro foram muito ruim >S, na epoca eu comprei DS só pelos Castlevanias, e tem realmente muuuuuuito jogo bom nele,asssim como no PSP que quero comprar.
    Agora não esperava que esse jogo fosse tão ruim assim,eu gosto de Pokemon normal,mas nunca dei chance nesses spin-off

  4. O único spin-off de Pokémon que presta é o Pokémon Pinball, o resto pode-se juntar todos que não dá um game que preste.

    Eu testei o DS pouquíssimo tempo depois dele ter sido lançado, por isso que cabei vitima das porcarias. Pena que naquela ocasião não tinha o Mario 64 DS para testar…

  5. Po agora que você me lembrou o Pokemon Pinball do GBA era legal,eu curtia 😛

    Ahhh sim sim começo de lançamento, Mario 64 é legal,igual o do 64 mesmo Oo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.