Bad Trip: King of Fighters EX e EX 2 – Game Boy Advance

Saudações aos sarcasticos.

No post de hoje descerei a lenha em dois joguetes safados e infelizes que foram expelidos para o Game Boy Advance. Vamo que vamo.

Se teve um console que recebeu mais ports e spin offs safadíssimos, esse foi o Game Boy Advance. Os baixos custos de produção aliadas à grande base instalada e ausência de plataformas concorrentes faziam do GBA o porto perfeito para receber porcarias mais rápidas e baratas do que cheetos genérico de rodoviária. Foi nesse esquema que surgiu The King of the Fighters EX, título perfeito para aplacar a sede de dar umas porradas naqueles momentos em que um console de mesa não poderia estar presente. KOF EX era uma gororoba baseada nos títulos recentes da época que ao invés de se focar em um único jogo e apartir dali fazer um porte aproveitando até o limite da plataforma, resolveram fazer um juntado que tornou o jogo genérico e sem qualquer personalidade.

Se pelo menos fosse um “slugfest” decente, ok, mas nem isso era. King of the Fighters EX mais parecia o jogo produzido por estagiários. Os gráficos eram escuros e sem definição, abaixo até do padrão médio dos jogos do Game Boy Advance. As sprites até que não eram ruins, mas eram demais de mal animadas. Some isso a baixa taxa de quadros por segundo e a detecção de colisão que nem sempre funcionava, e tinhamos um game de luta ruim de dar dó. Nessa a mecânica ficou prejudicada, assim como a jogabilidade. Não era nada injogável, mas mesmo assim era bem ruim se fossemos considerar que era um jogo com a principal marca do que foi a SNK. Outra problema era a rotina de comportamento dos bonecos controlados pela CPU, muito mal executada e bastante idiota. Para derrotar o computador bastava uma espancada básica de botões e tava tudo certo. Tudo bem que não não dava para esperar nada super estratégico como os níveis mais difíceis das versões arcade, mas também não precisava ser aquela coisa tosca que era no EX.


E a porcaria continua

Os demais elementos eram dignos dos típicos caça-níqueis do GBA, com produção pobre, qualidade técnica baixa e pouco conteúdo. Ou seja, nada que valesse a pena perder tempo e dinheiro em um original. Na época eu cheguei a cogitar o jogo, mas depois que fiz um teste drive no emulador, senti um alívio enorme em ter me livrado dessa porcaria. Era legal a idéia de poder jogar um KOF decente de modo portátil (isso só se tornou possível de fato anos depois com o PSP), mas ficou só na idéia mesmo. Pior que algum tempo depois resolveram insistir nessa idéia furada e lançaram uma continuação chamada King of Fighters EX2: Howling Blood. Depois do vexame que foi o primeiro EX, já estava vacinado e fui direto para o emulador, já prevendo uma segunda catástrofe. Considerando por esse lado, até que minha impressão dessa vez não foi das piores. Howling Blood é apenas um jogo ruim, mas bem menos pior que o intragável KOF EX. Na verdade, pegaram a primeira versão, deram um tapa para corrigir uns erros e melhorar alguns aspectos afim de tornar a experiência de jogo um pouco mais agradável. Ou seja, gráficos levemente melhores, alguns quadros de animação a mais, uns personagens genéricos novos que de tão ruins nunca mais foram aproveitados em outros jogos da série e por aí vai.


Esse sim prestava

Felizmente os jogadores de Game Boy Advance tinham uma opção MUITO superior quando se tratava de jogo de luta portátil: Street Fighter Alpha 3. Tratava-se de um porte com qualidade inacreditável, considerando-se as limitações do GBA. A mecânica arcade permaneceu quase intacta e todos os elementos mimetizavam muito bem a versão original. Claro que houveram algumas limitações, como o som ruim e principalmente a ausência de dois botões de ação, mas para o GBA estava de ótimo tamanho. Todos os personagens estavam lá (incluindo extras como T.Hawk e Fei Long), assim como o conteúdo e modos de jogo. Esse sim era um jogo portátil de respeito e mostrava a diferença entre a Capcom e falida SNK. Claro que anos depois veio a excelente versão PSP, tornando SFA 3 completamente datado, mas em 2002 aquela versão era o melhor que podíamos jogar em termos de jogo de luta portátil.

Vou ficando por aqui. Abraços e até o próximo post.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time

17 thoughts on “Bad Trip: King of Fighters EX e EX 2 – Game Boy Advance

  1. Pior que eu tinha esse jogo na época do GBA, não vou mentir, eu adorava jogá-lo, porém, depois de fechá-lo em todos os modos em um dia e ver que não havia mais nada a ser feito, troquei o cartucho por Metroid Fusion, hahauhauhua, não me arrependi logicamente.

  2. kof ex2 era muito bom para um portátil… eu comprei o pirata, mas a fita tava tão podre que eu troquei por acessórios do meu GBA (que a capa uso hoje no DS \o/)…. odiei o fato dos botões serem mal projetados…. é uma pena, mas gostei da jogabilidade, e pra mim foi melhor que do SFA3 (que não conseguia soltar 1 hadouken! >.<)….. o melhor jogo de luta para portátil antigo (gba pra trás) foi o Street Fighter Alpha do GBC.
    Com 1 soco e 1 chute, o jogo foi muito bem produzido para o VG de pequeniníssimo porte e os gráficos pro GBC ficaram muito bons, jogabilidade e mesmo os especiais (até com o akuma era legal de jogar, qdo se conseguia pegar ele pelo random)…. 😀

    outro dia tava jogando no psp… hehehehe

  3. Desses ae o único que cheguei a jogar foi o SFA3 mesmo, mas não gostei muito, preferi muito mais o Super Street Fighter II Turbo, esse sim me fez perder horas no GBA. Agora KOF que eu gradava jogar no portátil era o KOF ’96 para GameBoy, muito bom.

  4. verdade!!! teve os kof 95, 96 e 97 pro GB!!! (ou era só 95 e 96?) hehehehe

    pergunta, perceberam que agente sempre responde (os que acompanham mais os comentários)… vcs tem twitter, facebook, orkut, blog, etc??

  5. cliff saos disse:
    “pelo menos teve uma boa avaliação… pela Nintendo World.”

    risos…

    thu thu meu nego disse:
    “KOF ‘96 para GameBoy, muito bom.”
    o melhor kof pra mim e o 96,passei anos jogando eles XD

  6. Concordo para o primeiro Kof EX do GBA era horrivel um amigo tinha comprado ele e eu fui jogar parecia game de celular.
    Mas corrigiram em muito na EX2 não deveria ser chamada de ruin já que ela não é melhor apenas por limitação do próprio GBA, além de introduzir um sistema de strikes muito melhor e mais justo que o do kof 2000, sem contar o sistema de pontos. Podia ter mais modos de jogo e quem sabe mais personagens, faltou tbm muitas vozes para os principais golpes como por exemplo especiais.

    Joguei tbm SFA3 do GBA post excelente, tem varios modos de jogos so faltou o world tour e todos os personagens, sem contar Maki e Eagly, jogo excelente por trazer tbm o edition mode liberando combos do game deixando a jogabilidade mais rápida.

    Agora eu não sei dizer exatamente se ele seria tão melhor que o FOF:EX2, considero equivalentes, já que os 2 não sao fieis a serie principal e tem bugs, mas os julgo como… MUITO BOM.

  7. @Rodrigo: Joguei muito o SNK Vs. Capcom no emulador. Tanto o Millenium Match como os dois Card Clash. Apesar dos gráficos musicas horríveis (eu já achava isso quando foram lançados) a jogabilidade deles ficou ótima.

    Quanto ao post, eu também cheguei a cogitar esse jogo, mas (felizmente) não o achei para venda na época, pois eu já detestava o console, quanto mais pagar (caro) por um jogo ruim. O único jogo de luta que eu joguei no GBA foi Guilty Gear X, uma das versões mais fáceis que já joguei da série. Dava para se divertir, mas em relação ao arcade perdia feio!

  8. Uma das coisas que ajudaram a afundar esses dos KOFs de Game Boy Advance com certeza foi o layout dos botões. Já disse em um outro artigo nesse mesmo blog que o GBA carece nervosamente das teclas X e Y – e esses dois KOFs são um bom exemplo disso que eu falei. Quanto aos crossovers da SNK com a Capcom, misteriosamente eu achei aquele CHAOS bem melhor que os que a Capcom fez – soa menos “frescurento”, e bem menos parcial pro lado da Capcom, ainda que não tenda tanto assim pro lado da SNK.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *