Bad Trip: Danger Girl (Playstation)

Danger Girl

Saudações aos barítonos.

E vamos a execração de mais uma porcaria da geração PSX/N64. Preparem seus estoques de vegetais podres, o resto vocês sabem como funciona.

Ah, os anos noventa. Epoca em que a molecada achava qualquer jogo tridimensional era a “cara do futuro”, que videos com animações em computação pré-renderizadas eram atestado de qualidade. Que ser adulto era estar no controle de mulheres deformadas que tentavam ser sexies até quando soluçavam, ou brincar de polícia e ladrão em cidades com gente burra a ponto de não reagir a qualquer evento que ocorra a seu lado. Era também a época dos jogos a granel, em que era mais barato comprar um lançamento gamístico do que uma coxinha com coca cola. Talvez até por isso que era um tempo que não havia qualquer necessidade de critério ou senso crítico com o que havia gravado naqueles discos genéricos marcados a caneta de retroprojetor com grafia errada (nunca me esquecerei quando vi um cd do Ralf Life).

Danger Girl era só mais um desses joguetes que habitavam as centenas os estojos da molecada, daqueles que acho que o pessoal nem sabia o nome, mas pegava pelas ilustrações de mulheres em poses de ação, em uma óbvia alusão ao enfadonho (mas incrivelmente popular na época) Tomb Rider. Danger Girl era baseado em um quadrinho americano genérico que ninguém se lembra mais, daqueles feitos para meninos adolescentes com carência sexual. Era daquelas historinhas super ingênuas de organizações terroristas que ameaçam o mundo, coisa e tal. Mas na verdade não passava mesmo de uma versão com mais silicone das atuais “Três Espiãs Demais”.Comparem e depois digam se estou errado.

O jogo obviamente segue por essa linha, mas tentou ser uma mistura de Metal Gear Solid com Syphon Filter, que claramente falhou de modo miserável. É mecânica é ruim de doer, e movimentar corretamente a espiã era por si só um desafio. A impressão que tive é que os programadores não tinham qualquer noção do que era uma mulher de verdade, pois a movimentação das personagens nem de longe lembrava uma figura feminina, com a total falta de leveza e graça com que faziam os movimentos. O game era tecnicamente pavoroso, a ponto de conseguir mostrar vários defeitos gráficos típicos da limitação técnica do Playstation em apenas um jogo, com texturas tremendo, serrilhados mil, estouros de pixel, pop ups e tal. Os personagens era incrivelmente mal modelados, especialmente as tais Danger Girls, que causavam um anti climax tremendo já que o jogador as via nas ilustrações das telas de loading e nas animações pré-renderizadas e depois davam de caras com aquelas bonecas deformadas e quadradas.

De resto havia o level design medícore e constantemente tentando copiar os games citados anteriormente no texto, e valor de produção equivalente a da coxinha com coca-cola. As animações pré-renderizadas eram razoáveis para a época, mas envelheceram mal para burro. No youtube deve ter algumas, mas acho que nem valem o download. Danger Girl, o jogo, tem que ter o mesmo destino dos quadrinhos, que é o esquecimento total e a irrelevância. Foi apenas um jogo ruim baseado em um conceito ruim, foram apenas cinco reais gastos à toa. A coxinha com coca-cola, pelo menos, enche o estômago.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

19 thoughts on “Bad Trip: Danger Girl (Playstation)

  1. se acho ralf life ruim,meu pai tava comigo na loja e pergunto de um jogo,ao invés de falar final fantasy,ele disse FINAL FANTA! XD

  2. Esse eu lembro que tinha na locadora, mas nunca joguei, preferia gastar meu tempo Com Resident Evil e Silent Hill hehe. E Tomb raider é super divertido sim, melhor, era, agora não da mais pra jogar, evelheceram pessimamente. Os atuais são melhores, mas mesmo assim travadões, dá ate vontade de jogar Prince of Persia e ver como se movimenta um acrobata huahua.

  3. AVCF, coxinha com coca-cola, dessa eu lembro, um clássico, tinha até me esquecido dessa maravilha da época de escola huahua. Onde tem uma lanchonete aqui perto hein?!?!?!?! Mas o melhor que já vi, foi o atentado ao nosso velho e querido radio. Fui no camêlo do centro da minha cidade e vi escrito no cd TOMBO RADIO, sim isso mesmo, será que o game conta a historia de como no futuro o radio será tombado??? Ainda tenho curiosidade acerca desse game huahuahuahuhaua

  4. Coxinha com Cola não morreu!! Sou usuário até hoje!!

    Nunca joguei o Danger Girl… mas puta merda! Tomb Raider é o fim! Eita jogo duro do inferno!!!! Fora que voce precisava achar uma alavanca do lado de uma pedra dentro de um rio na parte interna de uma floresta.. .so que, devido ao gráfico, só dava pra ver borrões de cores diferentes!!!

    Agora… Syphon Filter sim!! Jogaço!!!!! Lembro de queimar os inimigos com o Tazer. Clássico!

  5. Ufa, achei que fosse o único que odiava Tomb Raider quando era mais novo, nunca tive paciência pra essa porcaria! E coxinha com Coca-Cola é meu vício até hoje, poxa, combinação escolar perfeita.

    PS: Eu sempre olhava pra esse Danger Girl na locadora e não ia com a cara, preferia alugar meus Musashi, Castlevania, Breath of Fire…

  6. Sim sim, Tomb Raider era ruim, borrões talz, mas é melhor que outras atrocidades da época não!!??!?!? Agora Syphon Filter é do Cará-léo mesmo neh!! Adorava Fritar os carinhas huahua melhor que atirar neles. Mas o game tinha os controles lentos, e era bem confuso também, mas são reflexos da época hehe. Muitos games não envelheceram tão bem quanto os da geração anterior a PS1 e N64

  7. Hhahahahahahahahahahahaah lembro que quando tinha alguém falando a música parava. A produção não foi capaz de colocar dois sons ao mesmo tempo. Era demais para a época. 😛

  8. Eu conheço o traçado dessa capa! É o mesmo desenhista que cuidou de muito tempo da Gen 13. Aliás, a Image Comics (salvo Savage Dragon, que era realmente divertido) e a tragédia que representou para os quadrinhos é um dos principais motivos pelo qual odeio os anos 90.

  9. mas o q eu mais gostava de comer nos colegios q estudei,erá pão de batata com calabresa ou pizza de calabresa,amava isso,e na epoca gostava de coca XD

  10. Nunca ouvi falar nesse bagulho.Pra falar a verdade acho que já vi uns desenhos dessas peitudas pela rede mas não me recordo bem.
    Acho engraçado como essas bombas vem parar na nossa mão.E acho mais engraçado ainda como essas bombas são feitas.Simplismente não consigo entender como eles tem coragem de lançar certos produtos,não restringindo o assunto a games mas também filmes, quadrinhos, etc.
    Já joguei muita merda no PSX( e quem não jogou?) mas tem umas coisas que me dão calafrios até hoje.Tinha um tal de OverBlood2 que me dá nauseas, merece uma bad trip.
    Tinha uns também que eram bem estranhos mas eu adorava como o Skullmonkeys.Divertido e criativo e dono de uma das minhas trilhas sonoras favoritas.Totalmente bizarra.
    agora da licença que eu vou comer uma coxinha com coca…

  11. huaehuaehueahuae
    esse jogo era podre! uma tentativa de charlies angels mal produzido.
    realmente, para a época, aquilo era o gráfico…. mas ainda assim podre… não gostava desse tipo de gráfico e me perguntava como conseguiam fazer Metal Gear com um gráfico legal e essa joça….. lembro que para tentar subir/descer uma escada era um sacrifício…. joguei só pra testar e nunca mais!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.