Bad Trip: Clay Fighter (Super NES)

Saudações aos universitários.

O texto de hoje relembrará mais um jogo de luta mediocre dos anos noventa, que se não fosse pelo meu espírito de porco, estaria na santa paz da obscuridade e da insignificância. Com vocês, amiguinhos, o lamentável Clay Fighter. Segurem seus tomates e ovos podres, pois a festa vai começar.

Década de noventa. Super NES e Genesis brigavam pelo dinheiro do lanche da garotada, os games eram todos praticamente 2D e o mundo era mais simples. Os jogos de luta eram os mais populares, pois não tinham frescura nenhuma e era só pegar o controle e sentar porrada para valer. Produzir algo desse tipo era simples, bastava desenhar uns bonecos, colocar uns golpes bacanas e estava tudo resolvido.

O que parece ser uma exaltação ao saldosismo logo acima no texto, muito provavelmente devia ser a mentalidade de alguns dirigentes de produtoras de jogos daquela época. Em especial o pessoal da Interplay e da Visual Concepts, quando decidiram lançar essa bomba para o Super Nes e o Genesis, em 1993. Apesar da Interplay ter uma pancada de clássicos em seu currículo, sua plataforma de atuação era o PC, e como ninguém é de ferro, resolveu tentar fazer uma graninha fácil no mundo dos consoles. A idéia até que não era tão ruim: fazer um clone de Street Fighter 2, mas com o diferencial de ter lutadores baseados em bonecos estilo cartoon de massinha animados em stop motion.

Embora a técnica do stop motion seja tão antiga quanto o guaraná com tampa de rolha a vitrola de 16 rotações, as revistas de videogame deram destaque ao jogo, como se fosse algo realmente inovador, chamando a minha atenção – então um inocente menino de nove anos de idade. Alguns meses depois do jogo ter sido lançado, enfim achei uma cópia na locadora e resolvi experimentar o tal Clay Fighter para ver qual era a do jogo. Tá certo que não imaginava se tratar de um clássico, muito menos um “AAA”, mas esperava um game de luta bacana e divertido. Nem uma coisa, nem outra, o que aluguei foi apenas mais um lixo gamístico. Coitado do meu Super Nes.

Era uma desgraça em forma de jogo. Embora os gráficos fossem razoáveis (nada além disso mesmo), todo o resto era ruim de dar dó. A ironia é que justamente a animação, que deveria ser um chamariz do jogo, era lenta e mal feita, com poucos quadros e implementada de forma grosseira. Junte isso a um gameplay ruim e travado, lutas com ritmo sonolento, golpes sem graça e uma trilha sonora que era vergonhosa até para os Bananas de Pijama, e temos um resumo da experiência oferecida por Clay Fighter. A ruindade dos personagens era outra atração a parte. Os designers nunca devem ter assistido a um cartoon na televisão, pois se tivessem, não teriam criado aquelas criaturas insossas e débeis, que mais pareciam seres deformados por radiação lutando como retardados mentais.


A medonha continuação

Se Clay Fighter tivesse parado aí e terminado apenas como uma idéia que não deu certo, tava tudo legal. O duro é que mais games foram lançados, uns piores que os outros, como o constrangedor Clay Fighter 2: Judgement Clay, sem sombra de dúvidas uma das maiores anormalidades que vi rodando em um console. Houve ainda espaço para mais uma porcaria, no caso o Clay Fighter 63 1/3, expelido direto para a lata do lixo dos piores jogos do Nintendo 64. O jogo conseguiu a façanha de ser o pior CF de todos, ainda mais porque tentou se tornar um clone do Mortal Kombat.

Se juntarem todos os jogos não daria nem um game de luta medíocre. São jogos pavorosos, que não valem nem o tempo gasto em um download para emulador. Não percam tempo com essas cópias, prefiram o original que é bem melhor. E se for para verem personagens cartoon brigando, assistam um episódio de Tom & Jerry, é muito mais divertido, garanto.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time.

24 thoughts on “Bad Trip: Clay Fighter (Super NES)

  1. O pior é que a capa despertava curiosidade… eu cheguei a comprar o primeiro (e ainda tenho), e nunca consegui jogar mais de 20 minutos sem tirar o cart do snes e colocar o street fighter em seguida.
    Se é pra jogar algo com o earth worm jim (cf 2 e 63 1/3), jogue o game do próprio, incrivelmente melhor que essa coisa.

  2. Talvez se vc criasse um Game Contraste diferente, no qual a capa do jogo apesar de ruim, aparenta que o jogo é menos ruim do que realmente é.

  3. Aliás, por ter mencionado o earth worm jim, deu uma saudade danada de alguns jogos que desapareceram depois de conversões desastrosas no início da era 3d.

    Ei avcf, você não acha que isso daria um bom artigo? Tipo, franquias desaparecidas, ou algo assim ?

  4. Claro, é uma pauta relevante. Algo do tipo “jogos que foram extintos pelo 3D”, pode ser uma idéia interessante. Esse começo de ano tô apertado como nunca, mas verei isso.

  5. avcf

    Eu sei desse espaço…sou um leitor assíduo do blog já….

    É que em ambas as matérias são capas boas para jogos ruins e vice-versa.

    No caso do clay fighter a capa é pessima….mas dá a impressão que o jogo não pode ser pior que isso…….e consegue ser pior de verdade!

  6. “Era uma desgraça em forma de jogo. Embora os gráficos fossem rasoáveis”

    Não seria razoáveis?

    Sobre o jogo achei uma bosta tremenda a série toda, lembro que as primeira imagens que vi em uma revista X-Game do Nintendo 64 eram show de boa, mas o resultado final depois, lixo completo.

  7. Também já me diverti com games ruins, quem não teve seu momento de guilty pleasure com games? Se bem que meu cachorro dormindo é melhor que Primal Rage.

    Teve muito trabalho com os lixos do fórum lol naquele tópico sobre pirataria?

  8. Tive muita dor de cabeça. Aquele povo nunca aceita nada, finge que não ve seus posts e inventam owneds do nada.
    Já to desistindo de discutir isso. =/

  9. Chegou a tanto? Isso porque não você leu o que falaram desse blog e de mim na época que publiquei o texto “Caso Magazine Luiza expõe desonestinade brasileira”. Foram centenas de comentários quadrúpedes, com gente raivosa me xingando de tudo quanto é coisa, baixando o nível, coisa e tal.

    O mais engraçado desse pessoal é que eles acusam quem compra original de ser moralista (como se fazer a coisa certa fosse excesso de moral), mas se colocam no papel justamente de senhores da moral ao exigir…moralidade dos outros! Sim, pois se acham no direito de te exigir até notal fiscal paulista até do cafezinho da padaria, caso contrário você é um lixo moral que não tem direito a repudiar a pirataria reinante.

  10. “Caso Magazine Luiza expõe desonestinade brasileira” ?
    naum vi esse post, será q tem como recolocar ele? fiquei interessado em ver oq vc falou…(imagino q vc bateu no magazine pq eles ficam anunciando dinavision como a super novidade dos amges ¬¬)

  11. Não é nada disso do que você tá pensando. Era um post sério, em que pisei no calo de muita gente. Você não viu no blog porque foi publicado na primeira versão, que devido a um ataque hacker no servidor que hospeda o Loading Time, foi para as cucuías. Como eu estava sem back up das coisas, fiquei horas catando textos no cache do google, perdi vários post, inclusive.

    Eu tenho esse texto aqui comigo, incluindo a segunda parte dele. Mas não tem razão de publicá-lo agora, pois ficaria fora de contexto, já que tratou de uma notícia do ano passado. Mas acho que é capaz de você o achar em algum fórum por aí.

  12. Po….

    Primal Rage era um jogo legal…….quando tinha super nintendo e não entendia nada de jogo de luta bom….ahhuauahuahuauh

    Mas eu gostava bastante dos fatalities

  13. hun, sobre o caso do magazine luiza…isso na verdade eh mais comum do q vc pensa…esse tipo de erro vive acontecendo em lojas como americanas e submarino, e mtos se aproveitam desses erros….tenho um amigo q chegou a comprar varias coisas por 1 centavo nessa lojas, e ele descobria essas promoções pq um conhecido dele tinha criado um script para rodar a loja e pegar erros desse tipo…inclusive parece q tem todo uma comunidade de pessoas q se avisam desses erros quando descobrem, e usam esse tipo de erro do sistema…e as lojas saum obrigadas a entregar o produto nesse preço, pois eh quase como um contrato a compra em loja virtual, vc aceita todos os termos deles antes, e eles se comprometem a entregar pelo preço q estah lah…mas nunca da para ter certeza se eh soh um erro do sistema ou promoção radical (claro q 1 centavo eh erro, mas tem preços mais normais…), a propria dell vive fazendo promoções radicais, de um dia para outro um computador fica 80% mais barato, e os sortudos q compram recebem ele normalmente…jah ateh discuti isso com um pessoal, parece q esse tipo de promoção relampago saum justamente para ver o tempo de reação do publico ao site…entaum algumas vezes naum eh erro, mas sim a propria loja querendo saber como anda sua popularidade…mas obviamente no caso do magazine foi erro, e pelo q sei eles saum obrigados a entregar o produto pelo preço mostrado, sendo ou naum um erro…(mas naum estou defendendo quem faz isso)

  14. Bom, desonesto existe em todo o mundo, mas falar que o brasileiro não tem credibilidade pois é desonesto, aí pegou pesado.
    Nos EUA, alguns jovens compram originais pois o preço é bem em conta e a realidade de vida deles é outra, mas mesmo assim existem os desonestos que baixam os jogos via torrent e outras coisas também. Para se ter uma idéia da vida deles, é só observar o que o próprio presidente deles recomendou no início da crise financeira mundial: “Americano compre”, ou seja, mesmo em falta de dinheiro compre que vai ser melhor para todos…

    Mas concordo com uma coisa, dá mal estar ficar discutindo isso e vendo respostas como “me dei bem e você se lascou”, a impressão é que muita gente pensa que ser malandro é muito bom e que vai continuar assim e vai passar para os seus filhos, netos e etc. Existe uma propaganda que tem explora este tema: http://www.youtube.com/watch?v=C2x6uTYWXBE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.