Bad Trip: Captain Tsubasa J: Get in the Tomorrow (Playstation)

Saudações aos foliões.

Relembrando meus tempos de virtual otaku e anime lover, detonarei mais uma porcaria do passado. A vítima da vez é Captain Tsubasa J: Get in the Tomorrow, lançado para Playstation em 1996. Sigam-me os bons.

Quem viveu os anos noventa sabe a febre que os animes foram naqueles tempos. Entre os maiores sucessos daquela época figurou um anime que tratava de um tema que sempre chama atenção no Brasil: o futebol – ou os Super Campeões, como era chamado aqui o desenho Captain Tsubasa. O anime ganhou destaque ao ser exibido em 1998, justamente ano da Copa do Mundo da França, na extinta Rede Manchete, e claro que “pegou” entre a molecada. No mundo dos videogames o número um era o Playstation, mas os verdadeiros Super Campeões eram mesmo os camelôs, que ganharam rios de dinheiro com os CDs piratas. Por óbvio que não tardou para aparecer nas melhores barraquinhas o piratinha com o joguete de Oliver e seus miguxos (putz, que frase mais gay). A criançada topou a versão japonesa mesmo, pois o desenho não era transmitido nos Estados Unidos (pelo menos eu acho) e portanto não haviam games licenciados no ocidente.

Em 1998 eu já conhecia os emuladores e cheguei e ter contato com limitados games Captain Tsubasa para NES (além da tosquíssima versão americana modificada que a Tecmo lançou com outro nome), e imaginava que a versão Playstation tinha bem mais a oferecer. Creio que na minha cabeça eu achava que encontraria uma versão mais fantástica de International Superstar Soccer 98 (que por si só já era um futebol bem mentiroso), com aqueles lançes drámáááááticoos (by Galvão Bueno) do anime. Me refiro a momentos como aqueles saltos de quinze metros com duplo twist carpado invertido de 1080 graus com back flip, versões atômicas do chute do Branco na Copa de 94 e defesas de goleiros com raras habilidades psicocinéticas que incluiam travessias pelo tempo e espaço. Quem assistiu se lembra (mas todo mundo curtia os absurdos).

Porém ao ligar o console eu quebrei a cara. Claro que não era sem noção de achar que um game 32-bits super efeitos especiais escalafobéticos iguais aos do desenho, mas se tivesse um futebol bacana a coisa já ia bem. Porém Captain Tsubasa J: : Get in the Tomorrow sofreu o que chamo de “síndrome de Mega Man Soccer”, ou seja: não há qualquer futebol e o jogo se resume a dar chutes especiais com os personagens principais e correr para o abraço. E era só isso mesmo, não importava a posição e nem tinha muito critério, o máximo que podia acontecer era se o goleiro do time adversário também fosse personagem, o que eventualmente ocasionava uma defesa.


Acreditem, esse esquema cansava rapidinho

O grande problema porém, é que o game não tem qualquer capricho também no aspecto técnico, com gráficos tridimensionais porquíssimos e sprites que conseguiam a proeza de serem piores que os dos games SNES. Eram feios demais, pareciam estourados de qualquer ângulo e muito mal animados; fora o fato de serem minúsculos em em relação ao tamanho do campo, um ridículo erro de escala. A trilha sonora genérica não ajudava muito a animar as partidas, que por si só já eram desanimadas pelo gameplay pobre. Não havia qualquer necessidade de preocupação com formação, posicionamento ou esquema tático, pois nada disso tinha qualquer influência nas partidas, pois como disse antes, bastava passar para o bonzão do time dar seu chute estrambótico e liquidar a fatura. Talvez o único desafio durante a partida fosse fazer a bola chegar no craque, pois as mecânicas de passe, lançamento e tomada de bola eram muito ruins. Ah claro, o maior desafio do jogo era mesmo marcar um gol de penalti, uma verdadeira tortura chinesa se o goleiro na sua frente fosse alguém como Benji ou Wakashimazu. Somando-se ao óbvio fato do jogo ser totalmente em japonês, não havia qualquer possibilidade de entender e acompanhar as historietas do jogo, se bem que nem no anime a trama não era lá essas coisas.

No Japão Captain Tsubasa foi um joguete lançado para faturar uns trocos da criançada fã do anime e do mangá. Aqui no Brasil não foi muito diferente,já que foi um joguete lançado para pegar a criançada que estava tanto no embalo do anime quanto da Copa do Mundo da França. Ainda bem que o Playstation tinha games de futebol bem melhores, então Captain Tsubasa J: Get in the Tomorrow nem fez muito estrago. Foi mais um daqueles jogos que tão logo eram comprados e jogados já voltavam aos estojos ao lados de centenas de outros disquinhos desprezíveis. No Playstation, Tsubasa passou vergonha em campo, foi substituído e não voltou mais. Ninguém nem sentiu falta.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time

11 thoughts on “Bad Trip: Captain Tsubasa J: Get in the Tomorrow (Playstation)

  1. Que porcaria hem?
    Um que eu joguei uma vez só e curti era o do Mega Drive, já viu? Tinha menos de futebol que nesse do Psx, mas era divertido.

  2. Nunca gostei de futebol nos games, jogo muito de vez em quando, mas só os FIFAS atuais que são bem feitos. E esse, graças a um bom Deus, nem cheguei perto.

  3. Só joguei a versão de Game Boy “Tijolo”, que era alguma coisa parecida com um RPG de futebol em japonês :S

    O único jogo de futebol que eu gosto é o ISSS Deluxe do SNES, mesmo com as coisas sem noção.

  4. Assistia pra caramba esse animê e olha que eu não sou fã de futebol. Mas, quanto ao game…….. despresivel. André, dá uma arrumada lá em cima na parte “fora o fato de serem minúsculos em em relação ao tamanho do campo”. Valeu, abraços

  5. POXA…SUPER-CAMPEÕES ERA UM EXELENTE ANIME!!! XD S2

    agora coisa bizarra em anime esportivo tem bastante ao cubo em Eyeshield 21…cara com braço elastico…um com braçoi de lança…e por ae vai.e eyeshiel 21 é de futebol…americano claro! XD

  6. nunca tive vontade de conhecer o jogo pelo simples fato de eu não gostar de futebol xD
    por eu ser gordo e ruim, eu era o personagem grandão que era da defesa do time (qdo era o time de bairro)…. mas o anime era legal xD
    o treinador bebado, o kra malvado com o dublador do ikki (nada proposital, óbvio xD)…. hehehe bons tempos…..
    e para corrigir, o anime não foi lançado em 98, se não me egano foi em 97 ou 96 (acho que foi 97), pq eu me mudei de casa em dezembro de 97, e brincava disso antes de me mudar 😉

  7. Por que diabos toda vez que um jogo do Playstation é avaliado aqui no blog,sempre tem que rolar um piadinha com um tom sarcástico sobre pirataria?

    1. Os bad trips de Playstation eu sempre tiro sarro da pirataria porque simplesmente TODAS as pessoas que conheci e que tinham Playstation só possuiam jogos piratas. Alguns sequer viram um CD original com fundo preto na vida. Mesmo atualmente creio que a esmagadora maioria das pessoas que tenham um Playstation 2 também nunca viram um original na vida. E além do mais, é sí piada mesmo.

      Agora, nas avaliações sérias eu não abordo a pirataria, pode verificar.

  8. O Captain Tsubasa que saiu pra PS2 é muito bom, mas é o tipo de jogo que você só zera uma vez e acabou. Talvez só pegue de novo depois de uns anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.