Bad Trip 2012: Sidney 2000 (Playstation,Dreamcast,PC)

Saudações aos leitores.

E vamos ao primeiro Bad Trip do ano de 2012, vejam só.

E como estamos, afinal, em ano de jogos olímpicos, nada como começar descendo o cacete em um jogo desse, digamos, gênero. Ao fazer uma detalhada busca em meus arquivos de porcarias já jogadas, encontrei esse perfeitamente medíocre exemplar de jogo do tipo que ninguém se importou. Ainda sim, por algum motivo resolvi resgatá-lo somente para expor sua ruindade em praça pública. Então vamos lá, amigos.

Jogos Olímpicos costumam ser um conjunto de eventos um tanto repetitivos, mas que por motivos diversos, as pessoas gostam de acompanhar. Digo repetitivo, porque a cada quatro anos é sempre mais ou menos o mesmo esquema: milhares de propagandas e filminhos com atletas correndo em super câmera lenta ao som de “Carruagens de Fogo”, programetes ou informes com informações esdrúxulas e curiosidades que ninguém se importa; ex-atletas (que em muitos casos eram apenas figurantes em suas modalidades enquanto ativos) e comentaristas tirados sabe-se lá de onde, alçados à condição de especialistas; toneladas de comentários clichês e informações equivocadas sobre a cidade-sede e por aí vai. Ah, não poderia esquecer de mencionar a quase comovente mudança que ocorre com a audiência brasileira, que começa ultra ufanista, naquele clima de “ninguém te segura, Brasil!!!” passando para a raiva e decepção total a cada vez que nossos gloriosos atletas são derrotados pelos concorrentes mais bem preparados e talentosos dos países mais desenvolvidos, terminando na aceitação de que pelo menos ganhamos da incrível Argentina. Se algum de vocês não se lembra como é esse processo, basta ver a reação dos santistas após o saco que o rico e bem treinado Barcelona aplicou no comum (acima apenas da nossa média) time do Santos no último mundial de clubes.

Os jogos olímpicos de Sydney não foram particularmente felizes para o escrete brasileiro, uma vez que ficou na ridícula 53 posição, além de não ter conquistado uma mísera medalha de ouro. Isso mesmo, o Brasil conseguiu a proeza de PERDER TODAS as finais que disputou, o que deixou o país atrás de potências olímpicas como a Colombia, a Letônia e o Azerbaijão. Indo, enfim, para o mundo dos games, poderíamos quem sabe ao menos nos divertir brincando de mudar a realidade e colocar o Brasil no topo do pódio, certo? Quem dera, pois o game Sydney 2000 foi tão bom quanto a participação brasileira na competição do mundo real.

Em uma aprazível tarde daquele que foi o último ano do século 20 (protip: não se enganem, o século 21 começou em 2001), estava eu na casa de um amigo da época, que tal qual era o padrão da época, sacou um daqueles infames estojos de CDS piratas (leitores das antigas já leram essa frase várias vezes aqui no blog, eu sei) escritos com caneta de retro projetor (esse tipo de coisa ainda existe?). Dentre as centenas de opções, havia um CD diferente, com um fundinho impresso com qualidade ligeiramente melhor que os demais jogos, justamente o Sydney 2000. Época de jogos Olímpicos, um dia para se jogar uns games…por quê não, certo? E lá fui eu entrar no mundo dos esportes olímpicos digitais.

De cara, um aspecto que acho incrivelmente decepcionante desse tipo de jogo é o design largamente ultrapassado deles, pois todos os video games olímpicos lançado até hoje copiam o gameplay do velho Decatlhon, lançado para o saudoso Atari 2600:

Em Sydney 2000 o que mudava de uma modalidade para outra era apenas o botão a ser espancado para poder vencer a prova esportiva em questão. Tudo era muito limitado e sem graça, até porque o jogo praticamente não tinha música, a torcida não se manifestava e tudo ocorria em um quase silêncio sepulcral. Além disso, tudo tinha uma cara incrivelmente genérica, o jogo poderia ser de qualquer outra competição que ninguém notaria a diferença. A única coisa que talvez chame atenção é a estranha modelagem dos atletas, atarracados, meio rechonchudos e que tinham uma expressão estranhamente engraçada. Como não tinham atletas reais nem estatísticas de qualquer natureza, tanto fazia o país escolhido, então a graça era pegar um daqueles bem toscos e obscuros, para ver se o jogo ficava alguma coisa próximo de divertido.

Mal deu vinte minutos e o jogo já encheu. A impressão que ficou é não havia muito interesse na época em lançar um jogo bem feito sobre os jogos olímpicos, tendo então sido lançado apenas uma peça menor de merchandising. Algo do tipo “ah, lançem qualquer troço com a marca dos jogos que tá tudo certo”. Tanto que nenhuma produtora de nome quis assinar esse game. Tal qual em 2000 porém, é certo que Londres 2012 também contará com seu game esportivo genérico o qual ninguém se importará. Bem que poderiam desenvolver algo novo e interessante, porém não acredito que ocorra.

Até o próximo post, amigos.

AvcF – Loading Time.

6 thoughts on “Bad Trip 2012: Sidney 2000 (Playstation,Dreamcast,PC)

  1. Hey, eu escrevo com caneta de projetor nos meus DVDs backups de arquivos (arquivos mesmo, não jogos), rzs. Jogos feitos para estas ocasiões esportivas sempre utilizam a formúla de “pegar carona” no evento, tudo nas coxas. Já tem um do Mario & Sonic, será que é bom?

    Comentário do AvcF: Já saiu o TERCEIRO jogo do Mario & Sonic, e minha vontade de jogá-lo é zero mesmo. Até porque a produção é da Sega, e de esporte eles não entendem nada.

    1. Ahh, para com isso, AvcF, Decatlete e Winter Heat são esmagamento de botões e sempre foram ótimos para a época! Fora um tal de Virtua Tennis… ninguém insiste numa franquia tanto assim se ela não for boa, como ela é! (já estamos no 4)
      E Mario & Sonic at The Olympic… , no que já testei até hoje, se não são aqueeeeeela maravilha, também não faz feio! Até porque, com Sonic e Mario, a Sammy teria que ser MUITO ruim para conseguir estragar/abalar as franquias com esse jogo!
      (E convenhamos, o que vemos hoje não é a Sega. É a Sammy brincando de gerenciar a Sega. Logo, sejamos justos, até que eles foram muito bem sucedidos com essa franquia. Para o bem ou para o mal, o público sempre se lembra dos “jogos dos mascotes” nas olimpíadas no Wii. Agora, da “versão realista” das olimpíadas para X360 e PS3… é o esquecimento total)

  2. amo a sessão BAD TRIP daqui, muito engraçada e aprendi muito das olímpiadas de Sidney, e o Playstation tem muitos jogos de personagens meio rechonchudos, parece q são feitos de borracha

  3. Os dois Mario & Sonic que saíram (verão e inverno) são bacaninhas. Pena que não há uma disputa entre países, o jogo tem foco mesmo nos personagens.

    Agora, de olimpíada entre atletas “humanos”, joguei mesmo o Nagano ’98. Caraca, era extremamente difícil se dar bem para pegar algum pódio, os controles eram bem complicados. Mas tinha um clima naquele jogo legal….

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.