As curiosas versões européias de jogos 8 e 16-bits

As curiosas versões européias de jogos 8 e 16-bits

 

Saudações aos leitores.

O continente europeu sempre teve uma relação com os computadores e plataformas de jogos diferente de como americanos do norte e sul e japoneses têm.  Máquinas que fazem sucesso em um território são desconhecidas em outros, diferenças de linguagens, sistemas operacionais, métodos, etc, sempre mostraram a Europa como um mercado bastante particular, em detrimento do eixo Japão/Estados Unidos. Isso provavelmente não deve ser nada novo para vocês. Dentro desse tema das diferenças entre as regiões, falarei sobre outro ponto: as histórias curiosas sobre versões de jogos lançados nos países do velho continente.

Por alguma razão ou motivo que desconheço, diversos jogos lá precisam mudar de identidade e/ou serem alterados para entrar no mercado europeu. Para ficar em exemplos rápidos, Mario Hoops 3 on 3 do DS virou Mario Basket 3 on 3, No More Heroes (Wii) precisou retirar o sangue para não ser censurado e o jogo Dead Rising (X360) foi banido da Alemanha. A curiosade maior é que isso não é uma tendência atual ou fenômeno dos atuais consoles, esse tipo de expediente já ocorre a tempos. Mostrarei vários desses casos aqui no texto.

Contra e Probotector: mesmo jogo, caras e nomes diferentes.
Contra e Probotector: mesmo jogo, caras e nomes diferentes.

Voltemos a saudosa era dos 8 bits, em que o Nes mandava e desmandava e recebia lançamentos a rodo. Aqui começa a “dança das versões”. Quem não se lembra do clássico Contra, com sua ação frenética e hardcore? Os europeus certamente não se lembram, mas pergunte a alguém de lá se lembram do Probotector. Por um desses mistérios da humanidade, a Konami resolveu redesenhar as sprites dos soldados controlados pelos jogador, além das dos inimigos humanóides. Por quê? Boa pergunta, já que não havia sangue e o jogo não era nem um pouco realista nem parecia violento. De qualquer forma, a Konami tomou gosto pela troca de nomes, já que a versão seguinte, Super C, foi rebatizada de Probotector 2: Return of the Evil Forces. Como vocês podem ver, não só os nomes, mas até as capas eram alteradas para parecer um jogo diferente. Contra 3 (Snes) e Contra Hard Corps (Sega Genesis) também se transformaram em Super Probotector: Alien Rebels e Probotector, respectivamente. O mais engraçado é que as versões seguintes dos games Contra para Playstation e Playstation 2, não sofreram essas transformações.

BlueShadow

Outro ponto curioso é que durante algum tempo simplesmente nenhum jogo com a palavra ninja no título era lançado na Europa com o mesmo nome. A clássica série Ninja Gaiden da Tecmo, mudou para o genérico Shadow Warriors, isso porque só havia um personagem protagonista. O jogo Shadow of the Ninja, da Natsume, foi alterado para Blue Shadow. Já a série de jogos baseados nas Tartarugas Ninjas (Teenage Mutant Ninja Turtles) teve de ser alterada para Teenage Mutant Hero Turtles. O esquisito dessa série em particular, é que o jogo TMNT: The Hyperstone Heist, lançado para o Sega Genesis, manteve o “Ninja” do nome nas três versões. Já o jogo Tournament Fighters do mesmo console e do NES, ganhou o Hero no título europeu (coisa que não aconteceu na versão do mesmo jogo para o Super Nes). Para fazer menos sentido ainda, o jogo Joe & Mac (Nes e Snes) foi rebatizado para Joe & Mac Caveman Ninja(??!!). Entendeu? Nem eu.

Caveman(não devia ser cavemen?) ninja é dose…

 Mas espere que ainda tem mais. Como explicar que o game S.C.A.T, da Natsume, se transformou em Action in New York? Ou que Bomberman II ganhou o horrível nome Dynablaster? Que tal ao invés do River City Ramsom, você jogar Street Gangs? Haja mal gosto para tantos nomes ruins. O único caso de mudança de nome que eu encontrei uma razão lógica foi o game Star Fox, cuja versão Snes foi renomeada para Star Wing, já que o nome Star Fox pertencia a um game obscuro que foi lançado para os computadores Sinclair ZX Spectrum e Armstrad. A versão posterior do Nintendo 64 também mudou, de Star Fox 64 para Lylat Wars, nome que faria muito mais sentido como um sub-título.

Devem existir outras bizarrices, quem souber de alguma pode me mandar que atualizo aqui no texto. O que acho de mais estranho em todos os exemplos é a falta de qualquer coerência para as escolhas ou razão do porquê fazê-las. Não sei o que os jogadores dos países europeus acham disso, mas creio que devam achar um tanto engraçadas essas mudanças esquisitas. Bom fim de semana e até a próxima postagem. Abraços.

André V.C Franco/AvcF – Loading Time

2 thoughts on “As curiosas versões européias de jogos 8 e 16-bits

  1. Não só jogos como também consoles sofrem com as peculiaridades da Europa, como o Dreamcast que teve a cor de sua logo alterada para azul (apesar que no caso foi um problema de patentes se não me engano).

  2. Europeus são chatos, e exigem nome exclusivo. Só pode.
    Além de mudanças radicais, PRECISAM alterar nomes só por alterar. Como o jogo de Wii, Sin and Punishment: Star Sucessor, foi levemente alterado para Sucessor of the Skies.

    A postagem me deixou curioso e procurei outras alterações, achei essa lista da Wikipedia, https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_works_with_different_titles_in_the_United_Kingdom_and_United_States .

    Tem coisas bem estranhas.
    O jogo, Beyond Oasis, que foi abordado aqui no blog, há um tempo atrás, no Game Contraste, na Europa, tem nome de The Story of Thor.
    Out This World, para Another World.
    Aliás, tudo no que toca essas mudanças são estranhas, pois não seguem lógica nenhuma.
    O Jogo Bully, foi alterado para Canis Canem Edit, Aí tu pensa: ” ah, devem fazer isso para evitar usar nomes controversos”
    Em seguida, você descobre que Shin Megami Tensei: Nocturne, lá, tem o subtítulo de Lucifer’s Call.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.